XP Expert

Economia em Destaque: IPCA-15 mostra inflação em queda, mas serviços resistentes

Seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Resumo

Nos Estados Unidos, PIB surpreende ao avançar 3,3% enquanto a inflação ao consumidor medida pelo deflator do PCE vem em linha com as expectativas. Na zona do euro, o Banco Central europeu optou por manter as taxas de referência, mas comunica possível redução adiante. Além disso, publicamos nosso relatório mensal sobre a economia da América Latina, no qual discutimos sobre a recente queda nos preços das commodities, que deve favorecer a desinflação global, mas destacamos o risco de aumento nos preços do frete marítimo.

No Brasil, o IPCA-15 de janeiro subiu 0,31% na base mensal. O dado reforça inflação em queda, mas resistência em serviços. Além disso, o governo lançou o programa “Nova Indústria Brasil” para aumentar a produtividade nacional. O modelo, no entanto, traz políticas como conteúdo nacional e financiamento de setores específicos, que não necessariamente deram certo em experiências anteriores.

Cenário internacional

PIB dos EUA cresce acima do esperado, enquanto inflação ao consumidor vem em linha com o esperado

 O PIB dos EUA avançou 3,3% no quarto trimestre frente ao terceiro, bem acima dos 2,0% esperados pelo mercado. Com o resultado, o crescimento em 2023 ficou em 2,5%, mostrando resiliência apesar da forte alta nos juros nos últimos trimestres. O principal destaque foi o consumo das famílias, com crescimento de 2,8% no trimestre.

Apesar do crescimento firme, a inflação segue desacelerando. O deflator dos gastos com consumo – medida de inflação favorita do Fed, o banco central do país – variou 0,2% em dezembro, e 2,6% em 2023. O resultado é bem próximo à meta de 2,0%, o que deve encorajar o Fed a iniciar um ciclo de cortes de juros ainda neste primeiro semestre.

Ciclos de cortes de juros nos EUA, historicamente, beneficiam ativos financeiros de mercados emergentes como o Brasil.

Banco central europeu mantém as taxas de juros estáveis, mas dá indícios de redução adiante

O Banco Central Europeu (BCE) novamente manteve suas taxas de referência, conforme amplamente esperado: a taxa de referência foi mantida em 4%, a taxa de refinanciamento ficou em 4,5% e a taxa de empréstimos em 4,75%.  A comunicação oficial sobre a decisão reafirmou que o BCE manterá as taxas no atual patamar pelo tempo necessário para que a inflação da região convirja à meta de 2,0%. A presidente Christine Lagarde afirmou não discutir flexibilização monetária por ora, mas reconheceu que a inflação da região tem arrefecido e que a atividade econômica mostra sinais claros de enfraquecimento.

Sondagem PMI da Zona do Euro corrobora desaceleração da atividade

As sondagens empresariais PMI de dezembro corroboram desaceleração da atividade na Europa. O índice composto, que avalia a atividade dos setores de manufatura e de serviços, ficou em 47,9 nesse mês, marcando seu oitavo mês abaixo do nível de 50 que separa expansão de contração. A provável recessão na região deve abrir espaço para o BCE cortar juros, provavelmente no primeiro semestre.

Banco do Japão mantém a taxa de juros de curto prazo em -0,1%

O Banco Central do Japão (BoJ) decidiu unanimemente manter a taxa de juros de curto prazo em -0,1%. Esta decisão baseia-se na expectativa de continuidade nas tendências de salários e preços. Além disso, o BoJ manterá o limite superior do rendimento dos títulos do governo japonês (JGBs) de 10 anos em 1%. Desde abril de 2022, a inflação no Japão tem ultrapassado a meta de 2% estabelecida pelo banco central. A expectativa é de que o BOJ abandonará sua política de taxas de juros negativas na reunião de abril – condicionado à confirmação de uma tendência de aumentos salariais significativos nas próximas negociações.

Publicamos nosso relatório Latam Macro Mensal de janeiro

Publicamos nosso relatório mensal que discute a economia dos Estados Unidos, Europa, China e América Latina. Abordamos sobre a recente queda nos preços das commodities, que deve favorecer a desinflação global, mas destacamos o risco de aumento nos preços do frete marítimo. Projetamos que o Fed (banco central dos EUA) iniciará o ciclo de cortes de juros em maio – o ritmo será determinado pela dinâmica do mercado de trabalho. Na América Latina, prevemos que os países da região crescerão abaixo do potencial em 2024. Para mais detalhes, leia o relatório “Como andam nossos vizinhos: Flexibilização monetária adiante”.

Conflitos no Oriente Médio se acalmam nesta semana

Na última semana, o conflito entre Israel e o Hamas seguiu sem grandes novos eventos. A semana começou com ataques coordenados dos Estados Unidos e do Reino Unido, que se acalmaram no resto do período. Desde novembro, os ataques dos houthis a navios comerciais têm exercido pressão sobre os preços do petróleo e as tarifas de frete, uma tendência que se manteve desde o final de 2023 – que ficaram praticamente estáveis nesta semana. Apesar da aparente tranquilidade, ainda é crucial o acompanhamento do conflito, dado o possível impacto na economia global.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Enquanto isso, no Brasil…

IPCA-15 de janeiro reforça inflação em queda, mas resistência em serviços

O IPCA-15 de janeiro subiu 0,31% na base mensal, bem abaixo das expectativas de mercado (0,47%). No acumulado em 12 meses, a inflação caiu para 4,47% em janeiro de 4,72% em dezembro (ver nosso “Gráfico da Semana”).

A composição da inflação, no entanto, ainda preocupa. Produtos industrializados estão em forte queda, em linha com o que acontece no resto do mundo. E a inflação de serviços segue resistente e relativamente elevada. Desta forma, se preços de bens industrializados reacelerarem, já provocaria uma nova alta da inflação geral.

De toda forma, os resultados do IPCA-15 deste mês reforçam que o Banco Central continua com espaço para seguir reduzindo a taxa Selic nos próximos meses.

Governo lança programa “Nova Indústria Brasil” para aumentar a produtividade nacional

O governo federal anunciou o plano “Nova Indústria Brasil”, visando impulsionar a produtividade e competitividade nacional ao longo dos próximos 10 anos para reposicionar o país no comércio internacional. O programa irá disponibilizar R$ 300 bilhões em financiamentos destinados à nova política industrial até 2026, principalmente via BNDES. O modelo, no entanto, traz políticas como conteúdo nacional e financiamento de setores específicos, que não necessariamente deram certo em experiências anteriores.

Um dos objetivos da política industrial é reverter a queda do investimento em capital fixo observado recentemente no país. Exploramos o tema em relatório especial publicado esta semana: “Bens de Capital: Entendendo Melhor o ‘Nova Indústria Brasil’”.

Discussão sobre energia em Itaipu pode abalar relações diplomáticas entre Paraguai e Brasil

O governo Lula ameaça romper acordo com o Paraguai – que estabelece a compra pelo Brasil do excedente de energia de Itaipu – devido à demanda por alto reajuste da tarifa por parte dos vizinhos. Cada país tem direito a 50% da energia criada pela hidroelétrica (cota nunca atingida pelo Paraguai). O governo paraguaio busca 35% de reajuste na tarifa, o que teria impacto altista de 0,12pp no IPCA de 2024. A rescisão é uma medida extrema que pode chacoalhar as relações diplomáticas entre os dois países, dada que a venda de energia é primordial para a economia Paraguaia.

Arrecadação de 2023 é R$ 36,6 bilhões menor do que o estimado no orçamento de 2024

No Brasil, a arrecadação de impostos federais foi de R$ 231,2 bilhões em dezembro, aumentando 5,2% em termos reais em relação ao ano anterior. Em 2023, a arrecadação de impostos acumulou R$ 2,318 trilhões, uma queda de 0,1% em termos reais quando comparada a 2022. O resultado de dezembro foi impulsionado principalmente pelo aumento de 21,6% no imposto de renda retido na fonte sobre ganhos de capital. A arrecadação de 2023, no entanto, é R$36,6 bilhões menor que o estimado pelo orçamento de 2024. Os erros de estimativa se concentram em grande parte nos tributos. A menor arrecadação de impostos em 2023 representa um risco para a meta de resultado primário de 2024.

Para mais informações, leia nosso relatório especial “Arrecadação de 2023 é R$ 36,6 bilhões menor que o estimado no orçamento de 2024

Gráfico da Semana

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

O que esperar da semana que vem

O grande destaque da semana será a decisão de política monetária no Brasil e nos Estados Unidos na (super) 4ª-feira. Em relação ao banco central americano, esperamos manutenção dos juros no intervalo de referência em 5,25%-5,50%, enquanto para o Brasil, esperamos corte de 0,50 p.p. e acreditamos que os membros do Copom não irão alterar o seu plano de voo de remover gradualmente o grau de restrição da política monetária. Além disso, importantes dados de atividade serão publicados no Brasil na 3ª-feira (saldo de empregos formais – CAGED), 4ª-feira (taxa de desemprego – PNAD) e 6ª-feira (produção industrial).

Também nos EUA, indicadores de emprego serão divulgados ao longo da semana, como a abertura de empregos (JOLTS) a criação líquida de empregos no setor privado (ADP) na 4ª feira e, em destaque, o relatório de emprego (Payroll) na 6ª feira. Na zona do euro, conheceremos o PIB do 4º trimestre na 3ª feira e a inflação preliminar de janeiro na 5ª feira. No Reino Unido, o Banco da Inglaterra (BoE, em inglês) divulgará sua decisão sobre a taxa básica de juros na 5ª feira. Por fim, a China publicará os seus PMIs de janeiro na 3ª feira e 4ª feira – os PMIs são sondagens com empresas que servem como termômetros para a economia.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.