XP Expert

Zeina Latif: Desonesto é o outro?

O juiz Sérgio Moro tem razão quando afirma que a punição de corruptos é condição necessária, mas não suficiente para combater a corrupção. A punição dos “jogadores” é moralmente importante, mas são as “regras do jogo” que realmente distinguem os países corruptos dos não-corruptos. Governança, transparência e o controle das políticas governamentais são elementos essenciais […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O juiz Sérgio Moro tem razão quando afirma que a punição de corruptos é condição necessária, mas não suficiente para combater a corrupção. A punição dos “jogadores” é moralmente importante, mas são as “regras do jogo” que realmente distinguem os países corruptos dos não-corruptos.

Governança, transparência e o controle das políticas governamentais são elementos essenciais para coibir o malfeito. Importante também limitar o poder discricionário dos governantes, que é enorme em um país como o Brasil, com o Estado tão intervencionista.

As mesmas recomendações que servem para combater a corrupção ajudam também a elevar a efetividade e eficiência das políticas públicas; de investimentos às concessões de benefícios sociais e ao setor produtivo. O ganho é, portanto, duplo, além de se evitar distorções causadas por políticas públicas descalibradas.

As brechas a serem fechadas não são apenas para a corrupção, mas também para atitudes oportunistas e desonestas de indivíduos e empresas, como na evasão fiscal e nas fraudes.

Apesar de o brasileiro se julgar honesto (apenas 3% se assumem corruptos, segundo pesquisa do Data Popular), é inacreditável a lista de fraudes para acesso indevido a recursos públicos.

Segundo a imprensa, a Receita Federal bloqueou o acesso de cem mil empresas ao Simples, pois estas se valeram de abatimentos irregulares para reduzir o imposto a pagar. Houve discrepâncias em 1,6 milhão de declarações entregues nos últimos cinco anos, o que representa uma sonegação em torno de R$ 1 bilhão, sendo que cerca de 7 milhões de empresas estão no Simples.

O mesmo se repete nas políticas sociais. O governo tem tomado providências para corrigir o problema. Um exemplo é a atuação do Comitê de Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas Federais (CMAP), que elaborou diversas medidas que resultaram em uma economia anualizada da ordem de R$ 5,7 bilhões. Isso foi possível pelo fortalecimento da governança de programas como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez (R$ 2,7 bi), Bolsa Família (R$ 1,4 bi), Benefício de Prestação Continuada – BPC (R$ 0,6 bi) e Fundo de Financiamento Estudantil – FIES (R$ 1 bi). O potencial de economia é ainda maior.

Assim, como se não bastassem as distorções produzidas por alguns programas – o abono salarial, por exemplo, deveria ser extinto -, eles ainda funcionam mal. O resultado é sua perda de foco, como mostra o recente trabalho do Banco Mundial.

O BPC, que é um benefício no valor de um salário mínimo para pessoas com deficiência e idosos com renda familiar per capita de até ¼ do salário mínimo, alcançou 4,4 milhões de pessoas em 2016. O Banco Mundial estima que apenas 12% dos recursos vão para os 20% mais pobres, enquanto os 20% mais ricos recebem 19%. Para os 40% mais pobres vão 31% e os 40% mais ricos, que não seriam elegíveis, 43%.

O quadro se repete na aposentadoria rural: 2% para os 20% mais pobres e 10% para os 20% mais ricos. Considerando os 40% mais pobres, 24%, enquanto os 40% mais ricos, que nada deveriam receber, consomem 32% dos recursos.

No abono salarial, para trabalhadores com carteira assinada que recebem até 2 salários mínimos, o resultado foi: 10% dos recursos para os mais pobres e 14% para os mais ricos. Para os 40% mais pobres vão 34% dos recursos, e os 40% mais ricos, 39%.

No seguro-desemprego, dos 7 milhões concedidos no ano passado, 43 mil eram suspeitos de fraude.

Há ainda os casos de pessoas que recebem vários programas: Bolsa Família e também o abono salarial ou o seguro-defeso ou ainda são microempreendedores individuais.

Não surpreende que parcela da sociedade pouco se esforce para estudar e trabalhar.

É importante admitirmos nossas fraquezas e compreendermos que o caminho para uma sociedade mais honesta está no fortalecimento das instituições.

Os EUA fez esse caminho com reformas institucionais, deixando para trás o passado de corrupção e confusão entre o público e o privado.

A boa notícia é que estamos lentamente construindo este caminho.

23 de Novembro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.