XP Expert

Zeina Latif: Brasil indomável?

Algumas ideias vêm pautando o debate sobre as chances de o próximo presidente conduzir reformas estruturais essenciais para o equilíbrio fiscal e para o crescimento econômico. Cito algumas: a sociedade quer um Estado grande e é contra as reformas; os grupos organizados bloqueiam a agenda de reformas; os políticos não são reformistas; o Congresso é […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Algumas ideias vêm pautando o debate sobre as chances de o próximo presidente conduzir reformas estruturais essenciais para o equilíbrio fiscal e para o crescimento econômico. Cito algumas: a sociedade quer um Estado grande e é contra as reformas; os grupos organizados bloqueiam a agenda de reformas; os políticos não são reformistas; o Congresso é de baixa qualidade e não haverá renovação; e o próximo presidente estará fraco, pois não ganhará com ampla margem e a abstenção será elevada.

Combinando tudo isso e considerando a emergência das reformas, a conclusão natural é que o País será ingovernável e está fadado a dar errado.

O risco de ingovernabilidade existe e, quando se manifestou, desencadeou impeachments. O País tem suas rotas de escape, mas a um custo elevado. Avalio, no entanto, que esse risco diminuiu.

É precipitado condenar o Brasil. Significa não reconhecer os avanços institucionais ocorridos desde a redemocratização. É verdade que o ritmo decepciona e houve grande retrocesso com Dilma. Mas estamos retomando o caminho, com importante contribuição do governo Temer. 

O governo vem fortalecendo o regime fiscal ao reduzir o poder discricionário dos governantes, após tantos abusos. Tivemos a lei das estatais, a regra do teto e mudanças no relacionamento com entes subnacionais. Isso em um contexto de instituições de controle, como o TCU, mais atuantes. O atual governo contribuiu também para o amadurecimento do debate econômico, ao dar transparência sobre a grave situação fiscal e a urgência da reforma da Previdência, a ponto de nenhum candidato competitivo negar sua necessidade.

O amadurecimento do debate econômico aciona as válvulas institucionais, os pesos e contrapesos, que limitam o risco de desvio de rota. Afinal, para evoluir é necessário conhecer os reais problemas e diagnósticos sobre o que fazer. As prioridades da agenda econômica estão muito mais claras, diferente do governo Dilma, que abusava do improviso, explorava brechas da lei para cometer abusos fiscais, negava os problemas e interditava  debate econômico.

Há também o amadurecimento da sociedade, que rejeita mais impostos e inflação elevada, e cobra serviços públicos de qualidade. Isso é o que vale no final. Ajudaria muito uma comunicação efetiva sobre a conexão entre Estado grande sem reformas e impostos elevados e risco inflacionário.

Os políticos, refletindo a sociedade, não são reformistas. Pior ainda, com frequência a classe política fica de costas para a sociedade, privilegiando setores organizados e corporações, em detrimento do bem comum. Mas isso não é imutável. O amadurecimento da sociedade e das instituições democráticas, como a imprensa e a academia, não é pouca coisa. Com a concorrência na política, a sociedade tem importante papel na construção da agenda política do País.

Em inícios de governo, o risco de ingovernabilidade é naturalmente menor. Com o capital político conquistado nas urnas e com cargos a distribuir, os partidos tendem a engrossar a base aliada. E como ensina Marcus Melo, a base aliada tem interesse no sucesso do governo.

Durante o mandato, se ao presidente faltar dose de humildade para dialogar com a sociedade e com os demais poderes, se faltar capacidade de enfrentar grupos organizados e se faltar habilidade política, o risco maior não será de ingovernabilidade, mas sim de uma agenda medíocre. O resultado será um país que cresce pouco, com ciclo econômico mais acidentado e mais sujeito a choques adversos, mas não o colapso.

Alguns ingredientes do colapso – como o debate econômico interditado, instituições frágeis e a sociedade civil complacente – estão mais fracos.

Implementar uma agenda ambiciosa será teste de maturidade da sociedade e do bom funcionamento das instituições democráticas, de forma a reduzir o poder de veto de grupos organizados. Também dependeremos do preparo do próximo presidente. Essa resposta ainda não temos.

02 de Agosto de 2018

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.