XP Expert

Zeina Latif: Efeitos Colaterais

Falhas de mercado existem e demandam intervenção estatal. Ocorre que muitas distorções no sistema econômico não são fruto de falhas de mercado, mas sim de ação estatal equivocada que atrapalha o funcionamento da economia. Um exemplo é o dos bancos. O ambiente de negócios hostil eleva o custo das empresas. Recursos são desviados da atividade […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Falhas de mercado existem e demandam intervenção estatal. Ocorre que muitas distorções no sistema econômico não são fruto de falhas de mercado, mas sim de ação estatal equivocada que atrapalha o funcionamento da economia. Um exemplo é o dos bancos.

O ambiente de negócios hostil eleva o custo das empresas. Recursos são desviados da atividade produtiva para atender ao cipoal de exigências tributárias, trabalhistas, regulatórias e legais, e para contornar as deficiências de infraestrutura e qualidade da mão de obra. Se o volume de produção não for elevado, para diluir custos (ganhos de escala), o negócio torna-se inviável. O resultado pode ser a maior concentração dos mercados em poucas empresas.

Um exemplo disso é o setor bancário. A concentração aumentou nos últimos anos, sem que se traduzisse em maior rentabilidade do setor.
Por conta do ambiente econômico difícil, a concessão de crédito no Brasil é mais arriscada e custosa do que na experiência internacional, o que estimula a consolidação do setor e pressiona o spread bancário (a diferença entre taxa de juros ao consumidor e custo de captação dos bancos), atualmente em 40% ao ano.

O elevado spread é, principalmente, reflexo do elevado risco e custo enfrentado por um setor que depende de ganhos de escala. Afinal, custo precisa ser pago e o risco remunerado para que a atividade se sustente.

Vejamos os principais determinantes do spread.

A taxa básica de juros tem influência direta no spread, o que também é observado em outros países. A razão está na necessidade de remunerar o capital. Se a rentabilidade de uma empresa ficar sistematicamente abaixo de seu custo de oportunidade (taxa de juros), é melhor fechar as portas. Isso é particularmente válido para os bancos, pois sua expansão depende necessariamente de aumentos de capital, pela natureza do negócio e pelas regras dos reguladores, que são bastante restritivas no Brasil, elevando o custo do capital e, assim, o spread.

O que explica o restante do spread, na casa de 23%, além da carga tributária elevada e a regulação apertada?

Primeiro, a inadimplência alta e a dificuldade de recuperação de créditos (explicam 46% do spread, segundo o BC). O risco de o banco não recuperar um empréstimo não pago é altíssimo, sem contar os custos do processo. Segundo a Febraban, a recuperação de créditos é de apenas 16% no Brasil ante 35% nos países emergentes e 80% nos EUA. A insegurança jurídica do País, que atrapalha a execução de garantias e estimula a inadimplência, é enorme entrave. Pode ser uma explicação para a forte redução da oferta de crédito durante as crises. Bancos ficam mais sensíveis ao ciclo de inadimplência.

Segundo, o crédito direcionado ou subsidiado (imobiliário, rural, linhas do BNDES). Segundo Nelson Sobrinho, o subsídio cruzado entre crédito direcionado e livre explica cerca de metade do spread. Outro aspecto é que o crédito direcionado limita o potencial do mercado livre, reduzindo a base para diluição de custos.

Terceiro, o custo administrativo. Segundo o BC, ele representaria apenas 4% do spread. Faz sentido ser mais. Bancos utilizam muita mão de obra e enfrentam elevado contencioso trabalhista. O viés pró-trabalhador da Justiça do Trabalho eleva a insegurança jurídica na relação trabalhista.

Assim, o spread é elevado, principalmente, pela equivocada intervenção estatal e o ineficiente funcionamento das instituições, e não pela falta de concorrência. Ainda que a concentração bancária possa influenciar o spread, esse não é o fator central.

A atividade bancária é assunto sério que mexe com a vida das pessoas, demandando regulação cuidadosa. Mas não é “na canetada” que o spread vai cair e a concentração diminuir.

A agenda deve ser, prioritariamente, de reduzir a insegurança jurídica, limitar o crédito direcionado e melhorar a qualidade de garantias para tornar o mercado de crédito mais eficiente e funcional.

16 de Fevereiro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.