O falso dilema entre o Renda Cidadã e o Teto dos Gastos

A pandemia reacendeu a discussão sobre pobreza e desigualdade de renda no Brasil. O isolamento social secou a fonte de renda de milhões de brasileiros informais, autônomos e donos de pequenos negócios. Em geral, os mais ricos — executivos ou funcionários de empresas sólidas, servidores públicos, investidores — conseguiram se sustentar melhor, ainda que com […]


Compartilhar:


A pandemia reacendeu a discussão sobre pobreza e desigualdade de renda no Brasil. O isolamento social secou a fonte de renda de milhões de brasileiros informais, autônomos e donos de pequenos negócios. Em geral, os mais ricos — executivos ou funcionários de empresas sólidas, servidores públicos, investidores — conseguiram se sustentar melhor, ainda que com perda de renda em alguns casos.

Nesse ambiente, Governo, Legislativo e sociedade parecem convictos da necessidade de reforçar programas de transferências de renda.

A busca pela melhor distribuição de renda não é nova nem monopólio de uma linha política. Em 1973, o economista Carlos Langoni, egresso da Universidade de Chicago, apontou o caminho no clássico ensaio “Distribuição de Renda e Desenvolvimento Econômico no Brasil”: o capital humano é a chave para unir crescimento e distribuição.

De lá para cá, avançamos na universalização do ensino, mas com pouco resultado em melhorar a qualificação.


Ainda que começássemos uma revolução na educação no país, porém, o efeito não seria imediato. É preciso completar com programas sociais que produzam resultado de curto prazo.

O Bolsa Família cumpre esse papel. É uma transferência financeira direta, desvinculada (pode ser gasta com qualquer coisa), com contrapartidas em educação e focada nos mais pobres. E sua extensão é determinada pela dotação orçamentária disponível. Ou seja, é sustentável ao longo do tempo.


Pouco adianta um novo programa que gaste muito por um ou dois anos mas provoque um desarranjo econômico à frente. A incerteza fiscal pressiona os juros e a inflação, afastando o investimento. A economia cresce menos e o desemprego aumenta. Os ricos têm acesso a instrumentos financeiros para se proteger. Os pobres vêem sua renda corroída, ou perdem o trabalho. O resultado é mais concentração de renda, não menos.

O debate entre aumentar o Bolsa Família (ou criar o Renda Cidadã) versus manter o teto de gastos é, portanto, um falso dilema.

Neste sentido, a sugestão apresentada de usar o orçamento de precatórios é contraproducente. Ela foge da difícil — mas necessária -– discussão de priorizar despesas dentro do teto. Opta por abrir espaço postergando o pagamento de uma despesa obrigatória, líquida e certa.

Na prática, a proposta propõe o financiamento do programa social com mais dívida. Mas nossa dívida pública, próxima de 100% do PIB, já está entre as maiores do mundo emergente. A dificuldade recente do Tesouro Nacional em alguns leilões de títulos públicos e a alta das taxas de juros para prazos mais longos denotam que estamos no limite desse instrumento. Em doses controladas, endividar-se para fazer um investimento pode ser bom. Mas tomar emprestado para pagar uma despesa recorrente, com a dívida já elevada, é receita certa da bancarrota (além de ferir o dispositivo legal da chamada Regra de Ouro).

A reação dos preços do mercado financeiro após o anúncio da proposta, especialmente nas taxas de juros mais longas, refletiu esse aumento do risco fiscal. Não se trata de mau humor, mas da desconfiança racional de quem financia a dívida pública, de sua sustentabilidade.

É possível remanejar despesas dentro do teto? Nos grandes números, parece simples: precisamos de um espaço de R$ 20 bilhões a 30 bilhões dentro de um universo de R$ 1,5 trilhão de gastos totais. Mas não é. Quase 95% desse total é obrigatório por lei, incluindo Previdência, folha do funcionalismo e programas sociais como o BPC. Há forte resistência política.

O debate, contudo, tem que ser enfrentado. Parte dos gastos obrigatórios, particularmente em Previdência e folha, se destinam à parcela mais rica da população. Esses pagamentos não sofreram interrupção mesmo nos momentos mais agudos da pandemia. É possível, com regras bem ajustadas, acomodar o aumento do Bolsa Família nesta parcela, sem afetar a renda dos mais pobres.

Desvincular temporariamente as aposentadorias mais elevadas da inflação, por exemplo, seria uma saída. Não impõe perda nominal aos beneficiários e abre espaço permanente do teto para aumentar de forma sustentável as transferências aos mais pobres.

Caso não haja disposição política para enfrentar este debate, o melhor é manter o programa nas dimensões atuais e buscar aprimorá-lo com melhores mecanismos de contrapartida e uma porta de saída segura aos seus beneficiários para o mercado de trabalho — sem colocar em dúvida a determinação de melhorar nossa frágil perspectiva fiscal.

Artigo publicado em https://braziljournal.com/o-falso-dilema-entre-o-renda-cidada-e-o-teto-dos-gastos

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.