Panorama Mensal de Fundos – Outubro de 2020

Confira o relatório mensal da equipe de fundos da XP


Compartilhar:


O mês de setembro foi marcado por fortes correções nos mercados financeiros globais.

No exterior, as baixas ocorreram pelas preocupações com uma possível segunda onda de COVID-19 e dúvidas se haverá mais estímulos à economia americana pelo Fed. As principais bolsas de valores caíram. Nos EUA, a correção foi forte nas ações de tecnologia, derrubando a NASDAQ e o S&P 500, que caíram 5,2% e 3,9, respectivamente.

No Brasil, além do cenário externo negativo, a preocupação com o cenário fiscal derrubou os ativos locais. O Ibovespa caiu 4,8%, o IMA-B teve queda de 1,5% e dólar subiu 3,1%. Até os títulos do Tesouro Selic caíram no mês.

A indústria de fundos locais teve mais um mês de alta para os fundos de crédito e de queda para os multimercados e os fundos de ações. O IHFA, Índice de Hedge Funds da Anbima, caiu 1,9% no mês.

Quanto à captação líquida, a indústria teve mais um mês positivo com destaque para os fundos de Renda Fixa novamente.

Neste mês, adicionamos duas novas seções ao relatório: uma análise do mercado de fundos alternativos e um resumo sobre os fundos imobiliários.

Principais Indicadores

Fundos Multimercados

A indústria dos multimercados passou por um período turbulento no mês de setembro, com reflexo em retornos negativos para as diferentes estratégias.

Diferentemente do mês anterior, em que os produtos internacionais se destacaram, mas os fundos locais sofreram com o aumento de aversão a risco no Brasil, em setembro o ambiente global passou também por aumento de volatilidade e correção dos ativos de risco, impactando negativamente os multimercados internacionais.

Por outro lado, em janelas de longo prazo – entre 24 e 36 meses – as estratégias continuam gerando retorno excedente sobre o CDI, conforme indicado pela tabela de retornos médios abaixo. O destaque positivo segue entre os fundos quantitativos, com retorno médio anualizado de 8,84% em 36 meses, além dos multimercados internacionais não hedgeados (exposição ao dólar).

Segundo consulta realizada pela equipe de Fundos da XP, junto a gestores de estratégia macro da plataforma, as expectativas predominantes são de que o ciclo de altas da Selic se inicie pelo menos a partir de 2022, o que reflete em posições – ainda comuns – a favor da queda das taxas de juros no Brasil. Questionados sobre a classe de ativo que apresentava melhores perspectivas, nas condições de mercado então vigentes, os gestores apontaram para a bolsa brasileira em sua maioria.

Por fim, em relação à utilização de risco entre os portfólios, o nível de utilização média não teve grandes variações, seguindo próximo a 50%. Em geral, os gestores têm apontado para a proximidade das eleições nos EUA, a possível implementação de novas medidas de lockdown no mundo e o aumento da percepção do risco fiscal no Brasil como os principais fatores a serem monitorados no cenário.

Fundos de Ações

O Ibovespa sofreu o segundo mês de correção, seguindo a maioria das bolsas globais. O cenário mais negativo no exterior somado à piora do cenário fiscal local levaram o Ibovespa a uma queda de 4,80% no mês. Em setembro, a correção ocorreu em empresas que vinham performando muito bem, como as companhias do setor de comércio eletrônico, bastante presente nos fundos de ações.

Na média, os fundos de ações performaram em linha com o Ibovespa no mês. Porém, quando olhamos janelas mais longas de 12, 24 e 36 meses, o alpha gerado pela gestão ativa e profissional em ações faz toda a diferença (tabela de retornos abaixo).

Do lado de captação, os fundos de ações completaram 24 meses de captação líquida positiva. A última vez que a classe teve resgate líquido de recursos foi em setembro de 2018.

Os gestores continuam vendo boas oportunidades na bolsa, mas estão atentos à situação fiscal local, eleição nos EUA e início da temporada de resultados do 3T20, fatores que devem manter a volatilidade das ações elevada.

Fundos de Crédito

Na renda fixa, o mês de setembro foi marcado por uma correção técnica nos títulos pós-fixados do governo (LFTs ou Tesouro Selic), que tiveram retorno negativo pela primeira vez nos últimos 18 anos. O Tesouro Selic 2025, por exemplo, caiu 0,43% no mês. Como esses títulos são utilizados de maneira bastante ampla como caixa dos fundos, essa performance negativa acabou atrapalhando um pouco os retornos no período. Mesmo assim, os retornos dos papéis de crédito privado mais do que compensaram essa correção das LFTs e os fundos de crédito high grade tiveram mais um bom mês, continuando a recuperação depois das perdas entre março e abril.

O índice Idex-CDI, da JGP, teve uma alta de 0,70% no mês, enquanto o CDI subiu apenas 0,16%. No ano, o retorno do índice de debêntures da JGP sobe 3,88%, depois de ter atingido uma queda superior a 8% em março.

Assim como os fundos de estratégia high grade, os de estratégia high yield também tiveram bons retornos, influenciados positivamente pelo carrego elevado dos papéis presentes nas carteiras e pela continuidade do fechamento dos prêmios de crédito. O carrego médio das debêntures componentes do Idex-CDI fechou em CDI+2,3% em setembro.

Fundos Internacionais

Os mercados financeiros globais tiveram um mês de correção. O aumento de novos casos de COVID-19 levou países da Europa a retomarem medidas de restrições, prejudicando a recuperação econômica. Além disso, há preocupação com uma recaída da economia americana caso não haja novos estímulos do Fed.

Nas bolsas, o setor mais afetado foi o de tecnologia, atingindo em cheio as bolsas americanas. O S&P 500, por exemplo, teve a primeira queda mensal desde março.

Assim como o mercado acionário, o mercado de renda fixa internacional teve quedas, tanto em papéis investment grade quanto em papéis high yied. O S&P 500 Investment Grade Corporate Bond caiu 0,03% no mês, enquanto o S&P U.S. High Yield Corporate Bond, teve queda de 0,98%.

Os gestores continuam esperando uma maior volatilidade dos ativos devido a: (1) preocupação com uma segunda onda de COVID-19; (2) estímulos do Fed e (3) eleições nos EUA.

No mês, os fundos hedgeados refletiram o mês negativo e todas as  classes tiveram retorno médio negativo. Já os fundos não hedgeados, aqueles que possuem o risco da variação cambial, subiram com a forte alta do dólar no mês.

Fundos Alternativos

Neste mês, damos início à cobertura de fundos alternativos, uma categoria de ativo não tão comum aos investidores e muito restrita aos investidores institucionais, principalmente os Fundos de Pensão. No entanto, diante do atual cenário de baixa taxa de juros, é natural que os investidores brasileiros busquem investimentos com retornos mais atrativos e consequentemente mais risco. Neste sentido, para amplificar o alcance dos investimentos alternativos, a XP criou a Alternative Week. O evento aconteceu entre os dias 29 de setembro a 01 de outubro, onde grandes nomes do mercado se reuniram para debater sobre investimentos alternativos e como eles podem compor a carteira dos investidores. Segue abaixo o link de todos os painéis apresentados:

Conforme já mencionado, no Brasil, os fundos alternativos estão concentrados nos investidores institucionais, principalmente, devido ao perfil de investimento de longo prazo e baixa liquidez. Além disso, os tradicionais veículos de investimento desta categoria têm valores alto de aplicação mínima (normalmente acima de R$5 milhões) o que torna este tipo de investimento pouco acessível à maioria dos brasileiros. Mais uma vez sendo inovadora e buscando democratizar mais uma categoria de ativos, em março 2018, a XP trouxe para plataforma o primeiro fundo de Private Equity, Crescera Growth IV. Este produto foi destinado a investidores profissionais, mas com um ticket mínimo de R$100 mil. Atualmente a plataforma da XP conta com quatro fundos alternativos e um pipeline bastante aquecido de novas ofertas. A seguir estão listados os fundos de investimento alternativo na plataforma XP.

Fundos Imobiliários

Na indústria de fundos imobiliários, o IFIX apresentou um fechamento em linha de 0,46% em setembro, após a alta de 1,8% no mês anterior, enquanto o XPFI, índice geral de fundos imobiliários da XP, apresentou alta de 0,78% no mês.

A performance em setembro do índice XPFT (fundos que investem majoritariamente em imóveis físicos, como shoppings centers, lajes corporativas e galpões logísticos), que possui os 20 fundos com maior índice de negociabilidade do mercado de FIIs de tijolo, apresentou um retorno de 1,04% no mês (-14,48% no ano).

Já a performance do índice XPFP (Índice XP de Fundos de Papel) teve retorno de 0,38% no mês (-8,06% no ano), principalmente pelo cenário favorável dos Fundos de CRI, que estão tendo boa performance, distribuindo rendimentos e trazendo novas operações para o portfólio.

Para saber mais leia o Panorama Mensal de FIIs e FIPs-IE de setembro.

Radar de Mercado

Confira o relatório completo em pdf

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.