XP Expert

Morning Call XP (23.jul): Tabela de fretes, FGTS e resultado do Santander

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,48% | 103.950 Pontos

CÂMBIO -0,2% | 3,74/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Futuros nos EUA operam em alta, em meio a sessões positivas na Europa e Ásia durante a noite, seguindo maior otimismo com negociações comerciais entre EUA e China, suspensão do limite do teto da dívida americana e expectativas de cortes nas taxas de juros nos EUA e na Europa.

Sobre negociações comerciais entre EUA e China, as notícias parecem mais otimistas após reunião de empresas de tecnologia americanas com o presidente Trump na segunda-feira para discutir segurança nacional, incluindo a Huawei, além de notícias de que a China busca comprar mais produtos agrícolas americanos. Autoridades americanas devem ir à Pequim para conversas na próxima semana.

Além disso, ontem foi confirmado um acordo que prevê a suspensão do limite do teto da dívida americana até 31 de julho de 2021, que autoriza o governo a gastar temporariamente acima de um limite estabelecido por lei, que poderia ser uma preocupação no segundo semestre desse ano. Portanto, a medida é positiva, pois pacifica um dos grandes focos de tensão nos EUA.

Os investidores continuam focados no tema de política monetária e iminentes cortes nas taxas de juros, com destaque para a reunião do Banco Central europeu esta semana e do Banco Central americano na próxima semana.

No Brasil, diante da ameaça de greve de caminhoneiros, o governo cedeu de novo e empresas prometem retomar o caso na Justiça sobre a tabela de fretes. A versão da tabela que entrou em vigor na semana passada foi revogada ontem e a antiga desagrada quem paga pelo frete. O Supremo marcou para 4 de setembro o julgamento sobre a legalidade da tabela, mas até lá as empresas prometem buscar liminares.

Uma das possíveis soluções veiculadas seria a substituição do diesel pelo gás nos caminhões, mas a rede de abastecimento é limitada aos centros urbanos. Isso tudo dependeria ainda do plano de abertura e diversificação da oferta no mercado de transporte e de distribuição de gás.

De acordo com a mídia local, o saque do FGTS poderá ser iniciado em setembro de 2019 no valor de R$500. O argumento do governo é de que a medida não compromete os recursos destinados ao financiamento de habitação e do saneamento e contribui para reduzir o endividamento das famílias. Porém, ao blindar setores escolhidos, a medida poderá não ter os efeitos esperados sobre o crescimento.

Do lado das empresas, o Santander reportou resultados sólidos no 2T19, com o lucro líquido em linha com nossas estimativas. Os segmentos de varejo seguiram impulsionando a expansão da margem financeira e das receitas de serviços, que cresceram acima das provisões nos últimos doze meses e confirmaram as tendências operacionais favoráveis. Mantemos nossa recomendação Neutra para SANB11 devido aos altos múltiplos relativos às perspectivas de lucro para 2019-2020.

Por fim, os preços da celulose de fibra curta na China caíram ligeiramente nessa terça-feira, recuando US$7,1/t e atingindo US$509,2/t. Conforme temos mencionado, apesar do preço parecer estar próximo de um piso, a visibilidade ainda permanece baixa. Mantemos Compra em Suzano (preço-alvo de R$40/ação) e Neutro na Klabin (preço-alvo de R$19/ação).

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: Governo cede em tabela de fretes
  2. Nova regra de saque do FGTS prevê primeiro saque de R$500 a partir de setembro

Internacional

  1. EUA: Governo chega a um acordo sobre teto da dívida com Câmara e Senado
  2. Reino Unido: Boris Johnson é eleito chefe do partido conservador e deverá ser o novo premiê britânico

Empresas

  1. Santander (SANB11): Inegavelmente um banco de varejo; 2T19 sem surpresas
  2. Vale (VALE3): Produção e vendas no 2T19 em linha com estimativas
  3. Casino vende subsidiária que atua no Oceano Índico
  4. Açúcar e Etanol: Bunge e BP criam joint venture em bioenergia

Coe News

  1. Grupo Santander divulga resultados sólidos do 2T19, no mundo
  2. ArcelorMittal: Redução de custos através de inovação


Veja todos os detalhes

Brasil

Política Brasil: Governo cede em tabela de fretes

  • Diante da ameaça de greve de caminhoneiros, o governo cedeu de novo e empresas prometem retomar a novela na Justiça sobre a tabela de fretes. A versão que entrou em vigor na semana passada foi revogada ontem e a antiga desagrada quem paga pelo frete. O Supremo marcou para 4 de setembro o julgamento sobre a legalidade da tabela, mas até lá as empresas prometem buscar liminares;
  • A ideia que surgiu é trocar o diesel pelo gás nos caminhões, mas a rede de abastecimento é limitada a centros urbanos. Isso tudo dependeria ainda do plano de redução da participação da Petrobras e diversificação da oferta no mercado de transporte e distribuição de gás, que ainda precisa passar pelo Congresso.
     

Nova regra de saque do FGTS prevê primeiro saque de R$500 a partir de setembro

  • De acordo com a mídia local, o governo está finalizando a Medida provisória que autorizará a liberação de saque do FGTS. A MP será oficializada na quarta-feira, mas a versão mais recente traz a possibilidade de que o saque seja iniciado em setembro de 2019, no valor de R$500;
  • O argumento do governo é de que a medida não compromete os recursos destinados ao financiamento de habitação e do saneamento e contribui para reduzir o endividamento das famílias;
  • Nossa visão é de que o governo se complica com o anúncio, ao blindar setores escolhidos. A medida poderá não ter os efeitos esperados sobre o crescimento caso o valor total a ser sacado caia abaixo de R$30 bilhões e caso as regras de saque sejam muito limitadas. Além disso, a medida pode limitar o impacto nas vendas do setor de varejo.

Internacional

EUA: Governo chega a um acordo sobre teto da dívida com Câmara e Senado

  • A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, confirmaram nesta segunda-feira o acordo firmado com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre o teto da dívida;
  • O acordo prevê a suspensão do limite da dívida até 31 de julho de 2021. Segundo Pelosi e Schumer, isso garantirá a segurança nacional e a execução de investimentos em áreas prioritárias;
  • Na nossa visão, a medida deve ser bem recebida pelos mercados hoje, pois pacifica um dos grandes focos de tensão nos EUA previstos de acontecer no segundo semestre desse ano. Além disso, o acordo sinaliza algum grau de pacificação entre democratas e republicanos.

Reino Unido: Boris Johnson é eleito chefe do partido conservador e deverá ser o novo premiê britânico

  • O candidato do partido conservador e ex-prefeito de Londres, Boris Johnson, acaba de ser eleito chefe do partido conservador e deverá ser eleito ainda hoje para o cargo de primeiro ministro do Reino Unido;
  • O nome de Boris Johnson era o mais cotado para a chefia do partido conservador e para assumir a vaga deixada por Theresa May, atual primeira ministra. Johnson é um árduo defensor da saída do Reino Unido da união europeia e deverá enfrentar oposição de parte dos ministros caso seja eleito. Alguns ministros já declararam abertamente que renunciarão se o nome de Johnson fosse escolhido;
  • O desenrolar da decisão será acompanhada de perto pelos mercados hoje e devem adicionar um pouco mais de pessimismo com o futuro do Reino Unido e das principais economias da Europa caso Johnson seja eleito.

Empresas

Santander (SANB11): Inegavelmente um banco de varejo; 2T19 sem surpresas

  • O Santander reportou o resultado do 2T19 com lucro líquido de R$3,6 bilhões (ROE de 21,3%), em linha com nossas estimativas, expandindo 4,3% no tri e 20% A/A. A margem financeira acelerou 5,3% no tri, após um 1T19 estável, impactado tanto pela porção de crédito como “outros”. No geral, o 2T19 foi um trimestre sólido, com a manutenção de métricas saudáveis ​​de inadimplência e expansão da carteira de crédito (+2,2% no tri e + 9,3% A/A) e da margem financeira;
  • Os destaques positivos foram: (1) O crescimento dos empréstimos dos segmentos de varejo, com pessoas físicas e o financiamento ao consumidor expandindo 3,6% e 3,4%, respectivamente. As PMEs também se recuperaram após um 1T fraco e cresceram 3,6% no 2T19; (2) As receitas de serviços aumentaram 9,2% em relação ao 2T18, impulsionadas por comissões de seguros (+13.2% A/A) e contas correntes (+16,5% A/A); (3) A inadimplência total caiu 10bps para 3,0%, já que a inadimplência das pessoas físicas permaneceu estável e a inadimplência corporativa diminuiu levemente e (4) Os spreads de crédito aumentaram 10bps devido ao mix mais concentrado em varejo e, juntamente com o crescimento da carteira média, suportaram a expansão da margem financeira;
  • Os destaques negativos foram: (1) As despesas de provisão se normalizaram após uma queda acentuada no 1T e expandiram 9% no tri, refletindo o efeito do mix. O Custo de Crédito aumentou 20bps em relação ao 1T19, atingindo 3,2%; (2) O crédito para grandes empresas manteve-se fraco, encolhendo -1,1% vs 1T19 e -6,1% A/A, apesar de ter sido negativamente impactado pelo câmbio e (3) Despesas operacionais cresceram acima da inflação, 2,2% no trimestre e 6,7% em relação ao 2Q18, impactadas principalmente por processamento de dados e serviços de terceiros para apoiar novos lançamentos (Ben, Pi, Santander Auto);
  • ​Como esperado, o Santander entregou resultados de qualidade, embora não tão expressivos e acima dos pares quanto visto nos últimos anos. Continuamos a ver potencial para o banco superar a nossa estimativa de lucro para 2019 e vamos ouvir atentamente as atualizações fornecidas durante a conferência de hoje. Por enquanto, mantemos nossa recomendação Neutra para SANB11 devido aos altos múltiplos relativos às perspectivas de lucro para 2019-2020.

Vale (VALE3): Produção e vendas no 2T19 em linha com estimativas

  • A Vale divulgou ontem os resultados de produção e vendas para o 2T19. As vendas de minério de ferro e pelotas de 70,8mt ficaram em linha com as nossas, um aumento de 4,5% T/T e queda de -18% A/A. Apesar da queda na produção no trimestre, o volume de vendas aumentou, dado o consumo de estoques no exterior. De fato, a produção de minério de ferro e pelotas de 73,1mt permaneceu impactada pela ruptura da barragem de Brumadinho e condições climáticas incomuns no Sistema Norte em abril e início de maio, mas melhorou significativamente no final do trimestre com maiores embarques e a retomada das operações de Brucutu; 
  • A Vale divulgará os resultados do 2T19 no dia 31 de julho após o fechamento do mercado – reiteramos nossa estimativa de EBITDA de US$5bi, frente à preços mais altos de minério de ferro e vendas sólidas, parcialmente impactados ​​por custos mais elevados. Segundo a Vale, as condições climáticas negativas impactaram a produtividade do porto e os embarques, que foram redirecionados do Sistema Sul e Sudeste para o Terminal de Ponta da Madeira (Sistema Norte). A situação está sendo normalizada em julho; 
  • Vemos as ações da Vale atrativas, negociando a 3,7x EV/EBITDA 2019, com uma rentabilidade de 10-15% de sua geração de caixa em 2019-20, que pode ser ainda maior com preços de minério de ferro surpreendendo positivamente. Assumimos, conservadoramente, preço médio de US$85/t em 2019 e US$75/t em 2020, enquanto o minério já atingiu US$120/t. Para cada US$10/t de aumento no preço do minério, o EBITDA da Vale aumenta US$3bi; 
  • ​Além disso, a Vale revisou as seguintes projeções: (a) produção de níquel entre 210-220mt em 2019 – assumimos vendas de 240mt, (b) produção de pelotas de 45mt em 2019 – assumimos vendas de 47mt e (c) produção de carvão de ~10mt em 2019 – assumimos vendas de 11,8mt. Mantemos recomendação de compra. Clique aqui para ver o relatório completo.

Casino vende subsidiária que atua no Oceano Índico

  • O grupo francês Casino (controlador do Grupo Pão de Açúcar) vendeu sua subsidiária Vindémia por EUR 219 milhões. A compradora é a GBH, um grupo familiar com operações no setor industrial, venda de veículos e varejo;
  • A operação está em linha com a estratégia de focar nos principais mercados e reduzir o endividamento do Casino, cuja holding (Rallye) entrou em recuperação judicial em maio.

Açúcar e Etanol: Bunge e BP criam joint venture em bioenergia

  • Ontem, a negociante de commodities Bunge e a petroleira BP anunciaram a criação de uma joint venture no Brasil que atuará no segmento de bioenergia, produzindo açúcar e etanol, além de eletricidade renovável (a partir de biomassa);
  • BP e Bunge terão 50% de participação na nova empresa, denominada BP Bunge Bioenergia. A nova companhia nascerá com 11 usinas (8 da Bunge e 3 da BP) e com capacidade de moagem de 32 milhões de toneladas de cana, disputando a vice-liderança do setor com Biosev e Atvos, permanecendo a Raízen (joint venture de Cosan e Shell) como líder;
  • ​Espera-se que a transação seja aprovada pelo CADE até o final do ano. O planejamento estratégico da nova empresa se baseará na renovação de canaviais e ampliação da capacidade utilizada das usinas, obtenção de sinergias e melhora da geração de caixa.

Coe News

Grupo Santander divulga resultados sólidos do 2T19, no mundo

  • Acima das expectativas de mercado, recentemente, o banco divulgou receitas de EUR 12,35bi no 2T19, número 3% superior no ano contra ano, e lucro de EUR 2,09bi, número 5% superior neste mesmo período;
  • Destaque para (i) a operação no Brasil, maior participação nos resultados do grupo, auxiliando na sustentação das margens, (ii) retomada do crescimento nos EUA, (iii) momento positivo da operação de varejo no México e Chile, (iv) ganho de eficiência, sustentando a rentabilidade do banco, e (v) manutenção dos índices de solidez (11,07%) e retorno sob os ativos tangíveis (RoTE de 12,0%).

ArcelorMittal: Redução de custos através de inovação

  • Em busca de melhorar seus processos e estruturar a mudança no negócio de aços longos no Brasil, o grupo segue investindo em inovação. Recentemente, lançou o “Açolab”, grupo de aproximadamente 500 startups pelo Brasil dedicadas a projetos da ArcelorMittal, como redução das perdas de carvão vegetal durante o processo produtivo, um dos grandes desafios da indústria;
  • A produção de carvão vegetal pela ArcelorMittal no Brasil alcançou 272,7 mil toneladas em 2018. Segundo dirigentes da empresa, os finos de carvão, que são um coproduto gerado na produção do aço, são originados na degradação do carvão vegetal ao longo do processo até o abastecimento dos altos-fornos. A perda por finos de carvão está em torno de 30%, o que resulta em aproximadamente 70 mil toneladas. Por enquanto, os finos são revendidos como um resíduo de menor valor agregado;
  • Outro projeto que potencialmente será anunciado no segundo semestre será um novo modelo de venda digital dos produtos da ArcelorMittal. Atualmente, o “Açolab” possui mais de 30 projetos em execução que contempla também inovações em produtos. 
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.