XP Expert

Ata do Copom: Sinalização unânime para frente, apesar da divisão na reunião

Ata do Copom reforça mensagem dura do comunicado pós-reunião

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (Copom) publicou a ata de sua reunião da semana passada. O documento trouxe uma análise mais detalhada da evolução recente da economia brasileira, e esclareceu as diferentes visões que levaram a uma decisão dividida (5×4 a favor de um corte de 0,25 p.p.).

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Cenário internacional

O Copom afirmou que o cenário internacional, “mostra-se mais adverso, em função da incerteza elevada e persistente referente ao início da flexibilização da política monetária nos Estados Unidos” (parágrafo 1). A ata lembra que não existe uma relação mecânica entre juros no resto do mundo e no Brasil, mas demanda “maior cautela na condução da política monetária doméstica” (parágrafo 6).

Cenário doméstico

No Brasil, o comitê ressalta que “o conjunto dos indicadores de atividade econômica e do mercado de trabalho tem apresentado maior dinamismo do que o esperado” (parágrafo 3). Além disso, a nota aponta para um mercado de trabalho apertado, que tem deixado a inflação de serviços intensivos em trabalho persistentemente acima da meta de 3,0% de inflação.

O Comitê também observou uma percepção de piora da situação fiscal pelos participantes do mercado, de acordo com os agentes que respondem o Questionário Pré-Copom, e reforçou que a política fiscal “crível e comprometida com a sustentabilidade da dívida contribui para a ancoragem das expectativas de inflação e para a redução dos prêmios de risco dos ativos financeiros, consequentemente impactando a política monetária.”. (parágrafo 9)

Com relação à inflação, a nota destaca a manutenção da trajetória de desinflação, apesar dos núcleos – que excluem preços voláteis – seguirem acima da meta nas divulgações recentes.

A ata discorreu sobre o debate que levou a divisão no comitê sobre o tamanho do corte da taxa Selic.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Discussão sobre a decisão dividida

Aqueles que votaram por um corte de 0,25 p.p. argumentam que o cenário não evoluiu conforme esperado desde a última reunião, devido à elevação das projeções de inflação (tanto do Copom quanto do mercado), ao ambiente internacional mais adverso e à atividade econômica mais forte. Assim, eles consideraram apropriado não seguir a orientação de corte de 0,50 p.p. fornecida na reunião anterior.

Já aqueles que votaram por um corte de 0,50 p.p., apesar de compartilharem a percepção de aumento das incertezas internas e externas, defenderam que o cenário não mudou o suficiente para justificar o custo reputacional de não seguir a orientação fornecida anteriormente. Na visão deles, um corte de 0,50 p.p. “ainda manteria a política monetária suficientemente contracionista” (parágrafo 18).

No entanto, mesmo aqueles que votaram por um corte maior desta vez, concordaram que, para frente, a política monetária deve ser ajustada para trazer a inflação para a meta de 3%.

Nossa visão

Em nossa visão, a ata reforçou a mensagem dura do comunicado pós-reunião. De fato, o parágrafo 19 afirmou que “todos os membros” veem a necessidade de uma política monetária restritiva e cautelosa, e concordam que nenhuma orientação futura para a próxima reunião deve ser fornecida. Além disso, a taxa Selic terminal “será aquela que consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas de inflação em torno das metas” (grifo nosso).

Usando um modelo similar ao do Copom, nossos cálculos sugerem que a taxa Selic em ou acima da nossa projeção de 10,0% seria necessária para trazer a projeção de inflação de 2025 para a meta. Especialmente porque vemos a expectativa de mercado de 2025 subindo ainda mais nas próximas semanas.

Nós projetamos dois cortes adicionais de 0,25pp, levando a taxa Selic para 10,00%, patamar que deve permanecer por um bom tempo. O risco, contudo, é de uma taxa terminal maior. De fato, lendo a ata, não dá nem para desconsiderar uma pausa no ciclo de cortes já na próxima reunião do Copom, em junho.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.