XP Expert

Research XP na mídia – Parabéns ao Real: a moeda que deu fim às despensas e colocou o Brasil na civilidade monetária

Entre 1986 e 1991, foram implementados 6 planos econômicos diferentes no País, incluindo o famoso Plano Collor

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Texto publicado inicialmente no E-Investidor em 07/06/2024

“Rachel, ajude a tirar as sacolas do carro com seus irmãos e já vão guardando tudo na despensa. Vocês já sabem: arroz, feijão e papel higiênico em cima; em baixo, biscoitos, enlatados e sucos. Na geladeira, as carnes. Na fruteira, as frutas e legumes. Se todo mundo pegar um pouco, acaba rápido”. O coro entristecido de “Ah, não” de três crianças ecoava ao ouvir a frase da mãe, enquanto a família toda voltava do programa mais temido pelos irmãos uma vez ao mês, as tardes de sábado: a ida ao hipermercado.

O ano? Alguma coisa entre 1995 e 2000. Período em que a despensa ainda era cômodo essencial em quase toda casa brasileira na qual a renda permitia, garantindo espaço para a armazenagem de alimentos e outros itens essenciais, como produtos de limpeza (sempre aos montes).

Pulamos para 2024. Pergunte a uma criança ou adolescente do que se trata uma despensa, ou se um cômodo inteiro dedicado à armazenagem de alimentos existe em sua casa. Sou capaz de apostar que a resposta será algo como “nossa, o que é isso? Não tenho ideia”, acompanhado de um dar de ombros.

A verdade é que a despensa, assim como o passeio mensal em família ao hipermercado e a própria existência desses estabelecimentos, remonta a tempos e hábitos hoje distantes – mas muito presentes na memória socioeconômica de tantos “pais e mães” dos anos 1990.

Tempos esses em que o dinheiro perdia valor num piscar de olhos, e as compras do mês eram tão importantes quanto a capacidade de armazenagem de mantimentos pelo maior tempo possível.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Tempos de hiperinflação: A inimaginável realidade dos anos 1980-90

Em economia, o fenômeno da hiperinflação é caracterizado por um escalada acentuada dos preços. Quão acentuada? No geral, considera-se que um país enfrenta um período de hiperinflação se sua taxa inflacionária mensal ultrapassa os 50%.

Pode parecer inimaginável para “olhos desacostumados”, mas no Brasil dos anos 1980-90, essa era a realidade. Para se ter uma ideia, a inflação atingiu o patamar extraordinário de 4.992% no acumulado em doze meses em junho de 1994.

Isso significa que, caso você comprasse alguma coisa no valor de 100 cruzeiros (moeda da época), um ano depois isso custaria 5100 – caso a moeda fosse mantida, o que naquele momento era raro, diante de tantas tentativas de acabar com a inflação.

Em resumo, a realidade socioeconômica do Brasil entre os anos de 1980 e início da década de 1990 era caótica: além da inflação galopante e como consequência dela, enfrentávamos elevado grau de endividamento externo (tanto do governo, quanto das pessoas – afinal, nossa moeda não tinha nenhuma credibilidade), baixo crescimento econômico e forte piora nos níveis de pobreza e desigualdade.

Sobre o último, vale lembrar que a inflação tem na população mais pobre sua principal vítima. Isso porque, diferente da classe mais rica, esse extrato da população dificilmente consegue se proteger do aumento de preços, como por meio de investimentos financeiros ou comprando ativos – como imóveis, carros e até mesmo cabeças de boi (rolava naquela época!).

Assim, conforme a inflação avançava, avançava também a desigualdade socioeconômica do país.

Alguém precisava fazer alguma coisa! E alguém fez…na realidade, “alguéns fizeram, e muitas coisas”.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Um plano econômico, dois “pulos do gato”

Seis planos econômicos diferentes foram implementados entre 1986 e 1991, incluindo o famoso Plano Collor – aquele que congelou o dinheiro da poupança de milhares de brasileiras, na tentativa de reduzir a circulação de moeda na economia e, assim, controlar a inflação.

Como sabemos, todos esses planos falharam miseravelmente em botar ordem na casa e derrotar a hiperinflação, até que…chegamos ao Plano Real.

No segundo semestre de 1993, diferentes esferas do governo uniram-se para pensar fora da caixa, e o plano Real trouxe duas principais ideias determinantes para seu sucesso: i) o esforço de ajuste fiscal; e ii) a existência de uma unidade monetária temporária, a Unidade Real de Valor (URV).

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

E qual o “pulo do gato” desses dois pilares?

O primeiro, o da gestão fiscal, trazia a lógica do controle do gasto público para o centro do debate da inflação. Afinal, quando o governo gasta mais, ele aumenta a demanda por bens e serviços na economia (todo esse dinheiro vai para algum lugar, certo?), pressionando os preços. Além disso, quanto mais o governo gastar além do que arrecada, impulsionando a economia pelo lado da demanda, mais as pessoas terão a expectativa de que a inflação seguirá alta, e já se anteciparão subindo seus preços – criando um ciclo vicioso de alta de preços.

Por isso, qualquer plano que tentasse conter a hiperinflação precisava passar pelo lado fiscal – o que, até então, não havia sido o caso.

Já a segunda parte do “pulo” foi a criação da URV, a Unidade Real de Valor. Ela marcaria a transição para a nova moeda, mas sem existir “fisicamente”. Era uma moeda “virtual”, entre muitas aspas. Moderno para a época, não é mesmo?

O objetivo da URV era justamente ser uma transição entre a moeda antiga e a nova, tentando conter a rápida perda de credibilidade que havia sido destino de todos os outros planos até então.

O valor da URV era atualizado diariamente com base na inflação, e os preços eram cotados em URVs e cruzeiros reais (a moeda que anteviu o Real) – mas os pagamentos só podiam ser feitos em cruzeiros reais.

E foi assim por alguns meses, até que o grande dia chegou. Em 1º de julho de 1994, no meio da Copa do Mundo em que o Brasil se tornou tetracampeão, nascia outra vitória: o Real.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Mal sabiam eles

Naquele dia, 1 Real valia 1 URV, que valia 2.750 cruzeiros reais.

Naquele dia, mal sabiam os brasileiros que a hiperinflação deixaria de ser a luta diária de milhares de famílias muito em breve, contribuindo para uma série de avanços no campo socioeconômico que seguiram a estabilização monetária no país.

Mal sabiam que que o plano que se iniciava seria objeto de estudo mundo afora como um dos mais bem sucedidos esforços no campo monetário no mundo contemporâneo. Mal sabiam que guardar dólares no colchão seria uma memória distante, e que 4,0% ao ano de inflação seria tema de discussões acaloradas entre economistas no país alguns anos depois.

Naquele dia, mal sabiam os três filhos que as idas ao hipermercado estavam com seus dias contados, assim como tantas despensas Brasil afora.

Parabéns ao Real, a moeda que deu fim às despensas e colocou o Brasil no caminho da civilidade monetária.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.