Resumo Semanal de FIIs – 25/09

Saiba todos os acontecimentos da semana no universo de FIIs


Compartilhar:


Panorama da Semana

O IFIX, índice de fundos imobiliários, fechou a semana em queda de -0,35%, após a pequena alta de 0,2% na semana passada, impulsionada positivamente pelos fundos imobiliários do segmento de logístico e negativamente pelos fundos imobiliários do segmento de shopping centers. Sobre os índices de fundos imobiliários da XP, o XPFI apresentou a performance de -0,31%, XPFT de -0,66% e XPFP de -0,12%.

No campo econômico, a conta das dívidas e pagamentos adiados durante a pandemia começa a chegar ao caixa das empresas. Segundo veículos de mídia, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estuda prorrogar a suspensão temporária das cobranças dos pagamentos de dívidas pelo menos para os setores econômicos mais atingidos pela crise. O Banco ainda não detalhou a possibilidade de prorrogação.

Não houve grandes acontecimentos no lado de fundos imobiliários. Mas, vale destacar que o IFIX, índice de fundos imobiliários da B3, apresentou queda de apenas -0,35% na semana frente ao Ibov, índice de ações, que apresentou queda da -1,31%. Tal movimento reforça a baixa volatilidade dos fundos imobiliários em momentos de maior aversão ao risco.  

Nessa semana, publicamos nosso inicio de cobertura para o FIP-IE BRZ Portos (BRZP11) com recomendação de compra e preço alvo de R$126/cota. Na nossa visão, o FIP-IE BRZP11 é compatível com investidores que almejam ganho de capital no médio e longo prazo. Para mais detalhes, acesse o relatório completo.

Radar de Mercado

TEPP11: O fundo comunicou uma série de movimentações de inquilinos em seus ativos que inclui notificações de rescisão, término de contrato, extensão de contrato e renovações. A partir das movimentações anunciadas, a receita de locação terá um impacto negativo de 9% nos próximos meses, o que implica em queda de aproximadamente R$0,08/cota na distribuição de dividendos.

VISC11: O fundo comunicou a reavaliação do valor dos imóveis em seu portfólio. Os shoppings (exceto RibeirãoShopping) foram reavaliados a um valor 5,5% abaixo do valor contábil atual, o que implica em um impacto negativo de 4,6% no valor da sua cota patrimonial.

BTLG11: O fundo comunicou que ficou acordado que a aquisição final (da aquisição mencionado no dia 08/07/2020, que envolvia três ativos) representará dois ativos, sem alterações nos termos principais do contrato. Dessa forma, a operação foi celebrada e liquidada no valor de R$153 milhões a um cap rate estimado de 8,71%, o que implica em um impacto positivo de R$0,15/cota.

HGFF11: O fundo anunciou o encerramento da segunda emissão de cotas. O fundo levantou aproximadamente R$101 milhões.

BTLG11: O fundo divulgou o prospecto definitivo da oferta pública de distribuição de cotas da nona emissão. O fundo visa levantar aproximadamente R$500 milhões. Ainda, os ativos alvos descritos no prospecto são: a) Imóvel Jundiaí por aproximadamente R$270 milhões e cap rate estimado de aproximadamente 8,0%; b) Carteira de três ativos em São Paulo pelo valor de R$195 milhões e cap rate implícito de 8,0%; c) BTS Empresa Listada 1 pelo montante de R$42 milhões e cap rate de 8,5%; d) imóvel desenvolvimento de aproximadamente R$200 milhões com cap rate de 9,0%.

RECT11: O fundo anunciou duas aquisições: a) mais um andar do Ed. Canopus pelo valor de R$5,2 milhões e ABL de 1.037,3 m². Atualmente, a fração adquirida está totalmente vaga, mas foi adquirida pelo valor de R$5.055/m², abaixo das outras demais frações adquiridas pelo fundo. Com isso, o fundo passa a controlar aproximadamente 44% do imóvel, o que facilita nas tomadas de decisões do imóvel e do condomínio; b) Imóvel Av. Europa pelo valor de R$27 milhões com ABL de 1.962 m², totalmente locado para Agaxtur Agência de Viagens e Turismo por meio de um contrato atípico com prazo de 5 anos. As aquisições implicam em um aumento de aproximadamente R$0,02/cota na distribuição de dividendos. Desse modo, mantemos nossa recomendação de compra e preço alvo de R$108,6/cota e dividend yield de 8,2% para 2021.  

GRLV11: O fundo anunciou a convocação da Assembleia Geral Extraordinária de Cotistas a fim de deliberar sobre a realização de processo competitivo visando à venda da totalidade da participação do fundo no empreendimento GR Louveira pelo preço mínimo de R$150 milhões.

FVBI11: O fundo informou o pagamento no valor R$33,76/cota em decorrência da distribuição dos lucros resultantes da venda do imóvel, em conjunto com o valor dos rendimentos dos alugueis pro-rata referente ao mês de agosto, que será pago no dia 30/09. Por fim, a administradora reforma que os cotistas devem informou o respectivo custo médio até o dia 30/09.

GGRC11: O fundo comunicou que foi paga a última tranche do preço de aquisição no valor de R$3,8 milhões, somando R$68,8 milhões ao todo referente ao contrato e edificação do galpão industrial na modalidade atípica built-to-suit para a Benteler Sistemas Automotivos. Com isso, o fundo passa a receber o aluguel durante a construção de R$523 mil, equivalente a R$0,08/cota

LGCP11: O fundo comunicou a oferta pública da segunda emissão de cotas do fundo no montante de R$150 milhões. O fundo visa a aquisição de fração de diversos galpões, assim como descrito no prospecto da oferta.

ONEF11: O fundo comunicou o aditivo ao contrato de locação com o Banco do Brasil pelo prazo de 5 anos. O contrato que encerraria em 31/10/2020, passa a ter prazo de locação de 01/11/2020 a 31/10/2025.

Carteira Recomendada

Desempenho Semanal

Fonte: XP Investimentos, Economatica e Bloomberg
* Os fundos imobiliários em destaque se encontram restritos por recomendação do Compliance

Últimos Materiais Publicados

Quais são as perspectivas dos gestores de Fundos Imobiliários? | Setembro de 2020
No mês de agosto, o IFIX, índice de fundos imobiliários, apresentou alta de 1,6%, após a queda de -3,0% no mês passado, refletindo a continuidade da retomada das atividades no Brasil após a flexibilização da quarentena, recuperação econômica e reabertura dos shopping centers nas últimas semanas.  

Apesar da retomada gradual das atividades no Brasil, continuamos com a alocação mais conservadora na carteira recomendada dada a baixa visibilidade da retomada da economia para os níveis pré-pandemia. Dito isso, seguimos com 32,5% alocado em fundos de recebíveis, 25,0% em ativos logísticos, 15,0% em fundos híbridos, 12,5% em lajes corporativas, 10,0% em shopping centers e 5,0% em fundo de fundos.

Nesse mês, alteramos o peso de dois fundos imobiliários já presentes na carteira recomendada. Diminuímos de 10,0% para 5,0% de exposição no fundo Vinci Logística (VILG11) e aumentamos de 7,5% para 12,5% o fundo CSHG Real Estate (HGRE11). Para mais detalhes, acesse o relatório da carteira.

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.