XP Expert

Nubank (ROXO34): Tripleta! | Revisão 3T23

Confira nossa análise para os resultados do 3T23 do Nubank

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Pelo terceiro trimestre consecutivo, o Nubank (ROXO34) reportou resultados fortes (e acima do consenso). Assim como nos dois trimestres anteriores, os resultados do 3T23 seguiram o mesmo roteiro. As receitas continuaram aumentando enquanto os custos permaneceram sob controle, melhorando ainda mais a alavancagem operacional da empresa. A melhoria nas Receitas foi impulsionada pelo aumento: i) da base de clientes; ii) taxa de atividade; iii) percentual do saldo das parcelas remuneradas (na carteira de cartão de crédito); e iv) Margem Financeira Líquida (NIM). No que diz respeito aos custos e despesas, embora o NPL tenha aumentado ligeiramente, o custo de financiamento manteve-se estável, levando o Nu a apresentar mais um trimestre de Custo Médio Mensal de Servir por Cliente Ativo (CTSAC) praticamente estável. Como resultado, o lucro líquido atingiu US$ 303 milhões, superando a nós e o Mercado (~USD34 milhões), enquanto o ROE consolidado atingiu 21%! Este forte desempenho no trimestre deverá desencadear uma ação positiva no preço das ações , bem como revisões de lucros para cima. Vemos o Nu sendo negociado atualmente a 5,4x P/VP e 28,2x P/L 24E, antecipando grande parte do crescimento futuro. Assim, reiteramos nossa recomendação NEUTRA e preço-alvo de R$ 5,9/ação.

Em outro forte desempenho, o Nu atingiu 89,1 milhões de clientes no trimestre, adicionando 5,4 milhões e 18,7 milhões de novos clientes T/T e A/A, respectivamente. A Taxa de Atividade não só se manteve como a mais alta entre os pares, como também melhorou e atingiu 82,8% (+60bps T/T e +120bps A/A) no 3T23.

O NPL 90+ aumentou sequencialmente e atingiu 6,1% (+20bps), uma ligeira aceleração face ao trimestre anterior. O NPL 15-90, no entanto, um indicador antecedente, diminuiu 10bps T/T por mais um trimestre consecutivo e fechou o terceiro trimestre em 4,2%. Devido à maior inadimplência, o Custo Total dos Serviços Financeiros e Transacionais Prestados aumentou 39% A/A, em grande parte devido às maiores despesas com provisões para perdas de crédito (+67,1% A/A). No entanto, em percentagem da Receita, esta relação melhorou 10p.p. e encerrou o trimestre em 57%.

A Receita Média Mensal Consolidada por Cliente Ativo (ARPAC) aumentou mais uma vez e atingiu recorde de US$ 10,0, representando um aumento de +6,4% T/T e 17,6% A/A, impulsionada pelo maior número de clientes ativos e com principalidade, que consomem uma conjunto maior e mais rentável de produtos financeiros. No mesmo período, o Custo Médio Mensal Consolidado de Atendimento por Cliente Ativo (CTS) aumentou ligeiramente para US$ 0,9, +12,5% T/T e +12,5% A/A.

Este desempenho está alinhado com a tese de alavancagem operacional defendida desde o IPO. Vale a pena relembrar as principais características da “Nu Formula”: i) uma base de clientes ativos em rápido crescimento; ii) ARPAC ascendente; e iii) uma plataforma operacional de baixo custo. A Administração do Nu afirma, e estamos cada vez mais convencidos, que esta combinação deverá permitir-lhes criar valor.

O crescimento da carteira total (cartão de crédito + empréstimos pessoais) desacelerou ligeiramente (+4% no T/T contra +16% T/T no segundo trimestre) e encerrou o trimestre em US$ 15,4 bilhões. Este fraco desempenho foi impulsionado pelo crescimento mais lento da carteira de cartões de crédito. Vale ressaltar que um crescimento sequencial tímido como este trimestre já havia sido observado no passado (+3% T/T no 2T22). Assim, devemos aguardar o próximo trimestre para saber se esta queda é estrutural ou momentânea.

As receitas atingiram US$ 2,1 bilhões, um crescimento de +14% T/T e +64% A/A. Este forte desempenho refletiu maiores receitas de juros e ganhos (perdas) em instrumentos financeiros devido a maiores receitas de juros na carteira de financiamento ao consumidor e no mix de crédito. Receita de Tarifas e Comissões atingiram US$ 404,1 milhões, representando um aumento de +1% em relação ao trimestre anterior e de +26% em relação ao ano anterior, em grande parte devido a taxas de intercâmbio mais altas.

Além do bom desempenho em receitas, o Nu se destacou em custos e despesas no trimestre. Embora as despesas operacionais tenham aumentado 19% A/A, diminuíram de 32% das receitas para 24%. Este aumento da alavancagem operacional levou o banco a maiores níveis de rentabilidade.

Como resultado, o Nu entregou um lucro líquido de US$ 303 milhões, superando a nós e o consenso, implicando um ROAE de 21%. Embora isso não tire o brilho dos resultados financeiros, o resultado do trimestre foi ajudado por uma alíquota efetiva de imposto de renda mais baixa (26% no terceiro trimestre vs 31% no segundo trimestre).

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.