Alta do dólar: principais causas e efeitos


Compartilhar:


Principais causas

O processo de desvalorização cambial que caracterizou os últimos meses de 2019 continua sendo uma das principais fontes de preocupação em 2020. 

Na nossa visão, acreditamos que tanto fatores estruturais (fundamentais) quanto fatores pontuais (choques) colaboraram para a desvalorização do real frente ao dólar.

Dentre os possíveis fatores estruturais, elencamos quatro de maior destaque.

Com relação aos fatores pontuais, acreditamos que a escalada de tensões comerciais, geopolíticas e a recente eclosão da epidemia do coronavírus aumentaram a aversão ao risco no mundo todo e colaboraram para o enfraquecimento de diversas moedas de países emergentes frente ao dólar. O real não foi uma exceção.

Além disso, o cenário de juro doméstico baixo acelerou o processo de desalavancagem de empresas, isto é, empresas passaram a trocar suas dívidas externas por dívida interna e isso adicionou um pouco mais de pressão sobre a taxa de câmbio, uma vez que a procura por dólares aumentou.

Por fim, o cenário político doméstico, a despeito da aprovação da reforma da Previdência e do endereçamento de pautas reformistas, também contribuiu para maior volatilidade do câmbio no período em análise.

Principais efeitos

A dinâmica cambial não é um determinante fundamental de crescimento de longo prazo de um país. Fatores mais fundamentais, tais como educação, investimento em pesquisa e instituições, são muito mais relevantes para explicar a diferença de crescimento e desigualdade observada entre países. No entanto, no curto prazo, é natural que alguns setores, como os setores exportadores e de turismo, se beneficiem mais da depreciação do real.

A indústria brasileira, que deveria se beneficiar em um cenário de juros baixos e cambio desvalorizado, continua lidando com diversos problemas estruturais que limitam a sua capacidade competitiva. Assim, grande parte da demanda interna acaba sendo suprida pela importação de produtos de outros países.

Diante dessa maior exposição às importações, existe um risco (ainda que pequeno) de que a recente depreciação do real seja repassada para os preços internos, pressionando as medidas de inflação.

Nesse cenário, como a inflação é a principal medida analisada pelo BC na condução de política monetária, as taxas de juros poderiam continuar sendo alteradas. 

Pelos nossos cálculos, quando levamos em consideração apenas os elementos estruturais da economia e excluímos as questões mais pontuais, a taxa de câmbio deveria estar mais próxima de 4,10 e não na casa dos 4,30, como esteve nos últimos dias.

Assim, o real deve continuar pressionado frente ao dólar no decorrer dos próximos meses, mas, ao nosso ver, existe espaço para que a taxa de câmbio seja reduzida para algo entre 4,15 e 4,20 até o final de 2020.

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM