XP Expert

Expert XP 2021: Papo de Titãs: as maiores oportunidades atuais

Confira as visões para a economia global e oportunidades de investimentos no painel Papo de Titãs com os gestores da Adam Capital, Kapitalo Investimento e Legacy Capital.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Para entender mais sobre as maiores oportunidades de investimento atuais, conversamos com Felipe Guerra, CIO e gestor da Legacy Capital, Carlos Woelz, gestor na Kapitalo Investimentos, e Márcio Appel, sócio fundador e gestor da Adam Capital.

Confira a seguir os destaques do painel:

Quem são Legacy, Kapitalo e Adam?

Legacy – Fundada em 2018, a Legacy Capital está sediada na cidade de São Paulo e tem mais de R$ 13 bilhões em ativos sob gestão, com atuação nas estratégias de Renda Fixa e Multimercados. A empresa possui mais de 35 colaboradores, e, entre os principais executivos, estão Felipe Guerra (CIO), Gustavo Pessoa (Portfolio Manager), Pedro Jobim (Economista-Chefe) e José Eduardo Araujo (COO).

Kapitalo – Fundada em 2009, a Kapitalo Investimentos está sediada na cidade de São Paulo e tem mais de R$ 20 bilhões em ativos sob gestão, com atuação nas estratégias de Multimercados e Ações. A empresa possui mais de 75 colaboradores, e, entre os principais executivos, estão Carlos Woelz (Gestor), João Carlos Távora Pinho (Operações) e Hegler Horta (Gestor).

Adam – Fundada em 2016, a Adam Capital está sediada no Rio de Janeiro e tem mais de R$ 17 bilhões em ativos sob gestão, com atuação na estratégia de Multimercados. A empresa possui mais de 20 colaboradores, e, entre os principais executivos, estão Márcio Appel (Portfolio Manager), Fabio Landi (Gestor), André Salgado (RI), Humberto Peres (RI), Sergio Dias (Gestor).

Grandes oportunidade com alta convicção

O tom que dominou a conversa foi claro: há muitas oportunidades, principalmente no mercado externo.

Márcio Appel, da Adam, nos conta que vê oportunidades no mercado americano como não via há muito tempo – a convicção é tão alta que estão com talvez a mais alta alocação de risco desde que a gestora nasceu. E essas oportunidades estão em empresas consolidadas, que hoje estão negociando a múltiplos baixíssimos.

Felipe Guerra, da Legacy, explica que apesar dos grandes estímulos fiscais, os bancos centrais das economias desenvolvidas estão conseguindo ancorar as expectativas e não há pressa para enxugarem essa liquidez. E com o aquecimento da economia, mesmo que você compre no high histórico do preço, olhando um pouco pra frente, as empresas vão mais do que compensar o preço com o crescimento do lucro.

Carlos Woelz, da Kapitalo, pontua o ganho de produtividade que houve (principalmente nos EUA) – mesmo com nível de ociosidade superior ao cenário pré COVID19, o PIB atual já supera o nível daquele cenário. Mas mesmo com uma interpretação do cenário muito alinhada com Guerra e Appel, Carlos explica que estão investindo nas empresas que conhecem mais: cerca de dois terços do risco está em Brasil, buscando por empresas de lucro esperado alto, segundo ele alguns setores estão ficando muito baratos, a própria geração de caixa das empresas e o lucro começam a ser muito relevantes pra preço.

Crescimento econômico e pressões inflacionárias

Guerra deixa claro que quando discutimos inflação no cenário global, temos que focar nos países desenvolvidos, porque são eles que concentram a maior parte do PIB. O grande questão era se haveria pressão inflacionária em relação às contratações com a retomada da economia, o que, por consequência, impactaria os preços na economia real. Porém, o cenário que está se desenhando mostra uma economia ainda mais forte nos próximos anos, e o risco inflacionário parece ficar pra trás.

O que tira o sono do gestor olhando pra frente?

Olhando para o cenário global, Appel argumenta que os principais riscos vão vir de conflitos geopolíticos, como é o caso do Afeganistão. Esses conflitos tendem a ser pontuais e de curto prazo, podendo afetar alguns mercados diretamente, como, por exemplo, o petróleo. Já no cenário local, o gestor no conta que o risco no Brasil é sempre presente, e é difícil de mapear de onde virá a próxima crise.

Guerra da um pouco mais de luz pro cenário local que Appel destacou, enfatizando que no Brasil os ativos saem de overbought (muito comprador) para oversold (muito vendidos) “na velocidade da luz” – o lado positivo desses movimentos é que há uma limpeza de fundamentos toda vez que isso ocorre – as posições especulativas são liquidadas e ficam somente as posições com fundamento, assim conseguimos ter uma visão melhor do que é o cenário base.



E onde estão as oportunidades?

Apesar dos cenários base estarem alinhados, aqui os estilos de gestão mostram um grande leque de oportunidades e também de fundamentos para as posições.

Woelz, que tem foco maior em Brasil, nos conta que a posição short (vendida) está muito alta (principalmente em setores ligados a demanda interna), e buscam oportunidades nas “pontas” – ou seja, escolhendo muito bem o ativo – buscam papeis que não vão necessitar de fluxo novo de investidor pra crescer – o próprio caixa e lucro da empresa serão suficientes para financiar novos projetos ou recompras de ações que aumentarão os preços.

Guerra vendo o Brasil com uma visão mais macro, nos conta que o carrego dos juros mais curtos são uma boa oportunidade até que a inflação ancore, lá fora vê ganho nas ações, citando setores como e-commerce, animal care, mídias sociais e mais – tanto nos EUA como na Europa.

Appel volta ao seu ponto de maior convicção, argumentando que hoje em dia há ações de empresas que não crescem há anos negociando a múltiplos equivalentes aqueles das big techs, empresas que estão crescendo até 20%-30% ao ano.


Os gestores debatem ainda sobre o cenário Brasil, com olhares principalmente para as eleições do ano que vem. As opiniões são explicativas e deixam muito claro como isso pode impactar cenário. Não deixe de assistir o painel completo para entender a fundo todos os argumentos dos gestores e ampliar a sua visão de investimentos! Você pode entrar o vídeo disponível no site da Expert 2021!

Confira mais informações sobre os produtos de cada gestora:

Legacy Capital Advisory FIC FIM
Adam Macro Advisory FIC FIM / Adam Macro Strategy Advisory FIC FIM
Kapitalo Kappa Advisory FIC FIM / Kapitalo Zeta Advisory FIC FIM

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.