XP Expert

Economia em Destaque: PIB brasileiro começa bem o ano, emprego em alta

Seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Resumo

No cenário internacional, o destaque da semana foram os números do mercado de trabalho americano, e a indicação de continuidade de crescimento no curto prazo, mas a confiança do consumidor começa a preocupar. A inflação ao consumidor atinge novo recorde na Europa, e perspectivas de atividade na China ficam mais positivas com a retirada de restrições devido à melhora de dados relacionado à Covid.

No Brasil, o PIB do primeiro trimestre cresceu 1% em relação ao último trimestre de 2021. Na semana, também foram divulgados dados de mercado de trabalho, que registraram melhora muito acima do esperado e dados de produção industrial com sinais mistos. No campo político, continuam as discussões acerca de propostas para reduzir o preço dos combustíveis.

Atualizações Covid-19 no Brasil

No Brasil, tanto a média móvel de sete dias de novos casos quanto a de óbitos subiram, para 31,5 mil e 107, respectivamente. Ao todo, 84,4% da população brasileira já está vacinada com ao menos a primeira dose de imunizante contra a doença; 78,5% já tomou dose única ou duas doses e 45,6% já teve o reforço da vacinação.

Cenário internacional

EUA seguem crescendo em ritmo forte, mas consumidor começa a se preocupar

Em maio foram criados (resultado líquido) 390 mil postos de trabalho nos EUA (acima das expectativas de 328 mil). Houve também revisão para cima do resultado de abril. Com isso, a taxa de desemprego nos EUA permaneceu no mesmo nível registrado em abril, em 3,6%, um dos mais baixos da história. O mercado de trabalho é um elemento-chave para o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) calibrar o ritmo da alta de juros.

Outros indicadores divulgados esta semana também mostraram atividade econômica forte nos EUA. A sondagem empresarial ISM registrou aceleração no setor manufatureiro e alguma acomodação em serviços, mas ainda em um nível elevado.

No entanto, a alta da inflação e dos juros começa a preocupar. A confiança do consumidor dos EUA diminuiu marginalmente em maio, indicando consumidores mais cautelosos especialmente para produtos de maior valor. Pode ser o primeiro sinal de desaceleração adiante.  

Inflação ao consumidor na zona do euro a atinge novo recorde

A inflação ao consumidor na zona do euro atingiu um novo recorde em maio. Dados preliminares do Eurostat mostraram que a inflação dos preços ao consumidor subiu para 8,1% nos 12 meses até maio (contra 7,4% em abril), bem acima do consenso de mercado, que esperava 7,7%.

Neste ambiente, é quase certo que o Banco Central Europeu encerre o programa de impressão de moeda e inicie um ajuste nas taxas de juros (que estão em 0%) ainda este mês.

China retira restrições e perspectivas de atividade melhoram

A China registrou o menor número de novos casos de Covid em quase três meses, incentivando as autoridades a relaxar as medidas de restrição fortes que haviam sido tomadas desde março. O país registrou queda na atividade fabril de maio, ainda que menor que a de abril, e as sondagens empresariais PMIs se recuperaram um pouco, ainda que tenham permanecido em território de contração.

Acreditamos que o crescimento econômico na China vai melhorar com a reabertura, mas serão importantes estímulos do governo para garantir um crescimento mais consistente.

Petróleo segue pressionado, mesmo com sinalização da OPEP+ de aumento na produção

A OPEP+ concordou em acelerar seus incrementos de oferta de petróleo em cerca de 50% em julho e agosto, seguindo a pressão dos principais consumidores para preencher a lacuna criada pelas sanções sobre o fornecimento russo. Os aumentos, no entanto, foram considerados abaixo do necessário pelos mercados, e os preços voltaram a subir para perto de 120 dólares o barril. Nesta semana, a Europa também anunciou novas sanções à Rússia.

Enquanto isso, no Brasil…

PIB brasileiro cresce 1% no 1º trimestre de 2022

O PIB do Brasil subiu 1,0% no primeiro trimestre (1,7% na variação anual), um pouco abaixo de nossa projeção (1,4%) e do consenso de mercado (1,2%). O resultado reforça que a economia brasileira iniciou 2022 em ritmo sólido. Olhando para adiante, esperamos alta de 0,6% no segundo trimestre de 2022 (contra o 1T22), uma vez que as atividades de serviços e varejo permaneceram fortes em abril e maio.

Dito isso, é provável que a atividade doméstica perca intensidade no segundo semestre, principalmente devido à alta de juros e à desaceleração global. Ao todo, os resultados reforçam nossa projeção de que o PIB de 2022 crescerá 1,6%.

Emprego segue melhorando em abril

A taxa de desemprego no Brasil caiu para 10,5% em abril. As categorias informais saltaram 1,9% m/m em abril, ainda beneficiadas pela reabertura da economia. O emprego formal também cresceu, 1,4% no mês. A parte mais negativa é a renda, que está cerca de 7,5% abaixo dos níveis pré-pandemia, principalmente por conta da alta da inflação.

De toda forma, a dinâmica do mercado de trabalho é um ponto positivo da economia este ano.

A produção industrial de abril, contudo, mostrou dados mais mistos

A produção industrial brasileira subiu 0,1% entre março e abril, resultado exatamente em linha com o consenso de mercado e levemente acima da nossa expectativa (-0,1%). Esse resultado representa o terceiro ganho mensal consecutivo. Em comparação a abril de 2021, entretanto, a atividade manufatureira encolheu 0,5% (consenso: -0,7%; XP: -1,2%).

Os dados desagregados emitiram sinais mistos entre as principais categorias. Se por um lado bens de consumo retomaram trajetória de alta, refletindo condições melhores de renda no curto prazo, bens de capital não foram bem.

Seguem as discussões de propostas para abaixar o preço de combustíveis

O PLP18, que institui teto para o ICMS de combustíveis e outros setores chegou ao Senado. Estados tentam realizar modificações que diminuam a perda de arrecadação. Como foi aprovado na Câmara, estimamos o texto gera um o impacto fiscal de 103 bi em 12 meses. Por outro lado, pode reduzir em até 1,7% a inflação do IPCA este ano.

Está sendo discutida também uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para subsidiar combustíveis, como mais uma medida para tentar conter a inflação. Outra possibilidade estudada pelo governo é a de declarar “calamidade”, o que liberaria o Tesouro para gastar acima do teto constitucional de gastos. Esta estratégia, contudo, impediria o governo de aumentar os salários dos servidores públicos.

O que esperar para semana que vem?

No cenário internacional, o destaque será a decisão de juros na Zona do Euro. Espera-se que o Banco Central Europeu (BCE) inicie o ciclo de aperto monetário. Em destaque também dados de inflação nos EUA e na China referentes a maio, além do PIB da Zona do Euro do 1º trimestre.

No Brasil, destaque para a divulgação da inflação medida pelo IPCA de maio. Além disso, haverá publicação das vendas no varejo em abril, da produção de veículos em maio (Anfavea) e, possivelmente, da criação de empregos formais em abril (Caged).

No campo político, atenções voltadas para os projetos para redução dos preço de combustíveis em tramitação no Congresso Nacional.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.