XP Expert

O custo do carbono e como as empresas podem se preparar

Nas últimas semanas vimos muitas notícias sobre carbono, incluindo a taxação de produtos importados na União Europeia e a criação do mercado de carbono regulado na China. E uma pergunta que todos devem estar se fazendo nesse momento é: o que isso impacta no Brasil? A precificação de carbono pode ocorrer de duas maneiras: via […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Nas últimas semanas vimos muitas notícias sobre carbono, incluindo a taxação de produtos importados na União Europeia e a criação do mercado de carbono regulado na China. E uma pergunta que todos devem estar se fazendo nesse momento é: o que isso impacta no Brasil?

A precificação de carbono pode ocorrer de duas maneiras: via taxação de carbono, em que o governo especifica um preço a ser pago por tonelada de carbono emitida; ou via a criação de mercados de carbono, nos quais os agentes do mercado compram e vendem os direitos de emissão.

A União Europeia anunciou a criação da taxa de carbono sobre produtos importados, que vai afetar dramaticamente o fluxo de mercadorias em todo o mundo. A medida pode ser utilizada como como alavanca para gerar pressão para que os outros países se engajem nessa jornada e além disso, tem a finalidade de proteger as indústrias da competitividade de produtos concorrentes estrangeiros que não tenham o custo de uma fabricação descarbonizada e os mesmo padrões ambientais.

Na prática, a taxa carbono vai funcionar com a compra de crédito de carbono pelos importadores. Com essa iniciativa, cerca de 20% das emissões mundiais estão hoje cobertas e o preço desses papéis será calculado pelo preço da tonelada de carbono na Europa.

E como os preços do carbono são definidos?

As autoridades econômicas calculam o valor do carbono necessário na transição de uma economia de baixo carbono para o efetivo cumprimento das metas do Acordo de Paris. O preço de uma tonelada hoje é por volta de € 52 e a previsão é que, em 2030, isso chegue a € 108, segundo a Bloomberg.

E o que está acontecendo na China?

O mercado regulado Chinês tem o potencial de ser o maior do mundo, até ultrapassando o volume negociado na UE:

Porém, apenas o setor de energia foi incluso no lançamento da iniciativa, o que demonstra uma tentativa limitada do maior poluidor do planeta em reduzir suas emissões de gases estufa na atmosfera, embora Pequim prometa adicionar outras indústrias poluentes, como aço e cimento, nos próximos anos. São em média 2.225 empresas inclusas nesta primeira fase do projeto que correspondem por mais de 40% das emissões. A maior crítica em relação a esse movimento é que, se não houver uma transição para além desses setores, o mercado pode ter um impacto marginal na descarbonização do planeta, ou seja, um impacto mínimo se comparado à regulação sobre os setores mais poluentes, por exemplo.

Outros países também estão avançando nessa direção: nos EUA, senadores mandaram uma proposta de taxar importações de produtos fomentando essa agenda para um impacto com maior abrangência e impacto global; já o Canadá e o Japão estão em fase de planejamento para criar mecanismos dessa agenda.

Existem dois mercados de carbono: o regulado e o voluntário.

Nos mercados regulados, os governos determinam uma meta para setores específicos e para cada player. Sendo assim, cada empresa tem uma meta de emissão de CO2 que, se não for cumprida, essa corporação é obrigada a comprar créditos para compensar esse excedente. Do outro lado, as empresas que emitem menos que o valor estabelecido podem comercializar esse saldo em excesso. Hoje em dia, os maiores mercados regulados de carbono são: Europa, EUA e China. Esse movimento começa pelos países mais ricos do mundo para logo depois cascatear para os países em desenvolvimento, até mesmo pela representatividade destes na emissão de carbono histórica confirme o gráfico abaixo:

E como isso funciona no Brasil?

No nosso país, não temos um mercado regulado, ou seja, não temos nenhuma regulação que obrigue as empresas a diminuírem suas emissões de acordo com o Acordo de Paris. As empresas que utilizam desse mecanismo de compensação aqui buscam um compromisso com as mudanças climáticas voluntariamente, porém, essa compensação não é contabilizada como redução de emissões nas metas nacionais.

Atualmente, com a evolução do desenvolvimento da agenda ESG no Brasil, algumas empresas e alguns gestores já estão incorporando riscos ambientais na gestão de suas carteiras (sendo ainda minoria), assim como o risco de uma possível regulação do mercado de carbono local.

“Acreditamos que, se essa regulação vier a acontecer, ela tende a ser algo gradual, com metas que ficariam mais agressivas ao passar dos anos, dando um período de adaptação ao mercado para que as empresas preparem suas estratégias.”

Existem algumas maneiras das indústrias se preparem para essa nova onda: algumas delas precisam estruturar inventários de carbono para calcular a sua pegada e aprovar budgets para a compensação; já outras podem vir a repassar esse custo ao consumidor final como uma opção.

Como funciona para uma empresa compensar a sua pegada de carbono?

Após o alinhamento da pauta na diretoria, o primeiro passo é contratar uma consultoria especializada para realizar o inventário de carbono e identificar junto com esses especialistas quais as fontes emissoras por escopo (1, 2 ou 3):

Escopo 1 (emissões diretas – emissões originadas dentro dos limites organizacionais definidos)

  • Fugitivas
  • Fixa
  • Móvel
  • Resíduos sólidos
  • Efluentes
  • Agrícola Mudanças do uso

Escopo 2 (emissões indiretas provenientes de eletricidade – Abrange as emissões de GEE provenientes da aquisição de energia elétrica e térmica que é consumida pela empresa)

  • Aquisição de energia elétrica (location-based e market-based)
  • Aquisição de energia térmica (Vapor)

Escopo 3 (outras emissões indiretas – É uma consequência das atividades da empresa, mas ocorrem em fontes que não pertencem ou não são controladas pela mesma)

  • Bens e serviços comprados
  • Resíduos gerados nas operações
  • Viagens a negócios
  • Deslocamento de funcionários
  • Financiamentos

Após o levantamento e identificação dessas fontes e a coleta desses dados, a consultoria seleciona a metodologia mais adequada para o cálculo dessas emissões. Ao final desse processo, a companhia já sabe qual é o tamanho da sua pegada de carbono (em toneladas) e é necessário avaliar de acordo com a estratégia quanto desse total em % a empresa vai compensar.

O budget a ser destinado para essa compra de créditos de carbono vai depender da quantidade a ser compensada multiplicada pelo preço do crédito de carbono no período, mas o que muitas empresas hoje em dia não levam em consideração é justamente essa reserva de recursos para compensação, que acaba se tornando uma linha de custo da empresa, afetando diretamente o lucro líquido. Assim como as empresas, muitos agentes do mercado financeiro não integram esse custo na modelagem e análise, o que os leva a sobre estimar o lucro e consequentemente, o preço desses ativos na bolsa.  

Acompanhar essa agenda é importante

Por fim, percebe-se que ainda existe um longo caminho a ser trilhado no que diz respeito à redução de emissões de carbono, principalmente no mercado brasileiro. O mercado de carbono é parte da solução às mudanças climáticas, mas não será somente a compensação de carbono que vai resolver o problema, e sim um conjunto de ações. Esse será um assunto cada vez mais discutido ao redor do globo e nós precisamos estar atentos ao andamento dos debates atuais, principalmente nessa agenda que está em constante evolução. Assim, poderemos promover, ou incentivar a promoção, de maiores inovações tecnológicas e investimento (público e privado) em soluções que possuem um papel fundamental no combate às mudanças climáticas.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

O conteúdo publicado não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/18, tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas nesta página foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP”) não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. O conteúdo também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As informações de terceiros disponibilizadas nesta página não refletem a opinião da XP, nem de nenhuma das empresas do Grupo XP Inc., de modo que ela não se responsabiliza pela veracidade, exatidão e correção das informações. Os instrumentos financeiros discutidos podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Recomenda-se uma profunda análise das características, prazos e riscos dos investimentos antes da decisão de compra/venda/aplicação/resgate. É expressamente recomendada a leitura do Regulamento, prospecto, edital e demais materiais de divulgação antes da decisão de investimento, com especial atenção aos fatores de risco. A XP não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Esse material destinado a rede de relacionamento da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.