Mais dinheiro é melhor?


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Digamos que um empresário chega em uma cidade bem pequena e anuncia uma grande oportunidade para gerar riqueza ali: ele quer construir uma fábrica. Todos ficam animados, uma fábrica vai gerar empregos e a economia da região vai prosperar, certo? Todos terão mais dinheiro e, portanto, mais qualidade de vida!

Porém, as pessoas descobrem que a fábrica vai fabricar armas. E vai vender armas para exércitos em países africanos que vivem em guerra. Essa fábrica vai usar e abusar de todo o solo, água e recursos naturais da sua região. Vai desmatar todo o parque que tem na entrada da cidade. Além disso tudo, a fábrica vai pagar muito mal para seus funcionários.

Perguntas: você ia querer essa fábrica na sua cidade? Ela adicionaria dinheiro para a cidade, mas então mais dinheiro não é melhor? Qual o impacto da geração de riqueza? Onde está o tangível e o intangível?

Um estudo britânico estimou que, a cada libra esterlina que é ganha por executivos de propaganda, cerca de 7 libras são destruídas na forma de estresse, excesso de consumo, poluição e dívida! Gerou riqueza, mas será que o impacto dessa riqueza é positivo?

"Acho que qualidade de vida não pode ser colocada em uma planilha de Excel. O PIB foi criado em uma outra época e as exigências do século 21 adicionam muito valor para essa nova conta."

Agora, imagine o impacto que um gari tem na cidade. Esse mesmo estudo mostra que a cada libra esterlina paga a um gari, cerca de 12 libras são geradas em termos de saúde e sustentabilidade.

É essencial buscarmos onde estão os custos e os benefícios ocultos. Nessa mensuração atual de “riqueza”, já não é tão óbvio, por exemplo, o próprio conceito de “desenvolvimento”.

Na nossa régua atual, desenvolvimento e riqueza andam juntos. Em teoria, um país rico é considerado desenvolvido. E um país com muitos problemas, é considerado desenvolvido?

Os pesquisadores Wilson e Picket formataram um “índice de problemas sociais”, que inclui indicadores como a expectativa de vida, alfabetização, mortalidade infantil, taxa de homicídios, população carcerária, gravidez na adolescência, depressão, confiança social, obesidade, abuso de drogas e álcool, mobilidade x imobilidade social.

Esses estudiosos analisaram o índice de problemas sociais de diversos países desenvolvidos, e qual foi o resultado? De longe, o país que lidera o número de problemas sociais é também o que tem maior renda per capita, os EUA.

A Grécia, que tem metade da renda per capita, tem também quase metade dos problemas sociais dos EUA. Metade da violência, da obesidade, do abuso de drogas e álcool, entre outros.

Mais dinheiro, então, não torna um país melhor? O que afinal significa essa medida de riqueza, o Produto Interno Bruto (PIB)?

Ah sim, você vai responder como aprendeu na aula de Geografia: “PIB é a soma dos bens serviços produzidos em um país, com a correção das flutuações sazonais, da inflação e do poder de compra”. Mas parece que o PIB não mede tudo.

Um ar mais puro na sua cidade aumenta o PIB? E a economia que ninguém está vendo? Quando a Itália passou a incluir o mercado paralelo na contagem do PIB, em 1987, ela simplesmente viu sua economia “crescer” em 20% de um dia para o outro.

E o trabalho não-remunerado de voluntários, o quanto adiciona ao PIB? O trabalho que se tem ao cuidar dos filhos, ao cozinhar todos os dias, adiciona? Estimativas no Reino Unido mostram que, se adicionassem todo o trabalho não-remunerado, o PIB por ali aumentaria em 74%. A Dinamarca fez um estudo sobre amamentação e descobriu que, nos EUA, o leite materno potencialmente adiciona 100 bilhões de dólares no PIB, todos os anos!

O PIB não diferencia positividades de negatividades, não sabe a origem do dinheiro. Ele não apenas desconsidera as mazelas como acaba se beneficiando delas. Uma pessoa doente gasta com remédios e médicos, certo? Ficar doente adiciona dinheiro ao PIB.

O país mais rico do mundo também lidera os problemas sociais porque o PIB se beneficia de problemas mentais, poluição e crime.

O próprio PIB tem se tornado cada vez mais difícil de medir. Nos anos 50, quando a ONU publicou o primeiro guia de cálculo do PIB, o livreto tinha 40 páginas. Hoje, se tornou um calhamaço de mais de 700 páginas. Você ouve falar o tempo todo de PIB, mas na verdade são pouquíssimas as pessoas que entendem exatamente como se determina o Produto Interno Bruto. São muitas escolhas subjetivas que precisam ser feitas nesse cálculo. Não é uma ciência exata, medir o PIB é como tentar medir uma ideia.

Mas ficamos obcecados em medir e ter resultados exatos para coisas que são, simplesmente, inexatas. E nessa obsessão por produtividade e eficiência ficamos cegos sobre o que realmente importa. Onde estão os custos ocultos e os benefícios ocultos?

Educação ou saúde, por exemplo, são custos? Valor e produtividade podem ser expressos em números exatos? Se você tem uma grande audiência, significa que você está produzindo conteúdo de qualidade?

Acho que qualidade devida não pode ser colocada em uma planilha de Excel. O PIB foi criado em uma outra época e as exigências do século 21 adicionam muito valor para essa nova conta.

A qualidade do ar, do clima, da natureza, do seu tempo com a família, do impacto positivo do seu trabalho, da sua saúde mental, do seu lazer e da sua paz são os indicadores ocultos que precisamos incluir o quanto antes na conta.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Veja outras publicações da coluna "Na conta do Godoy"
Disclaimer:

O conteúdo publicado não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/18, tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas nesta página foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP”) não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. O conteúdo também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As informações de terceiros disponibilizadas nesta página não refletem a opinião da XP, nem de nenhuma das empresas do Grupo XP Inc., de modo que ela não se responsabiliza pela veracidade, exatidão e correção das informações. Os instrumentos financeiros discutidos podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Recomenda-se uma profunda análise das características, prazos e riscos dos investimentos antes da decisão de compra/venda/aplicação/resgate. É expressamente recomendada a leitura do Regulamento, prospecto, edital e demais materiais de divulgação antes da decisão de investimento, com especial atenção aos fatores de risco. A XP não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Esse material destinado a rede de relacionamento da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.