China: oportunidade adiante?


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Em 2021, a China e Hong Kong estão entre os mercados com as performances mais fracas no mundo, quando comparados aos principais índices de Bolsas globais. Isso tem chamado a atenção de muitos investidores, dado que a China é um mercado promissor, com forte crescimento econômico, larga adoção de tecnologia e de novas tendências e mais de 1,3 bilhão de consumidores.

Mas o que está acontecendo por lá? É hora de aumentar a exposição ao mercado chinês, ou não?

Afinal, o que está acontecendo com a China?

Enxergamos quatro fatores principais impactando o mercado Chinês desde o começo do ano, que pressionaram os preços de ativos na China:

  • 1. Políticas mais restritivas do governo em relação a alguns setores importantes, como educação e tecnologia, o que pressionou as ações desses setores a caírem 30% até 90% no ano. No setor de educação, o governo considera pedir às empresas de educação para tornarem-se organizações sem fins lucrativos. No setor de tecnologia, o governo chinês bloqueou as tentativas de IPO da Ant Financial em Hong Kong (braço financeiro da Alibaba), e da Bytedance (TikTok) nos EUA. Além disso, o governo tem anunciado uma série de investigações anti-truste e medidas que visam aumentar o controle sob empresas de tecnologia, e diminuir o poder delas, como maiores restrições na aprovação de novos jogos online, restrição de horários que os jovens podem jogar esses jogos, entre outras.

  • 2. Dados econômicos mais fracos, impactados pelas políticas de “zero Covid”: após o recente aumento de casos de Covid-19 na China, o governo voltou a adotar medidas bem agressivas e restritivas para conter a pandemia por lá, incluindo o fechamento do terceiro maior porto de contêineres do país, o porto de Ningbo-Zhoushan. Após essas medidas, os dados econômicos na China mostraram uma forte desaceleração nos últimos dois meses, o que incitou uma discussão no mercado se essa desaceleração é passageira ou mais estrutural. Em agosto, as vendas do varejo na China cresceram apenas 2,5%, bem abaixo dos 7% esperados pelo mercado. A produção industrial também cresceu menos que a expectativa do mercado, 5,3% vs. estimativa de 5,8%.

  • 3. Reflexos da crise na Evergrande : uma das maiores incorporadoras imobiliárias na China, a Evergrande, causou turbulência no mercado global essa semana, pois avisou que não ia conseguir parte dos juros das suas dívidas que venciam na última semana. As ações da incorporadora já caem mais de 85% esse ano. Durante a semana, a turbulência foi parcialmente controlada quando mais sinais de envolvimento do governo chinês em participar do processo de restruturação dos mais de US$300 bilhões em dívidas por parte da Evergrande. Além disso, muitos passaram a questionar um potencial contágio em outras empresas do setor, e outros setores também, como o bancário e de commodities. Porém, muitos consultores e gestores especializados em China lembraram que esse não é um “momento Lehman Brothers” na China, pois os problemas da Evergrande são conhecidos há tempos, e a dívida é detida primordialmente por bancos estatais.

  • 4. Queda abrupta no preço de algumas commodities, como o minério de ferro. A China será anfitriã das Olimpíadas de Inverno, em fevereiro de 2022. Visando controlar a poluição e também os altos preços das commodities metálicas, o governo tem mantido uma política restritiva em relação à produção de aço. O governo já ordenou a redução de produção em mais de 65 fábricas entre outubro a março, o que já levou a uma queda na produção de aço chinesa em mais de 25%. Os preços do minério de ferro despencaram mais de 50% como consequência, de ais de US$200/tonelada para cerca de US$90, mas recuperaram acima de US$110 nos últimos dias.

Esses fatores descritos acima não só pressionaram os ativos chineses, mas como também levaram a uma grande dúvida nos investidores: se a economia chinesa estaria desacelerando de forma mais abrupta, ou se essa fraqueza seria apenas temporária. Além disso, é importante monitorar para ver se haverá algum contágio dessa desaceleração, e do caso Evergrande, em outros setores ou até em outros países fortemente dependentes da China.

Qual a tese de investimentos de longo prazo na China?

Como o nosso time de Research Internacional escreveu no relatório China: A superpotência emergente, vemos várias razões pelas quais a China representa uma interessante oportunidade de investimentos no médio e longo prazo. Também ressalto as visões sobre a China do JP Morgan Asset Management. Nos últimos 10 anos, o mercado de ações chinês quadruplicou de tamanho em termos de capitalização enquanto o mercado de títulos de dívida multiplicou por 7x. Hoje, ambos são, em suas respectivas categorias, o 2º maior mercado do mundo. As 5 principais razões são:

  • 1) A China é a segunda maior economia do mundo: Com o PIB de US$ 14 tri e aproximando-se rapidamente dos EUA, que tem US$ 21 tri, com seu crescimento de 9% a.a. nas últimas duas décadas contra apenas 2% a.a. do PIB real americano. Ainda classificada como país emergente, a China desafia o status quo e investe agressivamente para tornar-se a maior superpotência global, buscando ultrapassar a hegemonia tecnológica e geopolítica dos EUA. E é neste contexto de longo prazo que o investidor deve observar com atenção as oportunidades no país.

  • 2) Enorme mercado consumidor: Hoje, o país possui o 3º maior território do planeta, atrás apenas da Rússia e do Canadá, e conta com 1,4 bilhão de habitantes, ocupando o 1º lugar no ranking populacional. Para se ter uma ideia, há quase 2x mais pessoas na China do que no continente europeu, e 4x mais do que nos EUA.

  • 3) Foco em inovação e tecnologia: A China está focando sua economia em novos fatores de crescimento, como inovação tecnológica, serviços e demanda interna. Talvez nem todos investidores saibam que há uma década atrás as exportações na China representavam 35% do PIB e hoje esse valor é apenas 18%. A China tem o 1º lugar em investimento de venture capital em fintechs, superando os EUA e Alemanha somados; 2º lugar em investimento de venture capital em direção autônoma, realidade virtual e tecnologia da educação; 3º lugar em investimento de venture capital em inteligência artificial e o país está numa corrida para atingir o primeiro colocado em todos estes segmentos. Enquanto os EUA produzem 48% dos unicórnios (startups que chegam ao valor de U$ 1bi) do planeta, a China já atinge 35% do total. A China tem liderado várias áreas no mundo de tecnologia, como e-commerce, gaming, 5G, robótica e Inteligência Artificial, entre várias outras.

  • 4) Potencial para dobrar a renda per capita: Mais interessante que o tamanho de sua economia, é o potencial da China em dobrar a renda per capita de sua população na próxima década: de US$ 10.000 para US$ 20.000, o que a qualifica como um país de alta renda. Mais de meio bilhão de chineses devem ingressar na classe média no mesmo período.

  • 5) Maior acesso aos investidores internacionais: Além do crescimento dos mercados, também aumentou a participação dos investidores estrangeiros, que possuíam apenas US$ 3bi em títulos de dívida na China e hoje possuem US$ 340bi.

Nos últimos dez anos, uma carteira composta por 50% China e 50% Taiwan teve um retorno de +128% em dólares, o que se compara ao MSCI Brasil com um retorno de -36% durante o mesmo período. Vale lembrar que o índice de Taiwan inclui as principais produtoras de semicondutores do planeta, como a TSMC.

Retorno Índices MSCI Taiwan, China e Brasil nos últimos 10 anos – em dólares

Fonte: Bloomberg, XP Investimentos

O que fazer no curto prazo?

A China tem um futuro promissor, e deve se tornar a maior economia do mundo e um dos maiores mercados do mundo na próxima década. Além disso, a China está na vanguarda em várias tendências tecnológicas e de inovação que irão ajudar a mudar o mundo.

Dito isso, as dúvidas em relação às políticas do governo chinês devem se manter no horizonte dos investidores. Além disso, as dúvidas em relação a economia chinesa, se passam por uma desaceleração momentânea ou mais estrutural, e se a crise imobiliária será contida ou não, também deverão se manter nos próximos meses. Portanto, no curto prazo, é difícil enxergar catalizadores que farão com que os investidores voltem a ficar mais otimistas com o mercado chinês. Essas incertezas podem manter as ações do mercado chinês pressionadas no curto prazo.

Em relação ao valuation, o mercado acionário da China, medido pelo índice MSCI China, está negociando ainda acima da média histórica, pelo indicador de Preço/Lucro projetado 12 meses à frente. O índice está agora em 12,9x, o que se compara com a média histórica de 10 anos em 11x.

Indicador de Preço/Lucro de 12 meses adiante do MSCI China

Fonte: Bloomberg, XP Investimentos

Opções de investimento na China

Hoje já são várias as opções de investimento na China, para investidores em geral e também para investidores qualificados.

  • ETF XINA11 – Investidores em geral: O ETF terá exposição ao fundo alvo iShares MSCI China ETF. O índice MSCI China O índice cobre a maior parcela do universo investível de renda variável da China.
  • ETF ASIA 11 – Investidores em geral: O ETF terá exposição ao fundo alvo iShares MSCI All Country Asia ex Japan ETF, que por sua vez, referencia o índice MSCI AC Asia ex Japan, que captura grandes e médias empresas em 2 dos 3 principais mercados desenvolvidos asiáticos (exceto Japão) e em 9 dos principais países emergentes asiáticos. Os mercados desenvolvidos incluem Cingapura e Hong Kong. Os mercados emergentes incluem China, Índia, Indonésia, Coréia do Sul, Malásia, Paquistão, Filipinas, Taiwan e Tailândia.
  • Wellington All China Focus Dolar Equity Advisory FIC FIA IE: Investidores qualificados, não hedgeado (com exposição cambial). Aplicação mínima R$500. É um fundo de ações com estratégia long only e abordagem fundamentalista bottom-up, com foco em empresas chinesas, majoritariamente A-shares. O portfólio contém usualmente entre 20 e 40 papéis, sendo que 10 maiores equivalem a cerca de 50% do patrimônio líquido. A carteira mantém nível de caixa usualmente menor que 5%. O fundo no Brasil acessa o Wellington All-China Focus Equity Fund (ISIN: IE00BK5STQ73) e apresenta exposição cambial, isto é, é um veículo não hedgeado. E a versão hedgeada, sem exposição cambial – Wellington All China Focus Equity Advisory FIA IE.
  • Aberdeen China Equity Dólar Advisory – Investidores qualificados: O Fundo busca superar os retornos do MSCI China A Index (USD) investindo em empresas listadas em bolsas de valores chinesas. O processo de investimento segue uma estratégia fundamentalista com abordagem bottom-up, com o objetivo de construir uma carteira concentrada de empresas da China negociadas nas Bolsas Shanghai e Shenzhen de (30 a 40 posições) buscando superar o desempenho do MSCI China A Onshore em 3% a.a. no período de 3 anos e a versão hedgeada (sem exposição cambial) Aberdeen China Equity Advisory FIA IE.

Você ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra sua conta

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Veja outras publicações da coluna "Sunday XPresso"
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.