Como economizamos R$ 270 bilhões com a queda de juros: a janela para o Brasil formiga

Já não restam dúvidas de que o ano de 2020 será o ano da pior recessão econômica da história contemporânea. Ao falar já da segunda metade do ano, a expressão “sem precedentes” quase perde significado: são pacotes de estímulo, injeções de liquidez por Bancos Centrais, e quedas e recuperações nos mercados ao redor do mundo […]


Compartilhar:


Já não restam dúvidas de que o ano de 2020 será o ano da pior recessão econômica da história contemporânea. Ao falar já da segunda metade do ano, a expressão “sem precedentes” quase perde significado: são pacotes de estímulo, injeções de liquidez por Bancos Centrais, e quedas e recuperações nos mercados ao redor do mundo – todas, sem precedentes.

Entretanto, se há algo que ainda não está definido é o caminho a seguir no pós-pandemia. A trajetória de retirada de estímulos fiscais e monetários será complexa, principalmente diante do papel essencial que estes têm desempenhado na rápida retomada da atividade econômica a níveis pré-crise ao redor do mundo, inclusive aqui no Brasil.

É nesse contexto que acompanhamos o debate acerca das crescentes incertezas fiscais diante do “trade off” enfrentado hoje pela classe política – entre maiores gastos e sustentabilidade fiscal. Discutimos esse tema em mais detalhes em artigo recente.

A isso somam-se preocupações sobre o crescimento da dívida pública. Como resultado do aumento de despesas e queda de receitas oriundas da crise pandêmica (refletidos em um déficit primário esperado de 15% do PIB para 2020), a razão entre a dívida bruta e o PIB brasileiros deverá ultrapassar a marca dos 94% ao final deste ano. Diante do aumento da percepção de risco fiscal, observamos também a piora gradual do perfil da nossa dívida – que se torna mais curta, e cada vez mais atrelada à taxa de juros de curto prazo.

Janela dos juros baixos

Nesse contexto, entretanto, muitos se esquecem da importante janela de oportunidade que o Brasil passa no momento. Janela esta que pode (e deve) ser aproveitada para que finalmente sigamos os passos “da formiga”, que ao contrário de sua vizinha cigarra, optou pelo caminho do trabalho acumulado no período do verão, para proteger-se do inverno vindouro. Em outras palavras, uma janela que ainda é capaz de prover espaço para reformas estruturais e de longo prazo, tanto de cunho fiscal quanto de natureza institucional, como a melhora do ambiente de negócios e a superação de já escancarados gargalhos em infraestrutura. 

Tal janela vem na forma dos juros mais baixos da história econômica brasileira, medidos pela taxa básica de juros, a Selic. O impacto da substancial queda na taxa de juros não deve ser negligenciado no contexto do peso de nosso endividamento. Mesmo diante o perfil diversificado de nossa dívida mobiliária (constituída por títulos atrelados à diferentes prazos e formatos, diferenciando-se também na estrutura do pagamento), que reflete também movimentos de mercado e as expectativas sobre a trajetória dos juros no longo prazo, o patamar da taxa Selic ainda tem substancial relevância para a dinâmica do nosso endividamento.

Para se ter uma ideia da magnitude, economizamos mais de R$270 bilhões entre janeiro de 2016 e junho deste ano apenas com o pagamento de juros nominais [1], diante da queda da taxa básica de juros – que caiu de 14,25% em janeiro de 2016 para 2% hoje. Em termos proporcionais ao PIB, os gastos totais com juros nominais caíram de 8,99% para 5% no mesmo período.

Nesse contexto, destaca-se também o uso da janela de oportunidade de juros baixos para discutir a formulação de programas para o Brasil pós pandemia, incluindo a proposta de um reformulado e mais abrangente programa de renda básica, o Renda Brasil.

Diante de uma realidade orçamentária, onde aproximadamente 95% dos gastos da União são obrigatórios, a realocação de recursos aparece como potencial solução. Ao remanejar programas existentes, haveria então maior flexibilidade para os gastos considerados prioritários em um momento de recuperação pós pandemia, sem romper com aquilo que é visto como a principal âncora que nos afasta do fantasma da volta da inflação e da insolvência – à regra do teto de gastos.

Partindo da necessidade de priorização de políticas e programas existentes, e tomando como base as despesas de 2019 [2] a análise dos gastos do governo com alguns dos programas ventilados até então (sendo eles: o Abono Salarial, o seguro defeso, o programa farmácia popular, além do fim das deduções do IR para saúde e educação) indica que o montante realocado seria o suficiente para cobrir um amplo programa, capaz de atender até 22 milhões de brasileiros com o valor mensal médio de R$247,00 ou então 20 milhões com o valor de R$300.

Por outro lado, um cenário alternativo em que o Abono Salarial não fosse incluído nas redistribuições alocativas de gastos sociais (conforme defendido pelo Presidente da República), o valor seria inferior ao necessário mesmo para a versão menos ambiciosa ventilada até então para o programa – a cobertura de 20 milhões de pessoas, com um benefício médio de R$247,00.

Porém, morando o diabo no detalhe, sabemos que a dinâmica da taxa de juros sobre a nossa situação fiscal, e consequente, a percepção de risco sobre o país, também ocorre da mesma maneira descrita acima – mas em direção oposta. Ou seja, aumentos na taxa Selic encarecem a dívida também de maneira substancial e rápida (especialmente devido à grande parcela da dívida atrelada à taxa básica de juros).

Partindo da taxa observada em junho deste ano, um aumento de 1p.p. da Selic elevaria o dispêndio da União em mais de R$61 bilhões, apenas fruto do aumento dos juros sobre a nossa dívida [3]. A dinâmica do que poderia vir a ser esse movimento na taxa de juros de curto prazo já pode ser observada no comportamento da curva DI nos últimos meses, que reflete as expectativas dos agentes de mercado quanto a trajetória dos juros no longo prazo.

Finalmente, vale lembrar que um aumento no custo da dívida enquanto incorremos déficits primários (ou seja, gastamos mais do que arrecadamos) implicaria ainda mais endividamento, e o não pagamento implicaria em um efetivo default da dívida pública, ocasionando um cenário extremamente negativo para a economia. Desta forma, a União não teria virtualmente alternativas ao pagamento adicional oriundo do aumento dos juros, impactando o déficit nominal e o montante da dívida bruta.

Diante dessa realidade, o Brasil se encontra em uma verdadeira encruzilhada, tendo a direção escolhida consequências essenciais para o cenário pós pandemia e o futuro do país. As folhagens para a casa de inverno do Brasil formiga estão à mesa. Qual caminho seguiremos daqui em diante?

Referências

[1] Considerando os juros nominais no conceito de Necessidade de Financiamento do Setor Público, deflacionados pelo IPCA.

[2] Dados retirados do portal Siga Brasil.

[3] Para fins do exercício de simulação, foi utilizado o conceito de dívida mobiliária federal interna (DPMFi) e os juros médios incidentes sobre esta.

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.