Tempos de guerra – revisando o target da Bolsa

Revisamos o nosso target para o Ibovespa ao final de 2020 para 94.000 pontos, de 132.000 pontos anteriormente, dado o forte impacto nos lucros das empresas esperado nos próximos trimestres. Acreditamos a volatilidade seguirá elevada no mercado nos próximos meses.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O verdadeiro soldado luta não porque odeia o que está à sua frente, mas porque ama o que está por trás dele.” (escritor inglês G.K. Chesterton)

  • Apesar das fortes altas nas Bolsas na última semana, acreditamos que o momento continua exigindo cautela.
  • Do lado da cautela: i) os indicadores econômicos e das empresas continuarão se deteriorando nas próximas semanas, ii) o tempo necessário para voltarmos à normalidade permanece incerto, e iii) as notícias positivas referentes aos pacotes anunciados ao redor do mundo (EUA, Europa) ficaram para trás.
  • Do lado positivo: i) os pacotes de resgate que foram anunciados até agora são os maiores da história, e devem ajudar a aliviar os impactos da crise e evitar uma depressão econômica, ii) a China e a Ásia começam a dar sinais de voltar ao normal, o que é positivo para as commodities no Brasil, e iii) Além disso, em nossa live com o Ministro da Economia Paulo Guedes, ficou claro que o governo tem mapeado o tamanho do problema e está agindo com um grande senso de urgência para anunciar as medidas necessárias.
  • Quando olhamos para 2021, acreditamos que o mundo voltará ao normal, e essa crise é diferente do que em 2008. Porém, revisamos a nossa estimativa para o Ibovespa ao final de 2020 para 94.000 pontos, de 132.000 pontos anteriormente, dado o forte impacto esperado nos lucros das empresas em 2020. Acreditamos que a volatilidade seguirá elevada no mercado nos próximos meses.
  • Nosso time revisou o cenário econômico, além dos preços alvo das ações da nossa cobertura também. Elevamos a nossa recomendação para Compra de Neutro em Klabin e Magazine Luiza. Clique aqui para ver nossas recomendações setoriais.

A geração dos nossos antepassados passou por momentos extremamente difíceis nos tempos da 1ª e 2ª guerras mundiais, tendo que enfrentar o medo constante do que estava por vir, o medo de perder seus entes queridos, o medo de faltar alimento nas suas mesas e o pior, o medo de ser enviado ou de enviar seus filhos para a frente de batalha.

Hoje vivemos uma guerra parecida, porém contra um mal invisível, que se espalha pelo mundo a uma velocidade alarmante. O mundo demorou 3 meses para registrar 100.000 casos de Coronavirus e em 23 dias desde então já estamos próximos de 700.000 casos e mais de 30000 mortes. A curva de crescimento exponencial do COVID-19 continua, apesar de já ter desacelerado na China e em vários outros países asiáticos, com o epicentro agora migrando para a Europa, os EUA e as Américas.

Relativo ao que nossos antepassados viveram durante períodos de guerra, ser obrigado a nos isolar em nossas casas parece um preço ínfimo a se pagar, se isso for em nome de salvar milhares (senão milhões) de vidas.

Porém, esse baixo custo pessoal traz um custo gigantesco para a economia e para as as empresas.

Essa crise pode vir a ser maior que em 2008?

Enquanto há algumas semanas escrevemos que essa crise não seria tão séria quanto foi em 2008 pois provavelmente teria curta duração, as notícias do lado econômico vêm deteriorando de forma expressiva.

Já observamos o fechamento de países inteiros, de estados e de milhares cidades ao redor do mundo, e 1/3 da população mundial se encontra em quarentena. Quanto mais tempo essas quarentenas continuarem, maior será o impacto econômico, e quanto mais aumentar o desemprego e as falências de empresas, mais difícil será a recuperação da economia após o surto passar.

Por isso que a discussão de se realizar uma quarentena parcial– apenas dos mais vulneráveis e grupo de risco – faz sentido do lado econômico, porém não necessariamente do lado médico e da saúde pública. Nos eventos que a XP realizou nos últimos dias com autoridades médicas brasileiras, todos os médicos foram enfáticos sobre a necessidade de realização da quarentena para toda a população, e não apenas para a população de risco.

Em 2008-2009, segundo os dados do Banco Mundial, o PIB global caiu US$3,3 trilhões (-5,1%), em moeda atual. A crise de 2008 foi gerada por excesso de alavancagem no mercado bancário, que geraram uma bolha imobiliária nos EUA, e essa crise se alastrou para a economia real.

Por ter sido uma crise de balanço e de excesso de alavancagem, sair da crise de 2008 demorou muito tempo, sendo a recuperação de crescimento mais lenta da história dos EUA e do mundo no pós crise.

Porém, a recuperação deve ser mais rápida

Essa crise atual é sim muito diferente das crises passadas. Ela não se originou no mercado financeiro (como a bolha da internet em 2000, ou a bolha imobiliária em 2008) e depois se espalhou para a economia real. Essa crise é em primeiro lugar uma crise de saúde, e as vidas das pessoas é e tem que ser a preocupação principal.

O FMI (Fundo Monetário Internacional) e vários economistas no mundo já preveem um impacto de no mínimo US$3,0 trilhões na economia mundial em 2020, com base apenas em dados preliminares de impactos vistos até agora.

Na China, que foi onde o Coronavírus começou a se alastrar, estimativas de vários bancos sobre do PIB do 1º trimestre apontam para uma queda provavelmente superior a 10%, o que será o pior trimestre na história da China.

Nos EUA, vários economistas já estimam queda no PIB Americano de um digito alto no 1º trimestre, e de até –15 ou -20% de queda no 2º trimestre.

Na Europa, os casos e mortes causadas pelo Coronavirus continuam a subir de forma exponencial, forçando medidas cada vez mais drásticas de controle de movimentação de pessoas e quarentas. Isso indica que os impactos poderiam ser tão grandes quanto foram na o China.

Porém, da mesma forma que a queda será brusca, o exemplo da China mostra que a recuperação também pode ser relativamente rápida – os dados mostram que a China já voltou a 85% do consumo de carvão vs. antes do Ano Novo Chinês, enquanto que 84% das pessoas que saíram das cidades Tier 1 e 2 durante o Ano Novo, já retornaram a suas casas, e o tráfego de veículos já voltou a quase normalidade.

As áreas que ainda mostram sinais de fraqueza na China são restaurantes, turismo e varejo e shoppings – o que é natural dado que as pessoas ainda não voltaram aos seus hábitos normais do pré-coronavírus, e o medo de uma nova onda de contaminações continua. Isso traz lições importantes para os países que estão passando pelas quarentenas no momento.

A recuperação se dará em forma de “V”? 10% do PIB em estímulos nos EUA e Europa

Nas últimas semanas, já vimos mais de 40 bancos centrais no mundo cortando juros, além de pacotes de compras de títulos (“Quantitative Easing”) em nível recorde por parte dos EUA, Europa e Japão.

Além disso, o Congresso e o governo americano aprovaram um pacote de US$2 trilhões de auxílio, que equivale a quase 10% do PIB americano.

Na Europa, até a Alemanha já aceita utilizar política fiscal para combater a crise, uma política que eles historicamente foram contra, por sempre buscarem um orçamento balanceado. Esse pacote total poderia ser de EUR750 bilhões, ou também equivalente 10% do PIB alemão. O Banco Central Europeu também anunciou EUR750bn em compras de títulos no mercado.

Apesar das medidas anunciadas serem muito positivas para absorver os impactos da crise, a urgência nos seus anúncios também demonstra a gravidade da crise que os governos também enxergam.

O ponto que mais nos preocupa para determinar quão rápida será a recuperação é o risco de muitas pequenas empresas ficarem pelo caminho, e não conseguirem sobreviver a um cenário sem nenhuma ou com baixa ou nenhuma receita por 2-3 meses. Além de um número recorde de falências, isso também levará a um aumento exponencial no desemprego e também nos gastos fiscais.

A sondagem com empresas privadas brasileiras feitas pela XP na última semana mostrou que 60% das empresas brasileiras não conseguem aguentar um cenário de interrupção de 60 dias, e 40% não sobrevivem até mesmo uma interrupção de 30 dias.

Caso esse cenário ocorra, a recuperação após uma brusca recessão dessa poderá lenta, pois os danos causados às PMEs (pequenas e médias empresas) demoraria muito mais a se resolver.

PMEs têm menos acesso ao crédito, trabalham com um capital de giro e ciclo de caixa curto e são as primeiras empresas que os grandes bancos tiram crédito, justamente por terem um risco maior. Porém, as PMEs são cruciais para as economias, pois representam 99% do número de empresas e 52% dos empregos formais gerados no Brasil, e muito mais quando se incluirmos os empregados informais.

Esse problema de liquidez de pequenas e médias empresas, além dos setores mais afetados como bares & restaurantes, varejo e turismo e transporte aéreo, é a principal preocupação que os governos estão tentando evitar com esses pacotes anunciados.

No Brasil, o ministro da Economia Paulo Guedes nos disse em live feita pela XP Investimentos que o governo já liberou ou está para liberar R$750-800bn (c5% do PIB) em recursos emergenciais para conter a crise. Medidas incluem tanto auxílio ao mercado de crédito quanto novos gastos para auxiliar os empresários e evitar demissões. Acreditamos que essas medidas são positivas, e o governo tem o mapeamento do problema de perto, a dúvida que nos resta é se esses recursos chegarão a quem mais necessita, e se serão suficientes.

Veja aqui o nosso novo cenário Macroeconômico para o Brasil

O que pode reverter esse cenário?

Acreditamos que 4 principais pontos possam acontecer para que esse cenário se reverta:

  1. Sucesso confirmado nos remédios antivirais ou uma vacina efetiva surgindo no curto prazo (esse último menos provável);
  2. A curva de mortes associadas ao COVID-19 chegar em um pico e começar a desacelerar nas principais economias do mundo;
  3. Governos voltarem atrás nas medidas draconianas de quarentenas e fechamento de fronteiras, flexibilizando-as;
  4. Governos e Bancos Centrais anunciando drásticas medidas de controle da crise e de investimentos na economia e na saúde.

Dessas 4 razões, a 4ª é a que já tem ocorrido de forma mais clara, e o que tem levado a uma recuperação recente dos mercados. Em relação às restrições, é discutível se os governantes conseguirão relaxar as quarentenas sem antes ter havido ainda uma redução no número de mortes geradas pelo coronavírus, ou um importante achatamento da curva.

Momento continua exigindo cautela

Como dissemos no passado, apesar da baixa letalidade do COVID-19, as medidas drásticas que os governos estão sendo forçados a tomar no mundo para conter a pandemia estão tendo grandes impactos para a economia e para as empresas. As restrições estão tendo um enorme choque de demanda e de oferta ao mesmo tempo, para vários setores importantes para a economia.

Com isso, a crise da saúde rapidamente se transforma em uma crise econômica. Dado que as notícias nas próximas semanas devem seguir piorando, tanto do lado da saúde quanto do lado das empresas, e as notícias positivas dos pacotes anti-crise já ficaram para trás, acreditamos que o momento segue exigindo cautela.

Revisando a estimativa do Ibovespa

Nossa equipe revisou o cenário macroeconômico, os preços alvos e estimativas dos setores (link), e assim também revisamos o target para o Ibovespa.

Dado o forte impacto nos lucros das empresas previstos em 2020, porém com a expectativa de uma normalização em 2021, nossa estimativa caiu para 94.000 pontos ao final de 2020, frente a 132.000 pontos anteriormente. Nessa projeção, o índice atingirá um múltiplo de Preço/Lucro de 10,7x o lucro projetado para 2021, ainda abaixo da média histórica de 12,5x e o pico recente de 14x.

É importante frisar, porém, que acreditamos que possam haver novas baixas no mercado no curto prazo, antes que o índice recupere no 2º semestre. Como escrevemos no relatório “A Crise mais rápida da história”, o índice poderia recuar a 60,000 pontos caso o mercado caísse a média do que caiu em recessões globais passadas (equivalente a -18% em relação ao fechamento de sexta).

Caso a situação se deteriore na mesma medida que chegou em 2008, o índice poderia cair para um intervalo de 46,000 até 50,000 pontos, um cenário que hoje nos parece pouco provável.

A rápida atuação dos governos e Bancos Centrais ao redor do mundo visando tentar conter o impacto econômico das medidas de controle do vírus é algo muito positivo, e reduz drasticamente o potencial da crise se deteriorar para uma depressão econômica. Isso é uma mudança drástica de atitude frente ao que ocorreu em 2008, onde grandes bancos foram permitidos de ser levados à falência.

Em momentos de crise, todos nós temos o potencial de mudar para um novo nível e fazer coisas que nunca pensamos serem possíveis.” (Stuart Wilde)

Abra sua conta na XP Investimentos e conte com o nosso time especializado de assessores.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.