Mundos e Fundos – melhores momentos da live com Richard Chilton da Chilton Investment Company

No 22º episódio da série Mundos e Fundos, Nathalia de Sá, analista da XP Allocation recebeu uma lenda viva do mercado financeiro: Richard Chilton, um dos mais influentes investidores mundiais da atualidade, fundador da Chilton Investment Company. Obs: Por se tratar de um gestor internacional e que não fala português, tivemos duas transmissões: uma com […]


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

No 22º episódio da série Mundos e Fundos, Nathalia de Sá, analista da XP Allocation recebeu uma lenda viva do mercado financeiro: Richard Chilton, um dos mais influentes investidores mundiais da atualidade, fundador da Chilton Investment Company.

Obs: Por se tratar de um gestor internacional e que não fala português, tivemos duas transmissões: uma com o áudio original e outra com tradução simultânea.

Áudio Original:

Traduzido:

Richard Chilton é um lendário investidor norte-americano e fundador da gestora que leva seu nome, a Chilton Investment Company. Você pode acessar o Chilton US Long Short Dolar Advisory FIC FIA IE (versão na moeda original), e o Chilton US Long Short Advisory FIC FIA IE (versão na moeda brasileira) através da plataforma da XP.

Além disso, o Chilton US Long Short Dolar Advisory é um dentre os diversos e mais renomados fundos da indústria internacional que compõe o portfólio do Selection Multimercado Global FIC FIM IE.

O Selection Multimercado Global FIC FIM IE é um fundo com gestão ativa que investe unicamente em fundos multimercados globais, respeitando uma composição de estratégias que resulte numa carteira com risco moderado. Entre as estratégias elegíveis para o portfólio, estão os fundos do tipo “Macro”, “Long Short”, “Quantitativos” (sistemáticos) , dentre outros. No total, a gestão buscará investir em 8 a 12 estratégias diferentes, com foco em uma carteira diversificada e balanceada.

Check in:

Richard Chilton iniciou sua carreira no Merrill Lynch and Company em 1980, onde trabalhou como analista durante dois anos na área de fusões e aquisições.

Três anos mais tarde foi convidado a fazer parte da Alliance Capital Managemenet, que na época era ainda uma pequena gestora, para ser analista de Research.

Em 1985 tornou-se sócio da Alliance e gestor de um fundo. Ali aprendeu muito como investir e analisar negócios, trazendo sua experiência de análises de fusões e aquisições para o mundo dos investimentos. Foi nessa época também que conheceu o conceito de “short” (operar vendido em um negócio). Apesar de não poder fazer isso profissionalmente em seu fundo, Richard tinha um apreço em analisar quais empresas poderiam vir a quebrar.

Em 1989, foi para Allen & Company onde foi o responsável por fundar e ser responsável por sua gestão de carteiras.

Então em 1992 fundou a Chilton Investment Company, sendo uma das primeiras gestoras com fundos de estratégia Long and Short do mercado norte americano.

Atualmente a gestora conta com diversas estratégias e atua em várias Geografias (como a Europa). Richard Chilton ainda é o homem à frente da Chilton e o gestor do fundo Long Short da casa.

Veja também: Mundos e Fundos com Arturo Profili da Capitânia Investimentos

Plano de voo:

Para Richard, o processo de investir é um aprendizado constante. A cada ano que passa ele torna-se um investidor melhor e seu processo mais refinado.

As teses de investimento do gestor e seu time começam escolhendo os melhores modelos de negócios do mundo, com empresas em que todas pessoas gostariam de serem donas.

Depois, são observadas nessas companhias características como crescimento de receitas orgânico, altos retornos em seus investimentos, poder de precificação, bom uso do seu dinheiro.

Então, através de um modelo quantitativo que usa os dados das companhias em uma análise de 15 fatores, é montado um ranking das melhores empresas.

Esse modelo é bom para confirmar teses de companhias não tão óbvias e comparar empresas sem um viés.

Finalmente, quando as melhores companhias são selecionadas, o time de Richard define quando faz sentido entrar nesse negócio (preço-alvo), e pacientemente aguardam até esse momento ser atingido. Essa é uma etapa fundamental para o sucesso do fundo.

O mercado sempre costuma oferecer essas oportunidades em certos momentos (como no auge da euforia negativa causada pela pandemia, ano passado) e as próprias indústrias oferecem boas oportunidades (como em ativos cíclicos).

Com o passar dos anos Richard percebeu que o bom resultado de um fundo não vem de tentar adivinhar as empresas que terão crescimento astronômico e sim de boas companhias, com grandes vantagens competitivas, crescimento sustentável e com desempenhos consistentes no longo prazo.

Quando vender?

Uma dúvida da maioria dos investidores é quando vender os ativos.

Richard vende uma ação por três motivos:

I –  As ações estão muito caras, a empresa não é mais uma boa oportunidade e dificilmente terá uma valorização em um horizonte de cerca de três anos.

II – Ele e seu time estavam errados em relação a alguma tese ou contavam com algum fator que não se concretizou.

III – Quando se acredita que há uma oportunidade melhor em alguma outra ação, ele faz a difícil escolha de fazer uma venda para gerar caixa e realizar uma compra

Pouso forçado – Desde o início de sua carreira Richard passou por vários aprendizados. Ele criou o hábito de escrever em um diário os acertos, erros e aprendizados. Isso o ajuda a ser mais organizado e aprimorar suas estratégias.

Antigamente, uma parte da carteira do gestor era em posições táticas. Essas posições são normalmente mais arriscadas, mas costumam trazer retornos altos.

Entretanto, na crise de 2008, uma dessas posições fez o fundo de Richard ter seu resultado impactado negativamente, quando ela caiu 50%.

Então, o gestor analisando o retrospecto das posições táticas, decidiu que o risco não valia o retorno e desde então seu portfólio é composto apenas por posições de alta convicção.

Melhores voos – O gestor e seu time analisam empresas de uma maneira bottom-up, que é quando se leva em conta muito mais os fatores das empresas em detrimento do cenário macroeconômico.

Entretanto, algumas vezes os cenários apresentam boas oportunidades ao fundo.

Isso aconteceu em 2008, quando houve a crise imobiliária e consequente queda nos preços de ativos relacionados a esse mercado. Richard enxergou que caso houvesse boas empresas nesse setor, elas seriam ótimas oportunidades.

Assim, ele e seu time adicionaram ao portfólio duas ótimas empresas do mercado imobiliário e que estavam com o preço descontado, trazendo grandes retornos ao fundo.

Entretanto, Richard afirma que caso eles não encontrassem empresas no mercado imobiliário que correspondessem ao crivo de qualidade da Chilton, eles não teriam investido nesse setor.

Voos futuros:

A retomada em “V” da economia americana tornou-se verdade. Depois da vacinação em massa e consequentes reaberturas o momento para as empresas é positivo.

Para o gestor, a retirada de estímulos da economia pelo FED (também conhecido como “tapering”) iniciará em breve, mas será feita gradualmente e irá durar um bom tempo.

Uma das outras preocupações dos investidores do mundo todo é com a inflação norte americana. Para Richard essa inflação é temporária. No início da retomada econômica os salários estavam em alta, as matérias-primas caras e havia estímulos assistencialistas do governo para diminuir os problemas causados pela pandemia. Esses três pilares em desequilíbrio são os causadores da inflação.

Com a normalização da demanda de mão de obra mais barata (que é, em boa parte, produtora de matéria prima) provocada pela retomada total das atividades econômicas e pelo fim dos auxílios, a tendência é que esses três pilares voltem a um equilíbrio e a inflação seja controlada.

Richard acredita também que esse é um ótimo momento para estar vendido em certas companhias. Antes da retomada econômica havia a expectativa que as empresas retomariam os seus resultados pré-pandêmicos, fazendo com que o preço de algumas ações subisse. Entretanto o que se observa atualmente é que algumas dessas empresas sofreram perdas permanentes em seus negócios e esse otimismo em seus preços não é justificável.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.