Nova reforma tributária: como ficam os Fundos de Investimentos?

Nesse relatório apontamos as principais mudanças na recente reforma tributária que impactam os fundos de investimentos.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Hoje, na Câmara dos Deputados foi dia de discutir alguns destaques da última versão do texto-base do Projeto de Lei nº 2337/21 que trata da reforma tributária, alterando o imposto de renda das pessoas físicas, jurídicas e dos investimentos.

Aparentemente bem menos inovador que o texto original de junho desse ano, a proposta mantém algumas alterações polêmicas. Dentre as alterações propostas tanto no texto-base quanto nos destaques de hoje (02/09), apontamos as principais mudanças que impactam os fundos de investimentos.

Come-cotas

Mecanismo pelo qual há uma antecipação do recolhimento do imposto de renda em alguns tipos fundos, atualmente, o come-cotas ocorre duas vezes ao ano, nos meses de maio e novembro. Pelo novo texto, o passaria a ser recolhido somente uma vez ao ano, no mês de novembro. As alíquotas do come-cotas se mantiveram as mesmas, 15% ou 20%, a depender do prazo médio dos ativos que esses fundos detêm, longo prazo ou curto prazo, respectivamente.

Foi mantida a previsão que alguns fundos fechados continuam sujeitos às suas regras específicas e sem a cobrança do come-cotas. São eles, os Fundos de Ações (FIA), Fundos de Previdência, Fundos Imobiliários (FII), Fundo de Investimento em Participações (FIP), Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), Exchange Traded Funds (ETF), dentre outros.

Os demais fundos fechados não só passarão ater a obrigatoriedade do recolhimento do come-cotas a partir de 1 de janeiro de 2022, como deverão também recolher o imposto sobre o “estoque” dos rendimentos passados. Nesse caso, o texto da reforma prevê um “desconto”, reduzindo a alíquota para 6% para quem realizar o recolhimento até o mês de maio de 2022, além da possibilidade do pagamento parcelado em até 24 parcelas mensais.

Dividendos recebidos por fundos de investimento

Em um primeiro momento, pretendia-se tributar os dividendos recebidos por fundos de investimento pelas ações em que aplicam, além da taxação de dividendos distribuídos diretamente pelas companhias. Essa alíquota, inicialmente em 20%, passou a ser de 5,88% em versões posteriores e, agora, foi retirada do texto, mantendo o foco da tributação, assim como é hoje, nos cotistas do fundo e não nos seus ativos. No caso dos fundos de ações, por exemplo, os cotistas são tributados em 15% no momento do resgate. 

Rendimentos de Fundos Imobiliários para Pessoa Física

Alvo de muita discussão nas versões preliminares do texto da reforma, a previsão de tributação dos rendimentos dos fundos imobiliários distribuídos para Pessoas Físicas já não constava mais nas últimas propostas e por hora segue dessa forma, ou seja, estão isentos de imposto de renda. Vale ressaltar que essa isenção vale para os fundos imobiliários cujas cotas sejam negociadas em Bolsa, no caso a B3, com mais de 50 cotistas, sendo que nenhum deles detenha mais de 10% das cotas do fundo.

Demais destaques

Vale destacar ainda que está mantido no texto da reforma a previsão de alterar o percentual mínimo que os Fundos de Ações devem manter investidos em ações e demais ativos equivalentes para serem classificados como FIA. Esse valor passaria do mínimo de 67% (atual) para 75% (proposto). Essa será a condição para que esse tipo de fundo possa oferecer aos seus cotistas a tributação a uma alíquota única de 15% somente no momento do resgate.

Também foi mantida a previsão de que os Fundos de Participações (FIP) deverão recolher 15% de imposto quando realizarem a venda com lucro de qualquer investimento nas empresas investidas, mesmo que esses recursos não sejam ou tenham sido distribuídos aos cotistas.

Conclusões

Assim como em todos os demais temas que constam dessa versão da proposta da reforma tributária, destacamos que diversas alterações ainda podem ocorrer, seja na Câmara ou no Senado Federal, além de depender da sanção do presidente. De qualquer forma, mesmo que nenhuma das alterações pareça tão crítica aos fundos de investimentos e seus gestores, é importante acompanhar o assunto, pois a indústria de fundos de investimentos é um motor importante do mercado financeiro.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.