XP Expert

Temporada de resultados, resiliência da economia americana, novo speaker, big techs e China | 🌎 Top 5 temas globais da semana

1. Temporada de Resultados: Mercado revisa estimativas de crescimento de lucros para +2,7% 2. Dados econômicos revelam economia americana ainda resiliente 3. Mike Johnson é eleito como novo speaker da câmara de representantes dos EUA 4. Big Techs – 2 x 2 (no agregado, 3x3) 5. Estímulos fiscais na China

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

1. Temporada de Resultados: Mercado revisa estimativas de crescimento de lucros para +2,7% Após uma semana bastante movimentada chegamos à metade da temporada de resultados do 3º trimestre de 2023

2. Dados econômicos revelam economia americana ainda resiliente PIB americano surpreende e cresce consideravelmente acima do esperado

3. Mike Johnson é eleito como novo speaker da câmara de representantes dos EUA A eleição de Johnson marca o fim de um período caótico e sem precedentes na Câmara, mas também o início de um novo conjunto de desafios para ele e seu partido

4. Big Techs – 2 x 2 (no agregado, 3×3) Quatro das maiores empresas de tecnologia do mundo reportaram nessa semana e, apesar de todas haverem reportado surpresas positivas em receita e lucros, as reações aos resultados foram bastante diferentes.

5. Estímulos fiscais na China FXI sobe após anúncio de US$ 137 bilhões em estímulos

Imagem gerada por inteligência artificial

1. Temporada de Resultados: Mercado revisa estimativas de crescimento de lucros para +2,7%

Após uma semana bastante movimentada chegamos à metade da temporada de resultados do 3º trimestre de 2023, com 49% das empresas (e mais de 60% da capitalização de mercado) do S&P 500 já tendo divulgado seus números.

O setor financeiro segue como o mais avançado, com 80% reportado, seguido dos setores industrial (62%) e imobiliário (53%). Do outro lado, os setores de utilidades públicas (20%), saúde (36%) e tecnologia (37%) são os que menos avançaram.

No geral, os números seguiram a mesma tendência da semana passada com uma alta proporção de surpresas positivas de lucro apesar de um número mais modesto em termos de receita:

  • Receita: apenas 47% das empresas superaram as estimativas de receita, com uma média agregada de +0,9%.
  • Lucro: 79% das empresas superaram as expectativas de lucro, com uma média agregada de +7,4%. Esses indicadores subiram em relação à semana passada devido aos número mais fortes das grandes empresas de tecnologia, cujos comentários encontram-se aqui.

2. Dados econômicos revelam economia americana ainda resiliente

Nesta semana, foram divulgados os dados do PIB americano do terceiro trimestre de 2022, que indicaram que a economia americana continua resiliente. A expansão do PIB foi impulsionada por consumo e investimentos crescendo em ritmo forte. O PIB cresceu 4,9% A/A, contra uma expectativa de 4,3%.

Além disso, também foi divulgado o índice de inflação preferido pelo Fed, medido a partir do deflator de despesas de consumo pessoal (PCE). Para setembro, o índice revelou uma inflação de 0,3% em setembro e de 3,7% no acumulado em doze meses (desaceleração em relação a agosto), em linha com as expectativas.

Para mais detalhes, confira o Economia em Destaque: IPCA benigno no Brasil leva a redução das projeções, enquanto o PIB americano vem acima das expectativas

Na próxima semana, o comitê de política monetária do Federal Reserve se reúne. Apesar de dados mais fortes que o esperado, que indicam que a atividade econômica não tem convergido no ritmo esperado para refletir as condições monetárias mais apertadas, os juros e a probabilidade de uma nova alta não variou a ponto de indicar uma mudança de expectativas por parte do mercado para a reunião de 1º de novembro.

Nesta semana, tanto a taxa da treasury de 10 anos quanto a de 30 anos tiveram queda de 6 bps, e fecharam a semana em 4,85% e 5,02%, respectivamente.

3. Mike Johnson é eleito como novo speaker da câmara de representantes dos EUA

A Câmara dos Representantes dos EUA tem vivido momentos de turbulência nas últimas três semanas. No dia 3 de outubro, 8 republicanos votaram para remover o então presidente da Câmara (ou porta-voz, de speaker of the House em inglês), Kevin McCarthy, que ocupava o cargo desde janeiro deste ano e que vinha enfrentando críticas de alguns conservadores por sua gestão das questões do teto da dívida e financiamento do governo. McCarthy foi o porta-voz da Câmara a ser demovido do cargo.

Desde então, os republicanos tiveram dificuldades para encontrar um substituto, visto que três candidatos não conseguiram garantir votos suficientes para obter o cargo de porta-voz. O primeiro foi o deputado Steve Scalise (Republicano da Louisiana), líder da maioria e principal auxiliar de McCarthy, que retirou sua candidatura depois de perder o apoio de alguns conservadores que o acusaram de ser muito moderado. O segundo foi o deputado Jim Jordan (Republicano de Ohio), presidente do Comitê Judiciário e aliado do ex-presidente Donald Trump, que enfrentou oposição de alguns moderados e republicanos do estabishment que o responsabilizaram pela destituição de McCarthy e questionaram sua lealdade ao partido. O terceiro foi o deputado Tom Emmer (Republicano de Minessota), ex-presidente do braço de campanha do Partido Republicano na Câmara, que desistiu da corrida horas depois de ser nomeado candidato e haver recebido críticas de Trump, que o tachou de RINO, acrônimo em inglês para “republicano apenas no nome”.

O quarto e último candidato foi o deputado Mike Johnson (também republicano da Louisiana, como Scalise), que emergiu como o “candidato de união do Partido Republicano” apoiado por Trump, após receber apoio de Scalise, Jordan, Emmer e McCarthy. Johnson, um ex-advogado constitucionalista, foi eleito como Speaker of the House em 25 de outubro, com apoio unânime dos republicanos, tornando-se o 56º porta-voz da Câmara. Johnson é conhecido por suas fortes posições conservadoras e sua aliança com Trump em várias questões, incluindo seus esforços para reverter os resultados das eleições de 2020.

A eleição de Johnson marca o fim de um período caótico e sem precedentes na Câmara, mas também o início de um novo conjunto de desafios para ele e seu partido. Johnson terá que equilibrar as demandas de diversos grupos de seu Partido, incluindo o Freedom Caucus, ao mesmo tempo em que lidará com um Senado controlado pelos democratas e uma administração Biden que tem buscado implementar uma agenda em infraestrutura, gastos sociais, mudanças climáticas e de imigração. Johnson também terá que navegar pelas iminentes datas-limite para evitar um shutdown do governo. Johnson prometeu liderar com “humildade” e “civilidade”, e trabalhar além das linhas partidárias quando possível, mas também se manter firme em seus princípios e defender os interesses de seu partido. Ele também expressou sua gratidão a Trump por seu apoio, mas afirmou que não será subserviente a ninguém além de seus eleitores e Deus.

4. Big Techs – 2 x 2 (no agregado, 3×3)

Quatro das maiores empresas de tecnologia do mundo reportaram nessa semana e, apesar de todas haverem reportado surpresas positivas em receita e lucros, as reações aos resultados foram bastante diferentes.

Do lado positivo tivemos Microsoft e Amazon, que se juntam a Netflix no rol das Big Tech que agradaram o mercado. Ambas as empresas foram bem em seus segmentos de computação na nuvem, embora por razões distintas. Enquanto a Microsoft mostrou um crescimento de receita no Intelligent Cloud bem acima do esperado (+19% ante uma expectativa de +15%), a Amazon, apesar de ter decepcionado  levemente no crescimento de receitas do AWS, mostrou margens operacionais no segmento bastante altas (30% ante uma expectativa de 23%) e isso se traduziu em cerca de US$ 1bi de lucros a mais para a companhia.

Por outro lado, Alphabet e Meta Platforms se juntaram à Tesla e viram o mercado reagir negativamente aos seus resultados. A Alphabet (ex Google) decepcionou justamente no segmento de computação na nuvem, que fez Amazon e Microsoft brilharem, ao reportar receitas abaixo do esperado no Google Cloud. Já a Meta Platforms (ex Facebook) decepcionou os investidores ao divulgar um guidance em linha com as expectativas do mercado, apesar do resultado atual mais forte, e sua CFO, Susan Li, mostrou-se mais preocupada com o cenário macroeconômico a frente.

Para completar nosso “álbum”  das Big Tech, teremos Apple no dia 02/11 e Nvidia no dia 21/11, ambas após o fechamento do mercado.

5. Estímulos fiscais na China

Nesta semana, o governo chinês anunciou novos estímulos fiscais para a economia do país, na ordem de RMB 1 trilhão (ou cerca de 137 bilhões de dólares). Os novos estímulos são focados na temática de mudanças climáticas, e abrangem setores considerados competitivos pelo governo, à exceção do problemático setor de construção civil, que voltou a ter notícias negativas.

A incorporadora Country Garden não pagou um bond em dólar, provocando o temido e antecipado default. Apesar disso, os novos estímulos pesaram maios sobre os ânimos do mercado, e o FXI, ETF representativo das maiores companhias chinesas teve alta de 2,6% na semana.  

A economia chinesa deve atingir a meta de crescimento de 5% em 2023, mas seguimos acreditando que o governo local deve continuar dando apenas o estímulo necessário para que se atinja a meta até que a economia global entre em rota de desaceleração de forma generalizada e sejam necessários estímulos fiscais mais contundentes. Neste ano, já vimos o governo chinês promover uma mudança em sua estratégia de estímulos e passando a favorecer a via de gastos ao invés do crédito. Com isto, há especulação de que a China possa ter um aumento da meta de déficit orçamentário para 2024 para além dos 3% do PIB definido para este ano.

Confira a agenda de resultados da próxima semana

XPInc CTA

Veja todos os resultados: 3T23 Internacional

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.