Paradoxo Omaha: gerindo ações globais diretamente do Brasil

O texto de hoje conta como o time de gestão da WHG investe em ações globais, diretamente do Brasil.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Por trás de uma sigla de três letras: WHG, existe uma gestora global composta por um time de pessoas com larga experiência em gestão de ativos por todo o globo.

Quando a gente pensa em investimentos no exterior, tendemos sempre a achar que todos os gestores que investem em ativos fora do Brasil, necessariamente precisam estar no país alvo de investimento. Quem investe nos EUA, precisa morar e fazer a gestão de recursos nos EUA, por exemplo.

Porém, após ouvir Andrew Reider, CIO da gestora, junto com Daniel Gewehr, gestor das estratégias de ações, que me contaram um pouco da filosofia de investimento da WHG, rapidamente entendi porque os investimentos globais se aplicam para todos.

Como tudo começou

Daniel trabalha há 20 anos no mercado de ações, e como todo novo analista que ingressa no mercado, começou com a inocência de que os investimentos em renda variável iriam somente subir. “Imagine eu que entrei 1 mês e meio antes do evento do 11 de setembro”. Passado o susto inicial, Daniel começou a cobertura de Small Caps, e como na época eram empresas que muitos analistas não cobriam, passou a participar de várias ofertas relevantes na Bolsa. Antes de ingressar na WHG, Daniel trabalhava como estrategista do Santander & responsável pelo research da instituição.

O envolvimento de Gewehr com os investimentos globais começou junto com o início de sua carreira. Enquanto analisava ações no familly office da família Gerdau, eis que surge uma tese de demografia, mais especificamente do setor de saúde, que o fez alocar pela primeira vez em ativos fora do Brasil.

“Na WHG, nossa maneira de olhar investimentos tem dois diferenciais: desde a análise bottom-up da empresa, até o a parte de construção de portfólio, que é mais estratégica”, afirma Daniel.

Já Andrew, tinha um pé no mundo global desde o nascimento; o CIO, que é americano e brasileiro, e que se graduou em Economia pela Universidade de Harvard, começou sua carreira na Moon Capital, uma gestora com foco em análise bottom-up, onde cobria mercados emergentes e tecnologia. Depois, a mudança de casa o levou para a cobertura de Europa e o setor de industrials. Quando voltou ao Brasil, com a intenção de colocar em prática tudo o que aprendeu após um longo período fora das terras brasileiras, Andrew iniciou o processo de diversificação internacional da Verde, de Luis Stuhlberger, que sempre foi reconhecida como uma casa macro.

Quando saiu da Verde e foi trabalhar em um familly office, Andrew já havia recolhido experiências diversas no que diz respeito a filosofias de investimento, que o ajudaram a formar os grandes pilares de análise do time de gestão da WHG.

O processo de análise

Dá para investir global do Brasil? Essa foi a minha primeira pergunta quando comecei o processo de analisar a gestora.

“Ninguém vai pra Omaha a não ser que vá ver o evento do Warren Buffet. Existe uma vantagem de não estar no centro financeiro desde que você tenha relacionamentos com bancos e corretoras,” Andrew me responde. “Mas isso só acontece quando existe a construção de relacionamentos com players importantes do mercado internacional, o que fez com que tivéssemos um dos analistas alocado em Nova Iorque para que pudéssemos acompanhar alguns movimentos mais de perto”, complementa Daniel.

Mas além do investimento global, a grande bagagem de todos os membros do time de gestão, trouxe à WHG o status de não terem necessariamente a obrigação de se prenderem a uma determinada filosofia de investimentos. De fato, enquanto conversava com a dupla, entendi o porquê de se auto intitularem de “agnósticos”.

“O brasileiro tinha um viés muito forte a value investing…até o Covid. Depois, o mundo se rendeu a growth, e no Brasil muita gente falou que era bolha. O investidor estrangeiro, que acaba olhando o tema de maneira global, se antecipa sobre o tema, o que vira uma vantagem quando você deixa de olhar somente no Brasil”, afirma a dupla.

Com isso nasceram os três pilares da gestora: a análise micro, que diz respeito às empresas; a análise macro, que diz respeito ao cenário macroeconômico, e o temático, que diz respeito a grandes tendências globais.

O processo de investimento dos fundos passa por reuniões semanais onde são discutidos os cenários e os cases das empresas, além de contarem com uma base de dados de fatores, construída pelo time de análise e que contam com dados de mais de 3 mil empresas.

Para Andrew, analisar empresas brasileiras e empresas fora do Brasil é um tendência que tem ficado cada vez mais integrada. “Quando voltei para o Brasil, para o brasileiro olhar para empresas lá fora era algo incomum, quase como alienígena. Hoje em dia esse acompanhamento tem valor para empresas dado que os IPOs e os múltiplos das companhias têm reagido a movimentos internacionais, num processo de convergência de cobertura.”

Além da análise global, Daniel me explica que a cobertura de ações não é setorial, é por estilo – “Existem analistas que cobrem a vertical de tecnologia e crescimento, analistas focados em “bond like”, que são empresas do setor elétrico e rodovias, além de analistas dedicados aos setores mais cíclicos da economia,  como os de commodities até o setor industrial, em um verdadeiro olhar sobre a cadeia de produção de ativos.”

Como investir nos fundos?

A gestora conta com duas estratégias principais: um fundo long biased global, com cerca de 40 posições, e que é voltado para investidores qualificados, que é o fundo de retorno absoluto da gestora – Primeiro e Único fundo long biased global da plataforma XP até o momento.

A segunda estratégia, é um fundo long only, mais concentrado, com 15 a 25 nomes, e que reúne as melhores ideias do time de gestão. Este fundo também é voltado para investidores qualificados e têm a possibilidade de ter exposição ao dólar ou não.

Embora os fundos invistam no exterior, a alocação em dólar deve ser vista como algo apartado do processo de gestão dos fundos – Como me disse Andrew, o investimento nos produtos não é um play cambial, no que diz respeito a ser um veículo somente usado para exposição à moeda estrangeira, mas sim, uma alocação de quanto um investidor deseja ter em investimentos em ações dentro do seu portfólio.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.