XP Expert

Metaverso chega a varejistas; Nissan elétrica e mais notícias – 🌎RADAR GLOBAL

Investimento bilionário da Nissan, produção europeia de chips e adoção do metaverso

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

MACRO

Mercados globais voltaram a negociar no vermelho (EUA -1,2% e Europa -1,3%), puxados principalmente por setores mais cíclicos, como consumo, turismo e indústria automotiva. Depois de uma breve recuperação ontem, o CEO da Moderna, Stephane Bancel, afirmou que as vacinas atuais serão menos eficazes contra a variante Ômicron e que podemos esperar meses até que doses específicas estejam disponíveis em larga escala. Na China (-0,4%), uma melhora nos dados de manufatura também foi ofuscada por notícias negativas do coronavírus e o índice Hang Seng (-1,2%), de empresas offshore, negocia em seu menor patamar desde 2016.

Coronavírus: Os casos da nova variante Ômicron têm se espalhado para diferentes países, totalizando 12 mil casos. Várias nações já vêm fechando suas fronteiras para os viajantes estrangeiros, como Japão, Israel e Marrocos. Com o avanço, as fabricantes de vacina, como a Moderna e Pfizer, já começam a trabalhar em alternativas para a contenção da nova cepa, caso as existentes se provem não efetivas.

Inscreva-se aqui para receber o nosso conteúdo diário.

EMPRESAS

Expansão de veículos elétricos: A empresa Nissan Motor Co. afirmou nesta segunda-feira que planeja investir US$ 17,6 bilhões nos próximos cinco anos com o objetivo de adicionar 20 novos veículos movidos a bateria no seu portfólio. O valor anunciado pela fabricante é 2x maior que o gasto que eles tiveram com EVs em 2010. A companhia pretende se recuperar no setor de veículos elétricos, segmento no qual já foi a pioneira no mercado há mais de uma década com o modelo Leaf EV. Os investidores tendem a preferir pares que apresentam altos investimentos em modelos elétricos, como Ford (FDMO34), que teve uma valorização de +42% no ano, a GM (GMCO34) +53% e Volkswagen +46%.

O CEO da Nissan, Makoto Uchida, “pretende liderar o mercado à medida que os carros mudam de gasolina para energia elétrica“. A empresa afirma que 9 dos 20 carros lançados até 2026 serão exclusivamente elétricos e movidos a bateria, e o resto híbridos. Em sequência, buscam remover materiais mais caros como cobalto de suas baterias, o que poderá reduzir o custo para US$ 75 por quilowatt-hora (-65% de redução de custo), tornando os modelos novos mais acessíveis.

O novo braço do varejo O tema Metaverso está sendo encarado com mais seriedade pelas empresas desde a mudança do nome do Facebook para Meta, e seu plano de investir cerca de US$ 10 bilhões para a criação de um mundo digital. A gigante tem planos para criação de um canal de vendas, interação e conteúdos personalizados. Depois das iniciativas do Facebook, empresas como como Chipotle Mexican Grill e Vans, marca de vestimentas, já seus próprios cenários em plataformas semelhantes a metaversos. O objetivo de marcas como Roblox Corp e Fortnite Creative, é fazer que seus clientes interajam mais com as marcas, podendo resultar em mais engajamento e melhores vendas.

A Vans lançou um parque de skate virtual em Roblox, onde seus clientes acumulam pontos e resgatam itens virtuais para a personalização de suas pranchas virtuais. A empresa afirma que já atraiu 48 milhões de visitantes desde setembro em seu cenário digital, gerando receitas com as vendas virtuais. Dessa forma, essa nova forma de interação tem se tornado uma possível avenida de crescimento no faturamento, bem como nos investimentos de marketing.

Os desafios da Europa na fabricação de chips: De acordo com a chefe de concorrência da União Europeia, se tornar completamente independente na produção de semicondutores é “simplesmente impossível” devido aos altos níveis de investimento necessários. As empresas do bloco, principalmente automotivas, enfrentam dificuldades com a escassez global de semicondutores, diante disso, os legisladores europeus buscam maneiras de aumentar a produção de chips.

Para algumas autoridades, a UE precisa se tornar uma potência global neste espaço, mas Vestager alertou que os investimentos iniciais especulados para tonarem o bloco autossuficiente são inviáveis. O anúncio ocorre poucos meses depois da apresentação em setembro do European Chips Act, que visa tornar o bloco competitivo na corrida pelos chips, expandindo a pesquisa e a produção na Europa. No início deste ano, o bloco também lançou uma aliança industrial com o objetivo de aumentar a participação da UE na produção global de semicondutores para 20% até 2030. No momento, a participação de mercado da Europa é de 10%. Uma das razões por trás do impulso para a autossuficiência é estar livre da geopolítica. Há preocupações de que atritos entre os EUA e a China possam perturbar ainda mais as cadeias de abastecimento. Na corrida global, os EUA têm intensificado esforços para impulsionar o setor. Os legisladores dos EUA aprovaram um projeto de lei no início deste ano com o objetivo de impulsionar a produção doméstica de semicondutores, parte de uma rivalidade mais ampla com a China sobre comércio e tecnologia.

ANÁLISE

Fonte: Rhodium Group

Investimentos chineses nos Estados Unidos e na Europa despencaram nos últimos cinco anos:  O gráfico acima mostra que os investimentos chineses realizados na Europa e nos Estados Unidos caíram cerca de -85% desde o pico de 2017 até junho desse ano. O investimento chinês foi modesto antes de 2010, com média bem abaixo de US$ 15bi por ano, depois disso, acelerou rapidamente atingindo um pico de US$ 45bi em 2016 nos EUA e cerca de US$ 90bi na Europa em 2017 graças a várias aquisições de bilhões de dólares que foram alimentadas pela alta liquidez no mercado chinês e por poucos controles de investimento de saída.

Desde então, o investimento estrangeiro caiu drasticamente, devido principalmente a controles mais rígidos da saída de capital, aumento da regulação de investimentos realizados, deterioração do sentimento público em relação à China e tensões crescentes nas relações geopolíticas. Durante o boom de investimento de saída da China em 2016-2017, os investimentos chineses nos EUA se concentraram em apenas alguns setores, como imóveis, hotelaria, transporte e infraestrutura. Essa combinação de setores mudou substancialmente nos últimos anos, com investidores gravitando para outras áreas. O investimento agora se concentra nos setores de entretenimento, produtos e serviços de consumo, saúde e biotecnologia. Investimento em setores que estão sujeitos a regulações maiores na China, como o imobiliário e infraestrutura praticamente desapareceram.

   

Gostou do conteúdo? Compartilhe nosso link de cadastro e nos avalie abaixo:

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.