XP Expert

Reformas pós-Previdência: Paulo Guedes prepara agenda econômica para 2020

Internamente, ministro da Economia divide as ações em três: reforma administrativa, reforma tributária e o pacto federativo, que envolve a partilha da cessão onerosa e o processo de desvinculação, desobrigação e desindexação de despesas.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O ministro Paulo Guedes quer pavimentar desde já um caminho para a continuidade das reformas econômicas no Legislativo em 2020 e, para isso, pretende enviar pacote de propostas após a aprovação da reforma da Previdência.

Internamente, a pasta divide as ações em três: reforma administrativa, reforma tributária e o pacto federativo, que envolve a partilha da cessão onerosa e o processo de desvinculação, desobrigação e desindexação de despesas.

A escolha do momento teve o objetivo de não interferir no andamento da reforma da Previdência, com o envio precoce de temas complexos e de difícil acordo.

Isso requer também cuidado e estudo por parte do governo sobre a melhor maneira de apresentar as reformas. A estratégia de elaboração dos textos será a mesma usada antes: colocar nas propostas tudo o que o governo avalia importante, aguardando alguma desidratação no parlamento.

Ainda há dúvidas se a melhor maneira seria apresentar todos os projetos ao mesmo tempo, para que o Legislativo defina suas prioridades, ou enviá-las pouco a pouco. No caso da reforma tributária, por exemplo, é provável a estratégia das medidas fatiadas.

Temas prioritários

Reforma Administrativa

A equipe econômica trabalha para enviar PEC e projetos de lei para fazer uma reestruturação que alcance apenas as novas carreiras. O presidente Bolsonaro vetou discutir estabilidade para servidores atuais. Tomar essas duas medidas dependeria, no entanto, de interpretação favorável do Judiciário. O julgamento sobre isso foi interrompido no STF depois de um impasse no plenário.

O governo quer trazer o tema na esteira da sensação da população de que há privilégios demais para servidores e, apesar da complexidade, o ministério defende que, sem se falar em mudanças na estabilidade do servidor atual, discuta-se pontos como congelamento de reajustes e de promoção.

Parte dessas medidas deve estar prevista na PEC 438, que tramita na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, e tem, entre os gatilhos que pretende antecipar, alguns que atingem reajustes do funcionalismo.

Pacto Federativo

É considerado o tema mais avançado em termos de negociações políticas. Por trás do nome, estão incluídas a divisão dos recursos da cessão onerosa, já aprovada pelo Congresso, e as medidas que o ministério batizou de DDD – desvinculação, desindexação e desobrigação. Há algumas medidas de desobrigação de despesas que constam da PEC 438 que podem ser abraçadas pelo governo dentro da discussão do pacto. Guedes tem se empenhado no contato com o Senado e a premissa principal das medidas será a máxima “mais Brasil, menos Brasília”.

As medidas no campo fiscal são difíceis, mas o foco da narrativa do governo deve ser o resultado positivo para o país das medidas tomadas até aqui. Na equipe econômica é consensual que não se deve considerar a possibilidade de abrir exceções para romper o teto de gastos, apesar de conselheiros do presidente Jair Bolsonaro em outras áreas advogarem o contrário.

Reforma tributária

Tema que acumula também resistências entre estados e municípios e setores da economia. Depois do naufrágio da proposta de recriação da CPFM, que culminou na demissão de Marcos Cintra, a equipe econômica passou a considerar enviar a reforma em partes. A primeira seria apresentar apenas uma simplificação com a unificação de PIS e Cofins.

No entanto, ainda há dificuldades de se falar em um calendário. Na avaliação do governo, é preciso calibrar o momento político certo. A reforma foi apadrinhada pelo Legislativo, mas, com a disputa entre Câmara e Senado e a inércia do governo, acabou perdendo tração. Voltar a estimular o debate, com a apresentação da proposta do governo, pode voltar a criar timing para seu andamento.

Reforma da Previdência: Entenda o impacto dela nos seus investimentos

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.