XPnomics: A economia brasileira através dos olhos da XP

access_time 30/12/2019 - 16:27
format_align_left 12 minutos de leitura

4T19: A duradoura Guerra Comercial

Sumário

  • O ano de 2019 foi marcado por inúmeros episódios de disputas comerciais entre vários países, notadamente a imposição e o adiamento de tarifas comerciais pelos Estados Unidos e pela China. O clima hostil não passou despercebido pelo mercado financeiro ou pelos empreendedores, resultando em perdas consideráveis para ativos financeiros e para o comércio global.
  • Apesar do atual esfriamento das tensões comerciais, não esperamos que 2020 seja diferente. Os países asiáticos e ocidentais estão travando uma batalha (duradoura) pela hegemonia tecnológica e, nesse contexto, os EUA já perderam 2,7 pontos percentuais do total das exportações mundiais de produtos de alta tecnologia na última década para países asiáticos. Esse é o principal pano de fundo da atual Guerra Comercial e acreditamos que os EUA não desistirão com facilidade.
  • A estratégia de Trump contra o Brasil não é totalmente clara. Primeiro, porque o Brasil importa mais bens de alta tecnologia dos EUA do que da à China (contabilizando produtos não eletrônicos) e segundo porque as tarifas propostas prejudicam vários setores manufatureiros dos EUA que importam esses bens do Brasil (mesmo empresas do setor siderúrgico).
  • De qualquer forma, vemos duas razões principais pelas quais a administração Trump decidiu atacar o Brasil: 1) disputa pela tecnologia 5G e aumento da parceria comercial brasileira com concorrentes americanos de produtos alta tecnologia e 2) exportações do Brasil prejudicam os grupos de interesse de Trump.
  • Embora os efeitos econômicos das tarifas sobre o aço e o alumínio no Brasil sejam potencialmente limitados, o aumento das tensões comerciais teve um efeito negativo considerável no volume comercial global e acreditamos que esse efeito seja mais prejudicial para a economia brasileira do que o efeito direto de tarifas.
  • Olhando para frente, não vemos uma ampla gama de produtos que possam ser alvo de tarifas dos EUA, mas listamos alguns deles com base na participação de mercado do Brasil nas importações e no volume comercial dos EUA.

Guerra comercial e seu pano de fundo

  • O ano de 2019 foi marcado por inúmeros episódios de disputas comerciais entre vários países, notadamente a imposição e o adiamento de tarifas comerciais pelos Estados Unidos e pela China. O clima hostil não passou despercebido pelo mercado financeiro ou pelos empreendedores, resultando em perdas consideráveis para ativos financeiros e para o comércio global.
  • A atual desaceleração das tensões comerciais, juntamente com um pouco mais de clareza sobre alguns riscos geopolíticos (como o Brexit), trouxeram algum alívio após um ano inteiro de incerteza. No entanto, não esperamos que 2020 seja diferente.
  • Do ponto de vista estrutural, os países asiáticos e ocidentais vêm travando uma batalha (duradoura) pela hegemonia tecnológica. Essa batalha que foi vencida pela China e por outros países asiáticos é o pano de fundo da guerra comercial que começou em 2018 e culminou em 2019. Portanto, é provável que os EUA continuem liderando a disputa até recuperar alguma participação neste mercado.

A batalha de alta tecnologia em andamento

A década passada foi marcada pela acentuada perda de participação dos EUA no comércio mundial de produtos de alta tecnologia. Apesar de manter a segunda posição no ranking mundial, com aproximadamente 8,8% (T.1.) do total das exportações mundiais de produtos de alta tecnologia, os EUA perderam 2,7 pontos percentuais na última década para países asiáticos, mais especificamente para China, Hong Kong, Vietnã e Sul. Coreia (F.1.).

O crescente hiato das exportações de alta tecnologia

Em 2007, China e EUA estavam em pé de igualdade no mercado de exportação de manufaturas de alta tecnologia. Desde então, as coisas mudaram consideravelmente. Em 2018, as exportações dos EUA atingiram a marca de US$ 496 bilhões, enquanto as exportações chinesas totalizaram US$ 905 bilhões (1,8 vezes maior que os EUA, ver F.2.). Esse hiato aumentou rapidamente nos últimos anos, sendo impulsionado em grande parte pela rápida expansão das exportações chinesas de eletrônicos (F.3.). Além disso, de acordo com dados de 2018, aproximadamente 67% de todos os países (134 de 201) importam mais manufaturas de alta tecnologia da China em relação aos EUA, mostrando uma liderança chinesa quase absoluta.

PIB nominal em jogo?

Além da disputa por hegemonia no comércio mundial de produtos de alta tecnologia, a China e os EUA também travam uma longa disputa pela hegemonia econômica mundial. Se considerarmos o PIB em valores atuais, os EUA ainda vencem essa disputa. No entanto, se considerarmos o PIB ajustado pelo poder de compra de moedas (PPC), a China superou os EUA em 2014. Embora essa possa ser uma questão secundária da perspectiva da guerra comercial, certamente ela não ajuda os trâmites das negociações comerciais.

O Brasil neste contexto: nenhum país é uma ilha

Principais produtos e parceiros

Apesar de ser uma economia muito fechada, o Brasil tem como dois principais parceiros comerciais a China e os Estados Unidos, isto é, os dois principais atores da Guerra Comercial. Nas últimas décadas, as exportações brasileiras para a China cresceram exponencialmente e o país se tornou o principal parceiro comercial do Brasil. Em 1998, a China representava apenas 1,8% de nossas exportações, enquanto em 2018 atingiu 26,8%. No mesmo período, as exportações brasileiras para os EUA passaram de 18,9% para 12,2%. Apesar da perda de representatividade, os EUA ainda são nosso segundo maior parceiro comercial. Juntas, as exportações para esses dois países somam 38,9% de nossas exportações totais.

Em relação à pauta de exportação (por grupos de produtos), o Brasil exporta principalmente alimentos e bens manufaturados, sendo a China e a Holanda o principal comprador do primeiro e os EUA e a Argentina do último.

O recente ataque dos EUA

2018: A animosidade americana em relação ao Brasil começou em março de 2018, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que pretendia impor tarifas de 25% nas importações de aço e 10% nas importações de alumínio. Em maio daquele ano, após a imposição de cotas de aço e alumínio (medida quantitativa), os Estados Unidos mantiveram a isenção tarifária de aço e alumínio do Brasil, Argentina e Austrália, alegando que os três países concordaram em tomar medidas para reduzir o volume de exportações para o país.

2019: Em 2 de dezembro de 2019, Donald Trump twittou que os EUA restabeleceriam tarifas sobre todo o aço e alumínio do Brasil e da Argentina sob o pressuposto de que os dois países estavam presidindo uma “desvalorização maciça de suas moedas”. Em 20 de dezembro de 2019, após uma conversa por telefone com Jair Bolsonaro, o presidente americano retirou a medida punitiva (ver Apêndice A).

Fundamentos prováveis: a estratégia de Trump contra o Brasil não é totalmente clara. Primeiro, porque o Brasil e a Argentina importam mais produtos de alta tecnologia dos EUA do que da China (incluindo produtos não eletrônicos). Mesmo restringindo a análise apenas a produtos de alta tecnologia (apenas elétricos e eletrônicos), os dois países mostram uma menor exposição à China para padrões internacionais. Segundo, porque as tarifas propostas prejudicam vários setores manufatureiros dos EUA que importam esses produtos do Brasil (cerca de 80% das exportações de aço do Brasil para os EUA são produtos intermediários) e até mesmo empresas do setor siderúrgico (por exemplo, a Nucor que usa eletricidade mais barata e mais eficiente).

De qualquer forma, vemos duas razões principais pelas quais o governo de Trump decidiu atacar o Brasil.

(1) Tecnologia 5G e aumento dos concorrentes de alta tecnologia em parcerias comerciais: em uma reunião com Bolsonaro realizada em novembro, o presidente da Huawei deixou claro o interesse da empresa no desenvolvimento da rede 5G do Brasil. O Brasil ainda permanece neutro em relação a esse tópico, mas o assunto está sendo monitorado de perto pelos EUA. Além disso, o Brasil também aumentou sua relação comercial com vários países do leste, mas principalmente com os países asiáticos. Essa parceria crescente com concorrentes diretos de alta tecnologia nos EUA provavelmente não é bem aceita pelo governo norte-americano.

(2) As exportações brasileiras prejudicam os eleitores de Trump: as indústrias de aço e alumínio dos EUA são uma prioridade fundamental para o governo Trump. Portanto, impor uma tarifa a esses produtos foi uma maneira de fortalecer as relações com esses grupos de interesse e de angariar mais apoio nas eleições primárias que estão prestes a acontecer no começo de 2020. Isso está de acordo com a política recente de Trump, que exigia um maior uso do aço e ferro fabricados nos EUA em projetos de infraestrutura federal.

Impactos econômicos para o Brasil: as exportações de aço e alumínio do Brasil para os EUA totalizam aproximadamente US$ 4,15 bilhões e isso representa apenas 1,7% de nossas exportações totais. (UNCTAD, 2018). Apesar disso, esses produtos vêm ganhando participação nas exportações totais para os EUA ao longo dos anos e atualmente atingiram seu maior volume (14,2% das exportações para os EUA (ver F.9.)).

Em relação à China, as pressões demográficas e urbanas e a busca de protagonismo econômico são fatores que limitam as medidas protecionistas chinesas contra o Brasil e todos os outros países. Apesar de ser apenas o 20º maior parceiro comercial da China, o Brasil exporta um volume significativo de produtos alimentícios para o país e sua importância relativa para a China tem aumentado constantemente nas últimas décadas. Assim, o foco da tensão em 2020 deve permanecer nos EUA e sua postura protecionista.

Por fim, embora os efeitos econômicos de primeira ordem das tarifas sobre o aço e o alumínio do Brasil sejam limitados, o aumento das tensões comerciais teve um efeito negativo considerável no volume de comércio global (ver F.10). Os tweets com promessas de imposição de tarifas sobre novos produtos e novos países e a pouca clareza sobre a condução e o conteúdo das negociações comerciais impuseram um grande desconforto no mercado financeiro e na economia real em 2019. Como conseqüência, o comércio global sofreu uma desaceleração acentuada nos últimos dois anos. Dessa forma, acreditamos que esse efeito de segunda ordem seja mais prejudicial para a economia brasileira do que os efeitos diretos das tarifas sobre produtos de aço e alumínio.

Olhando para frente: produtos potencialmente na mira das tarifas americanas

Embora seja difícil especificar sobre quais mercadorias os EUA têm maior interesse estratégico (e, portanto, suscetíveis a tarifas), acreditamos que uma maneira alternativa de identificá-los é procurar quais produtos brasileiros tiveram uma participação considerável (superior a 10%) no mercado americano em 2018. Isso pode ser medido pela razão entre as importações dos EUA do Brasil e o total de importações dos EUA.

Além disso, essa classificação pode ser dividida por volumes de importação, ou seja, de muito baixo a muito alto (consulte o Apêndice C para classificações), para verificar a relevância de cada participação de mercado.

Apêndice A

Lista de produtos e desenvolvimentos mais recentes de mídia social

Lista de produtos de alumínio e aço

Na mídia social
  • “O Brasil e a Argentina têm presidido uma desvalorização maciça de suas moedas, o que não é bom para os nossos agricultores. Portanto, com efeito imediato, restaurarei as tarifas de todo aço e alumínio enviados para os EUA por esses países. ”(Twitter de Trump, 2 de dezembro de 2019)
  • “Tive uma conversa telefônica há alguns momentos com Donald Trump. … Ele ficou convencido de meus argumentos e decidiu dizer a todos os brasileiros que nosso aço e alumínio não serão atingidos por tarifas adicionais.” (Facebook de Bolsonaro, dez 2019)
  • “Tive uma ótima ligação com o Presidente do Brasil, @JairBolsonaro. Discutimos muitos assuntos, incluindo Comércio. A relação entre os Estados Unidos e o Brasil nunca foi tão forte!” (Twitter de Trump, 20 de dezembro de 2019)

Apêndice B

Maior parceria com países asiáticos

Principais parceiros comerciais do Brasil (% do total de exportações). Países selecionados.

2008
2018

Exportações brasileiras de alumínio (quantum)

Exportações brasileiras de aço e ferro (quantum)

Apêndice C

Distribuição de importações nos EUA: classificação segundo os percentis 20%, 40%, 60% e 80%

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.