Via Varejo (VVAR3): Principais destaques da reunião com investidores; Reiteramos Compra

Veja abaixo os principais destaques da reunião anual com investidores organizada pela Via Varejo. O evento contou com a participação de Roberto Fulcherberguer (CEO), Orivaldo Padilha (CFO), além de outros membros da diretoria da companhia.

access_time 18/12/2019 - 00:46
format_align_left 6 minutos de leitura

Na terça-feira (17 de dezembro) participamos da reunião anual com investidores organizada pela Via Varejo. O evento contou com a participação de Roberto Fulcherberguer (CEO), Orivaldo Padilha (CFO), além de outros membros da diretoria da empresa, como Helisson Lemos (CDO), Abel Ornelas (VP de Operações) e Sergio Leme (VP Administrativo).

Nossa visão: Positiva. O evento reforçou a nossa percepção de que a reestruturação da empresa continua avançando de maneira significativa. No geral, as apresentações detalharam (i) o progresso realizado pela companhia nos canais físico e digital ao longo de 2019, e (ii) as perspectivas de crescimento e rentabilidade em 2020. Além disso, a gestão da companhia esclareceu os impactos relacionados às provisões de fraudes contábeis, anunciadas na semana passada (veja o nosso relatório “Esclarecendo o impacto das recentes investigações“, publicado em 12 de dezembro).

Apesar da alta de 40% desde a nossa última atualização (26 de novembro), continuamos vendo um risco-retorno atrativo para as ações da Via Varejo (VVAR3). Dessa forma, mantemos a nossa recomendação de Compra. Vale ressaltar que a expectativa de crescimento divulgada pela empresa está acima da nossa atual estimativa (principalmente para o canal online). Sendo assim, nós devemos atualizar as nossas projeções no tempo devido e, consequentemente, ajustar o nosso preço-alvo de acordo.

Para mais detalhes, acesse aqui a nossa tese de investimento da Via Varejo.


Abaixo estão os nossos cinco principais destaques do evento:

#1. Projeções para 2020 acima da nossa expectativa

A Via Varejo divulgou as suas projeções de crescimento e rentabilidade para o ano de 2020. A empresa espera crescer as vendas totais em dois dígitos no ano, suportado por um crescimento de vendas online (GMV) de 30%. Além disso, a companhia estima uma margem EBITDA ajustada para o ano entre 5 a 7% (excluindo os impactos do IFRS 16).

Esse crescimento de receita está acima da nossa estimativa de 10% no ano (19% para as vendas online). Entretanto, a expectativa de rentabilidade está em linha com a nossa projeção de margem EBITDA de 6%.

#2. Plano de Expansão

A Via Varejo anunciou a abertura de 70 a 90 lojas em 2020, com foco nas regiões Norte e Nordeste. Segundo a gestão da companhia, essas localizações se destacam por apresentar (i) forte produtividade (vendas por m²), (ii) penetração de crediário acima da média, (iii) maior participação de móveis nas vendas (segmento que apresenta maior rentabilidade), além de (iv) permitir à empresa alavancar a sua estrutura logística e o e-commerce (a abertura de uma nova loja em determinada região tem um impacto positivo de cerca de ~30% nas vendas online no mesmo local).

Com isso, a empresa espera investir (Capex) entre R$ 700 milhões e R$ 800 milhões em 2020, o que está cerca de 30% acima de nossa estimativa de R$ 563 milhões. Além disso, a diretoria indicou que cerca de 100 lojas serão reformadas no ano.

#3. Oportunidades de ganho de margem

A diretoria da companhia mencionou diversas iniciativas com potencial de contribuir positivamente para o aumento da rentabilidade. Dentre elas, destacamos:

(i) Aumento da participação da venda de móveis. Segundo a empresa, hoje a categoria de móveis apresenta 10 p.p de margem a mais do que a média da companhia. Dessa forma, a administração espera aumentar a participação da categoria de 14% para 20% da receita total. Vale ressaltar que essa participação já aumentou 2 p.p desde a entrada da nova gestão. Além disso, destacamos a posição de liderança que a empresa tem nesse mercado (8,1% de participação de mercado – valor próximo à soma dos três maiores competidores combinados).

(ii) Redução de despesas com provisões trabalhistas. A Via Varejo espera reduzir as despesas com provisões trabalhistas de 4% da receita para ~1% em 2020. Para tal, a empresa deve contar com a contribuição das iniciativas de retenção de talentos e redução do turnover de funcionários, além do ajuste das provisões a serem registradas no quarto trimestre.

(iii) Outros projetos. A diretoria destacou outros 200 projetos (já em execução) com o potencial de aumentar a margem da companhia em até 1 p.p., além de outros 50 projetos que incrementariam as margens da Bartira (segmento de móveis) em até 6 p.p. Além disso, a companhia espera uma redução adicional do custo de entrega entre 8 e 10%.

#4. Progresso no canal digital

Ao contrário do que os mais céticos temiam, a empresa apresentou uma significativa evolução no canal online ao longo de 2019 e, principalmente, durante a Black Friday. Destacamos alguns dos indicadores compartilhados pela diretoria:

  • Black Friday: A empresa reportou R$ 1,1 bilhão em vendas na sexta-feira da Black Friday (sendo 48% Online), com a solução de retira-rápido oferecida por 100% das lojas, e 98% das entregas realizadas dentro de uma semana. Além disso, destacamos que a ocupação sistêmica durante o evento foi de 32%, ou seja, a infraestrutura de tecnologia comportou o alto fluxo com folga.
  • Logística: No terceiro trimestre de 2019, a empresa realizou 47% das entregas em até 48 horas (28% dentro de 24 horas). No início de 2020 a companhia espera atingir 60% das entregas realizadas em até 48 horas (40% em até 24 horas).

Em 2020, de acordo com Helisson Leme, Chief Digital Officer (CDO) da Via Varejo, a transformação tecnológica da companhia será dividida em três frentes, sendo elas: (1) Evolução da plataforma, com foco na substituição do legado da companhia, incluindo o relançamento dos aplicativos, da solução de retira-rápido e da plataforma de sellers do marketplace, (2) Cultura de dados, orientando o uso de tecnologia para geração de resultado (estratégia de precificação, roteirização, oferta de crediário, etc.), e (3) Novos negócios digitais, focada em parcerias com startups e empresas maiores.

#5. Impactos das recentes investigações

Após o fato relevante divulgado pela empresa em 12 de Dezembro, a empresa esclareceu em maior detalhe os impactos da investigação relacionada a potenciais fraudes contábeis. Conforme destacamos no nosso relatório publicado na data, o montante com efeito caixa negativo na realidade é de cerca de R$ 900 milhões, a ser desembolsado no intervalo de três e quatro anos.

Além disso, ressaltamos que o valor desconsidera os ganhos de R$ 600 milhões relacionados a créditos fiscais, atualmente em avaliação (a maior parte já transitado em julgado), bem como eventuais benefícios provenientes de recuperação de impostos (estimados em ~R$ 270 milhões). O efeito combinado de ambos tem o potencial de anular quase a totalidade do efeito negativo no caixa.

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

Receba nosso conteúdo por e-mail

Receba resumos diários, semanais e mensais e fique sempre bem informado sobre nossas análises, relatórios e recomendações de investimentos.

Clique para se cadastrar