XP Expert

Expansão do Disney+ para a África e Oriente Médio – 🌎Radar Global

Ações da Oracle saltam após resultado, Disney+ busca novos mercados e vendas da BYD disparam na China.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

MACRO

Bolsas internacionais amanhecem mistas (EUA +0,5% e Europa -1,0%) após a venda generalizada de ontem, relacionada aos temores de inflação e riscos de recessão que abalaram os mercados e empurraram o índice S&P 500 para território de bear market. O sentimento negativo ganhou força após ambos os veículos de notícias CNBC e The Wall Street Journal sinalizarem que membros do Federal Reserve consideram uma alta de 75 bps na taxa básica de juros americana já na próxima reunião. A mudança de postura teria vindo em virtude da surpresa nos dados de inflação ao consumidor, divulgados na última sexta-feira. Ainda nos EUA, hoje teremos a divulgação dos dados da inflação ao produtor (PPI) e, um número acima do esperado neste indicador poderá reforçar a tese de que a inflação americana ainda não chegou ao topo e dar suporte para uma postura mais contracionista do Fed. Na China (+0,8%), o mercado local encerra em leve alta após movimento de buy the dip (compra na baixa) dos investidores. Ainda assim, preocupações com novos lockdowns seguem no radar à medida que Pequim registrou 74 casos de Covid-19, o maior valor das últimas 3 semanas. No universo das criptomoedas, ambos o Bitcoin (-3,8%) e o Ethereum (-2,7%) seguem em tendência de baixa após a capitalização de mercado agregada dos criptoativos cair abaixo de US$ 1 trilhão pela primeira vez desde fevereiro de 2021.

Coronavírus: Fábricas seguem em ritmo de abertura em Xangai à medida que o impacto da Covid-19 diminui, de acordo com o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China. A cidade, que detém o maior produto interno bruto da China, reportou que 96,3% das empresas industriais retomaram as atividades, com uma taxa de produção acima de 70%.

Inscreva-se aqui para receber o nosso conteúdo diário.

EMPRESAS

Ações da Oracle saltam após surpresa positiva nos resultados: A gigante do vale do silício reportou seus resultados no período pós-mercado com uma receita de US$ 11,8bi vs. US$ 11,7bi, em linha com as projeções; o lucro por ação foi de US$ 1,54 vs. US$ 1,37, uma surpresa de +12,4%. Em linhas gerais, no trimestre, a Oracle (NYSE: ORCL, BDR: ORCL34) registrou um aumento de faturamento em torno de +5% ano contra ano, superando os US$ 10,5 bilhões projetados pela própria empresa durante a conferência de resultados do trimestre anterior. A CEO Safra Catz afirmou que este foi o melhor trimestre de crescimento orgânico da empresa desde 2011 e, complementou que vê sinais de aceleração para os negócios da empresa daqui para frente.

O bom resultado foi fortemente impulsionado pelo segmente nuvem, que cresceu +19% no comparativo anual. Dentro do segmento, o destaque ficou por conta da parte focada em infraestrutura em nuvem, crescendo 36% ano contra ano. Segundo a CEO, a empresa parece estar entrando em uma forte fase de crescimento e as sinergias da recente aquisição da Cerner poderão colocar a empresa em boa posição para entregar fortes resultados nos trimestres subsequentes. Olhando para o próximo trimestre, a companhia espera um crescimento de faturamento entre 20%-22% em câmbio constante e um LPA entre US$ 1,09 e US$ 1,13, ambas as projeções envolvem a consolidação dos resultados com os da Cerner. As açoes da companhia subiram +15,1% durante as negociações estendidas.

Expansão do Disney+ para a África e Oriente Médio: A Disney (NYSE: DIS, BDR: DISB34) lançou seu serviço de streaming no Oriente Médio e Norte da África, entrando na disputa pela fatia de mercado em uma região onde a população é jovem e os serviços de streaming ainda possuem baixa penetração. “Na minha opinião, o Disney+ está entrando na região do Oriente Médio e Norte da África em um ótimo momento. Comparado aos outros mercados de streaming, a região ainda está em estágios iniciais de adoção e a empresa poderá se beneficiar deste período de crescimento“, pontuou Tamim Fares, diretor local do Disney+. Estimativas da Starzplay apontam que a penetração deste tipo de serviço na região é de apenas 10%.

Até o momento, o Disney+ foi lançado em 16 países árabes e está em período de adaptação do conteúdo para os consumidores locais, incluindo a oferta de legendas em árabe. Olhando para o futuro, a Digital TV Research prevê o serviço da Disney ficará em segundo lugar na região até 2027, sendo capaz de aumentar sua base de usuários para cerca de 6,5 milhões. O número a colocaria apenas atrás do líder local, o Netflix, que já possui 6,8 milhões de usuários locais em sua plataforma e deverá ser capaz de aumentar este volume para 11 milhões até 2027.

Vendas da BYD disparam em maio na China: A fabricante chinesa de carros elétricos BYD viu as vendas mais que dobrarem em maio, para cerca de 113.768 veículos, de acordo com dados da Associação de Carros de Passageiros da China. O resultado reforça a escalada da empresa para o ranking das três principais montadoras da China. O bom número ocorreu apesar dos lockdowns realizados pelo governo chinês em diversas cidades com a intenção de controlar a Covid-19, que acabou atingindo as cadeias de suprimentos e o consumo na segunda maior potência do mundo

Apoiada pela Berkshire Hathaway (NYSE: BRK.A/ BRK.B, BDR: BERK34), de Warren Buffett, a BYD também é uma fabricante de baterias que se tornou uma importante marca de carros elétricos na China, e alguns de seus modelos estão competindo com a Tesla (NASDAQ: TSLA, BDR: TSLA34) em popularidade. Até agora, neste ano, a BYD não apenas continuou a dominar os veículos de nova energia, que incluem carros híbridos e movidos a bateria, mas a empresa também subiu no ranking das três principais marcas na China por vendas de carros de passeio. As vendas de automóveis de passageiros na China caíram 11,8% em maio em relação ao ano anterior, enquanto os veículos de energia nova tiveram um aumento de 91,2%, de acordo com a associação de automóveis de passageiros.

ANÁLISE

Fonte: Goldman Sachs

Alta do S&P deve ser impulsionada pelo crescimento de lucros: O gráfico acima, do Goldman Sachs, mostra que apesar do S&P 500 negociar cerca de 19% abaixo do pico, os valuations ainda não sofreram um desconto considerável. Ainda assim, no cenário base do banco, o múltiplo de preço/lucro do índice permanece praticamente estável, enquanto o crescimento dos lucros será o responsável pela apreciação do mesmo para 4.300 no final do ano de 2022 (+10%). Contudo, diante do cenário macroeconômico atual, existem alguns riscos que podem comprometer esse crescimento de lucros, alguns anúncios de empresas na última semana aumentaram essas preocupações. Os investidores se concentraram em uma série de comentários pessimistas das grandes empresas de tecnologia. Nas últimas semanas, companhias como Amazon (NASDAQ: AMZN, BDR: AMZO34), Microsoft (NASDAQ: MSFT, BDR: MSFT34) e Nvidia (NASDAQ: NVDA, BDR: NVDC34) sinalizaram intenções de desacelerar as contratações. Como resultado, em caso de recessão, o banco fatora o risco de recuo do P/L para 14x e uma estimativa de LPA em torno de US$ 200, o que poderia puxar o índice S&P 500 para 3150 pontos. O momento deve continuar favorecendo empresas de qualidade, boas pagadoras de dividendo e com um valuation razoável, que possa oferecer uma margem de segurança aos investidores em caso de nova contração de múltiplos.

Quer saber mais sobre criptomoedas? Acesse aqui nosso relatório semanal.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nosso link de cadastro e nos avalie abaixo:

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.