Fundos Imobiliários: Oportunidade de Tijolo

No Brasil, Fundos Imobiliários (FIIs) crescem rapidamente, tanto pelo investidor que aplica uma porcentagem cada vez maior de sua carteira nesse veículo, quanto pelo aumento sistemático e consistente de novos CPFs.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Oportunidade de Tijolo

No Brasil, Fundos Imobiliários (FIIs) crescem rapidamente, tanto pelo investidor que aplica uma porcentagem cada vez maior de sua carteira nesse veículo, quanto pelo aumento sistemático e consistente de novos CPFs. Com picos de taxa de vacância no passado e clara tendência de recuperação dos valores de aluguel, o risco do setor fica cada vez menor com upsides a todo momento mais interessantes. Efetivamente, o valor de mercado total dos fundos tem crescido ~20% a.a., segundo relatório de junho da Bovespa, e já atinge R$ 45 bilhões.

Justiça seja feita, se o crescimento é rápido, é também porque esta indústria ainda é pouco representativa. Ela representa apenas 1,6% do total de recursos alocados em fundos de investimentos, enquanto que nos EUA o mesmo veículo, intitulado REITs (Real Estate Investment Trusts), representam algo em torno de 13%. No mesmo sentido, temos hoje apenas 155 mil brasileiros com posições em fundos imobiliários, enquanto nossa contrapartida norte-americana desfruta da atenção de 80 milhões investidores. A título de conhecimento, a indústria de REITs nos EUA soma hoje USD 1,1 tri, sendo 96% desses fundos de tijolo, cujo lastro é uma propriedade real, e apenas 4% fundos de dívidas ou recebíveis imobiliários.

Se, por um lado, o comparativo estrangeiro põe nosso mercado local em perspectiva, por outro, traz prognóstico empolgante. Isto porque, para ser tão representativo, a própria gestão de carteiras de investimento do modo como é feito no Brasil deve ser questionada. Efetivamente, a diversificação de investimentos via setor imobiliário profissionalizado nos EUA é algo muito mais comum, algo que se desenvolveu ao longo de décadas, em ciclos longos. É preciso tempo para ajustar produto, veículo, profundidade de mercado, gestões vencedoras e remuneração adequada.

Fonte: 1 www.reit.com 2 Fonte: ANBIMA 3 Fonte: Bovespa . *REITs: Real Estate Investment Trust – FIIs nos EUA. *FTSE Nareit Index – Indicador de Real Estate dos EUA

REITs

Nos EUA, a legislação que deu largada aos REITs é da década de 1960, mas não foi até o final da década de 1970, nessa época, o mercado alcançou pouco mais de USD 1,5 bilhão de capitalização. Mais interessante, este mercado cresceu 7x durante a década de 1980, atingindo a marca de USD 11 bilhões, e viu outro sprint durante a década de 1990, que observou esse mercado multiplicar-se outras 12x, chegando à marca de 138 bilhões. As condições para tal crescimento, especialmente no início da década de 1990, eram muito especiais. Com uma vacância que iniciava sua queda em meio a condições econômicas favoráveis e preços de ativos (reais e de tela) muito defasados da realidade, não só as novas emissões podiam ser lastreadas por produtos com rentabilidade muito atraente, como também os preços da cota deveriam subir para incrementar ainda mais os rendimentos dos investidores. Maiores retornos em um mercado com fundamentos cada vez melhores proporcionou o boom de crescimento da década de 1990. A saber, a maior parte desse crescimento (>85%) se deu por meio de ofertas de fundos já existentes, que passaram a se tornar cada vez mais líquidos e diversificados, ainda que muito fiéis às estratégias ligadas a tipologias específicas.

Os anos 2000 chegaram e, apesar dos problemas de 2008, os REITs continuaram a crescer. Entre 2007 e 2008 este mercado perdeu 40% em valor, passando de USD 312 bilhões para USD 191 bilhões de capitalização total. Nos anos seguintes, com o fim da recessão, atividade em alta, taxas de juros reais negativas, taxas de vacância cada vez menores e rentabilidades muito atraentes, o crescimento do setor se deu como uma locomotiva, aumentando em 6x seu tamanho ao longo dos últimos oito anos. Não se deixe enganar, apesar das taxas de crescimento anuais recentes mais modestas com relação ao seu boom no final do século passado, esse movimento corresponde a um crescimento de capitalização total de mercado maior que USD 110 bilhões por ano, algo como 10x o mercado brasileiro total de FIIs ao ano calculados na taxa vigente de câmbio (USD 3,7).

Independente da força com que vieram, o que ambos períodos têm em comum é o momento do ciclo imobiliário que puxou essa dinâmica. Tanto na década de 1990 quanto depois de 2010, o mercado via o início de quedas de taxas de vacância com recuperação econômica sustentável, de longo prazo. É claro que tantos investimentos institucionais e como novas captações e distribuições para o varejo se beneficiaram desse movimento, mas é muito importante entender que foi o mercado real que puxou a tendência, com fundamentos sólidos e rendimentos interessantes.

Fonte: REITs; XP Investimentos

FIIs

E este é exatamente o momento que vivemos no mercado imobiliário brasileiro. A recuperação econômica garante a demanda, derrubando a vacância, aumentando aluguel e também o valor de patrimônio dos ativos. Por muitas tipologias (lajes corporativas e shopping centers, p.ex.) exibirem ciclos longos de produção, a tendência de upside desses setores não poderia estar mais garantida. Mesmo galpões logísticos, cuja construção após aprovações dura algo entre seis e doze meses, deverão ver parte significativa de seu estoque ocupado nos próximos anos, especialmente para os que se encontram mais próximos da cidade de São Paulo. Tudo isso aliado a taxas de juros reais sistematicamente mais baixas no longo prazo, muito em função do elevado desemprego e capacidade ociosa da economia, os retornos de tijolo se tornam muito atraentes a um risco muito baixo.

Todos esses fatores somam para mostrar que este é um momento singular de potencial de crescimento para FIIs. Com teses de investimento cada vez mais ambiciosas, focadas, ativas e ao mesmo tempo diversificadas, certamente esse veículo ganhará em liquidez, diminuirá sua volatilidade e performará muito bem frente outras classes de ativos. Neste sentido, rendimentos acima de 11% real livre de impostos ao ano deverão ser comuns já para os próximos 36 meses, sendo alternativa interessante para investidores que procuram diversificar e diminuir a volatilidade de sua carteira sem abrir mão de bons retornos.

Fonte: Cushman & Wakefield, ABRASCE, Empresas de Capital Aberto; XP Investimentos
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.