XP Expert

Atenções voltadas para reunião do Copom desta semana

Produção industrial e vendas no varejo de maio na China são alguns dos temas de maior destaque nesta segunda-feira, 17/06/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Ouça no Spreaker


IBOVESPA +0,08% | 119.662 Pontos

CÂMBIO +0,22% | 5,38/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa fechou a semana em uma nova mínima, caindo 0,9% em reais e 2,6% em dólares, fechando aos 119.662 pts.

O principal destaque positivo desta semana foi São Martinho (SMTO3, +8,8%), devido a um movimento técnico. A empresa divulga resultados no dia 17 de junho.

Os principais destaques negativos da semana foram as ações cíclicas, como Cogna (COGN3, -7,2%), pressionadas pela inclinação da curva de juros.

Clique aqui para acessar o Resumo semanal da Bolsa.

Renda Fixa

No comparativo semanal, os juros futuros encerraram com movimentos mistos pela curva. O diferencial entre os contratos com vencimento em janeiro 2026 e 2034 saiu de 88,40 pontos-base (bps) na sexta-feira passada para 86,50 bps nesta semana. A curva, portanto, apresentou nova leve perda de inclinação. Os rendimentos dos títulos soberanos dos Estados Unidos foram na direção contrária. Por lá, a divulgação de dados de inflação ao consumidor (CPI) e inflação ao produtor (PPI) abaixo das expectativas do mercado, combinados com o discurso de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, considerado menos restritivo que o esperado pelos investidores, levaram a um recuo da taxa das Treasuries – títulos da dívida do tesouro americano. O T-Note de 2 anos fechou em 4,67% (-20bps ante a semana anterior), enquanto o de 10 anos encerrou em 4,20%, reduzindo 23bps na comparação semanal. DI jan/25 fechou em 10,66% (+3,6bps no comparativo semanal); DI jan/26 em 11,21% (-11,2bps); DI jan/27 em 11,5% (-19,5bps); DI jan/29 em 11,89% (-18,3bps); DI jan/34 em 12,07% (-13,1bps).

Mercados globais

Nesta segunda-feira, os futuros nos Estados Unidos abrem sem direção definida (S&P 500: -0,1%; Nasdaq 100: 0,1%), com desempenho mais positivo do setor de tecnologia (em movimento de descolamento do restante do índice que comentamos no Top 5 Temas Globais). A semana é reduzida nos estados Unidos, com feriado na quarta-feira, e mercados ficam atentos para dados de atividade econômica.

Na Europa, o índice pan-europeu opera em queda (Stoxx 600: -0,4%), no aguardo da decisão de política monetária do Banco da Inglaterra nessa semana. A bolsa francesa abre positiva, após forte queda na semana passada. Na China, as bolsas fecharam negativas (CSI 300: -0,2%; HSI: -0,03%), após dados mistos de atividade econômica e manutenção da taxa de juros de médio prazo pelo banco central.

Economia

Divulgado na sexta-feira no Brasil, o IBC-Br ficou estável em abril em relação a março, ligeiramente abaixo das expectativas (XP: 0,2%; consenso: 0,3%). Nossa projeção para o crescimento do PIB em 2024 permanece em 2,2%. Publicado esta manhã, os salários na zona euro aumentaram 5,3% no primeiro trimestre de 2024 em relação ao mesmo período do ano passado – o maior ritmo desde o último trimestre de 2022, reforçando a necessidade de cautela no ciclo de flexibilização pelo BCE. Na China, a produção industrial avançou 5,6% em termos anuais, abaixo das expectativas; as vendas no varejo registraram 3,7%, acima das expectativas; e a taxa de desemprego manteve-se em 5,0%, em linha com as expectativas. Além disso, os preços das novas casas na China em 70 cidades diminuíram 3,9% em termos anuais em maio de 2024, registrando a maior queda desde junho de 2015.

Na agenda desta semana, o destaque no Brasil será a decisão de juros pelo Copom na 4ª-feira. Nós e o mercado esperamos manutenção da taxa Selic em 10,50%, com atenção especial ao placar da votação. Na seara dos indicadores, a arrecadação federal de maio será publicada, mas ainda sem data definida. Por fim, vale monitorar o desenrolar da discussão em Brasília sobre as medidas de compensação para a desoneração da folha de pagamento de 17 setores e municípios.

Na agenda internacional, os dados de vendas no varejo e produção industrial dos EUA referentes a maio serão divulgados na 3ª-feira. No Reino Unido, a inflação de maio será divulgada na 4ª-feira. Além disso, na 5ª-feira, o Banco Central da China (PBoC) e o Banco Central da Inglaterra (BoE) anunciarão suas decisões de política monetária.

Veja todos os detalhes

Economia

Atenções voltadas ao Copom esta semana

  • Divulgado na sexta-feira no Brasil, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) – proxy mensal do PIB – ficou estável em abril em relação a março, ligeiramente abaixo das expectativas (XP: 0,2%; consenso: 0,3%). O indicador aumentou 0,8% no trimestre móvel até abril. O IBC-Br subiu 4,0% em relação a abril de 2023, em linha com as estimativas (XP: 3,9%; consenso: 3,9%). Seu total acumulado de 12 meses mostrou um ganho de 1,8%. Nossa projeção para o crescimento do PIB em 2024 permanece em 2,2%.
  • Publicado esta manhã, os salários na zona euro aumentaram 5,3% no primeiro trimestre de 2024 em relação ao mesmo período do ano passado – o maior ritmo desde o último trimestre de 2022, e após um aumento de 3,2% no período anterior. O elevado crescimento dos salários tem sido uma das principais preocupações do BCE, dada a sua transmissão para a inflação dos serviços, que permanece persistentemente alta. Os dados reforçaram a necessidade de cautela no ciclo de flexibilização, e é provável que o BCE pule à reunião de julho, depois de ter reduzido as taxas pela primeira vez em junho.  
  • Na China, os indicadores econômicos de maio foram mistos. A produção industrial avançou 5,6% em termos anuais, abaixo das expectativas; as vendas no varejo registraram 3,7%, acima das expectativas; e a taxa de desemprego manteve-se em 5,0%, em linha com as expectativas. Além disso, os preços das novas casas na China em 70 cidades diminuíram 3,9% em termos anuais em maio de 2024, registrando a maior queda desde junho de 2015. Este foi o 11º mês consecutivo de declínio, apesar de a China ter anunciado um amplo pacote de apoio ao setor imobiliário no mês passado. A atividade econômica da China continua apoiada por estímulos do governo, embora estruturalmente tenha sido mais fraca do que nas décadas anteriores.
  • Na agenda desta semana, o destaque no Brasil será a decisão de juros pelo Copom na 4ª-feira. Nós e o mercado esperamos manutenção da taxa Selic em 10,50%, com atenção especial ao placar da votação, especialmente após a decisão com dissenso (5×4) na última reunião de política monetária. Na seara dos indicadores, a arrecadação federal de maio será publicada, mas ainda sem data definida. Por fim, vale monitorar o desenrolar da discussão em Brasília sobre as medidas de compensação para a desoneração da folha de pagamento de 17 setores e municípios.
  • Na agenda internacional, os dados de vendas no varejo e produção industrial dos EUA referentes a maio serão divulgados na 3ª-feira. No Reino Unido, a inflação de maio será divulgada na 4ª-feira. Além disso, na 5ª-feira, o Banco Central da China (PBoC) e o Banco Central da Inglaterra (BoE) anunciarão suas decisões de política monetária.

Empresas

Petrobras | Uma nova administração assumirá o bastão

  • Novas indicações. Nesta sexta-feira (14), durante o pregão, a Petrobras anunciou três novos membros para a equipe de gestão – para as diretorias Financeira e de Relacionamento com Investidores, de Exploração e Produção e de Tecnologia e Inovação;
  • Os novos indicados passarão pelas verificações internas de governança e integridade da Petrobras e precisarão ser aprovados pelo Conselho de Administração – acreditamos que esse processo será realizado rapidamente e não prevemos nenhuma resistência significativa;
  • Os novos indicados são executivos experientes, consistentes com a importância de suas novas funções;
  • Em nossa opinião, as nomeações também atenuam os possíveis riscos de cauda que poderiam surgir de mudanças na equipe executiva;
  • Vale ressaltar que não houve mudanças na função de Diretor de Governança e Conformidade;
  • Clique aqui para o relatório completo.

DASA (DASA3): Uma união promissora

  • A DASA (DASA3) anunciou a criação de uma joint venture (“JV”) hospitalar com a Amil:
    • A Nova Empresa terá 25 hospitais totalizando 4,4 mil leitos e será controlada em conjunto pelas duas partes;
    • Como parte do acordo, a DASA transferirá R$3,85 bilhões em dívidas para a entidade, reduzindo sua taxa de alavancagem para 3,6x (ou 2,9x para efeito de covenants);
    • Além disso, os executivos não descartaram futuros desinvestimentos, e avaliamos que um desinvestimento dos ativos restantes da BU1 poderia reduzir a alavancagem em 0,2x, enquanto um desinvestimento de 49% da BU2 poderia reduzir a alavancagem em 2,8x;
    • Por fim, vemos o acordo como um movimento importante para a DASA se aproximar de um pagador relevante em um momento em que estamos vendo várias parcerias em todo o setor.
  • Vemos o acordo como crucial para a DASA reduzir a alavancagem e se tornar um parceiro mais próximo de um grande pagador. No entanto, acreditamos que a empresa precisará de esforços adicionais para reduzir a alavancagem para um nível mais saudável;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • BTG disputa com Beazley pagamento de resseguro (Valor);
    • Pix: Febraban propõe ao BC melhorias em ferramenta de devolução de dinheiro de golpe (Estadão);
    • Gestoras de ativos alternativos se expandem de olho em bilhões (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Empresas contestam Fazenda em desoneração e apontam impacto superestimado (Folha de São Paulo);
    • Sob controle do Mubadala, Zamp anuncia saída do CEO e cofundador Ariel Grunkraut (Bloomberg Línea);
    • E-commerce tem destaque nas vendas no Dia dos Namorados, aponta ICVA  (E-commerce Brasil);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Dasa e Amil criam 2º maior grupo de hospitais do país (O Globo);
    • Lab-to-Lab Pardini lança plataforma de compartilhamento de conhecimento sobre gestão em medicina diagnóstica (Setor Saúde);
    • Sigilo em testes de remédios poderá atrasar genéricos, dizem especialistas (Senado);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • Multiplan prepara anúncio de investimento em shoppings (Veja);
    • Venda de shopping da Allos no Rio de Janeiro está próxima (Veja);
    • Disputada, venda do shopping Riosul será definida em 30 dias (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Cade aprova combinação de negócios entre Auren e AES Brasil (Valor Econômico);
    • Enel promete investimento no Brasil, e Lula diz que governo está disposto a renovar contrato (Folha de S. Paulo);
    • Governo sanciona lei que garante tarifa social de água e esgoto para pessoas de baixa renda (CNN Brasil);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Treasury yields tick higher as traders asses timeline of interest rate cuts (CNBC);
  • Demanda aquecida atrai novos emissores para as debêntures (Valor Econômico);
  • Dasa e Amil criam rede hospitalar de R$ 10 bi (Valor Econômico);
  • Rating ‘brAA+’ da Itaipu Binacional removido do CreditWatch negativo e reafirmado após definição da tarifa e alívio de pressões de liquidez; perspectiva estável (S&P Global);
  • Clique aqui para acessar o clipping.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Fundo da TG Core paga R$ 486,5 milhões por 30 centros comerciais da São Carlos (Estadão);
    • FIIs têm a pior semana desde dezembro de 2022 e zeram ganhos no ano (InfoMoney);
    • Dividendos puxam alta e IFIX reverte tendência, mas fecha semana com queda de 1,38% (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Petrobras anuncia novos membros para Diretoria; Participação das mulheres na gestão aumenta | Café com ESG, 17/06

  • O Ibovespa e o ISE terminaram a semana recuando 0,92% e 1,07%, respectivamente. Já na sexta-feira, o pregão terminou com o IBOV com leve alta de 0,07% e com o ISE também subindo 0,66%.
  • Do lado das empresas, a nova presidente da Petrobras, Magda Chambriard, indicou nesta sexta-feira (14) três nomes para compor a diretoria da estatal: Renata Baruzzi para a diretoria de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Sylvia dos Anjos para a diretoria de Exploração e Produção, e Fernando Melgarejo para a diretoria Financeira e de Relacionamento com Investidores – se aprovadas, as indicações aumentam a diversidade na Diretoria da Petrobras, que passa a contar com 44% de mulheres.
  • Ainda no Brasil, (i) um levantamento feito pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) mostrou que a participação das fontes renováveis eólica e solar na geração de energia elétrica para o Sistema Interligado Nacional (SIN) tem sido crescente nos últimos anos – entre jan-março de 2024, 19,2% da energia gerada no Brasil veio das fontes eólica e solar (vs. 14,7% no mesmo período de 2023); e (ii) o país se tornou o maior destino externo em quantidade de veículos chineses elétricos puros e híbridos, que têm tanto o motor a combustão quanto o movido a energia elétrica – de jan-abril o embarque da China desse tipo de automóvel ao Brasil somou 88,32 mil unidades, pouco acima dos 88,16 mil que rumaram à Bélgica.
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.

Debate sobre incentivos do governo aos VEs segue vivo nos EUA; Mudanças no Índice Carbono Eficiente da B3 | Brunch com ESG 

  • Pensando em melhor auxiliar os investidores, o Brunch com ESG é um relatório publicado pelo time ESG do Research da XP que busca destacar os principais tópicos da agenda na semana;
  • Na última semana, destacamos: (i) Biden aprova padrão de quilometragem para veículos, mais brando do que a proposta inicial; e (ii) B3 anuncia mudanças na metodologia do Índice Carbono Eficiente (ICO2).
  • Clique aqui para ler o conteúdo completo.  

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.