Riscos políticos aumentam – o que esperar do Ibovespa?


Compartilhar:


Desde o começo do ano, vários acontecimentos passaram a indicar um aumento dos riscos de interferência política nas empresas brasileiras, principalmente nas estatais. Dentre os principais estão: 1) a quase demissão pelo governo do CEO do Banco do Brasil, André Brandão, após o anúncio do programa de corte de custos; 2) a renúncia do CEO da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, e suas declarações em seguida indicando que a privatização da estatal não estava nos planos; e 3) o aumento de ruído na Petrobras em relação a sua política de preços, após altas recentes por conta da depreciação do Real e alta do preço do petróleo.

Na sexta feira, a indicação abrupta de uma troca do Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim Silva e Luna, foi mais um fato que aumenta essa preocupação. As ações da estatal, que já haviam caído quase -7% no pregão de sexta-feira, chegaram a cair -10% no after-market em Nova Iorque, pois o mercado brasileiro já havia fechado quando o anúncio foi feito. O ETF das ações brasileiras negociadas em NY – o EWZ – também caiu mais de -4% no after-market.

Os nossos analistas Gabriel Franciso e Maíra Maldonado estão rebaixando as ações da Petrobras para Venda, de Neutro, pois enxergam a elevação de risco pressionando os múltiplos que a petroleira passará a negociar daqui para frente.

Esses fatos não parecem ser isolados uns dos outros, e acreditamos que o mercado também não deva ter essa percepção. Os questionamentos que surgirão de investidores provavelmente são: 1) como ficará a agenda econômica do governo daqui adiante; 2) se o Ministro Paulo Guedes se manterá no cargo até o final do mandato em 2022; 3) se as reformas estruturais são mesmo prioridades, ou devem ficar para o próximo Presidente; 4) quais serão as novas mudanças a serem anunciadas nos próximos dias, como revelou o Presidente em seu discurso no sábado; e 5) se o novo auxílio emergencial será aprovado com gatilhos e medidas de compensação fiscais ou não.

Impacto nos mercados – aumento do prêmio de risco do Brasil

Para os mercados, acreditamos que esses acontecimentos voltam a elevar o prêmio de risco do Brasil, e podem impactar a percepção do país por parte dos investidores estrangeiros, justamente no momento em que o país havia voltado ao radar dos investidores globais.

Desde o início do ano, já entraram R$ 28 bilhões de investimentos líquidos na B3 pelos investidores estrangeiros. Desde o início de novembro, após as eleições americanas e as notícias positivas das vacinas que levaram a uma forte alta das commodities e dos Mercados Emergentes, os investimentos estrangeiros somam R$ 81 bilhões.

Além da Bolsa, outros ativos como o câmbio, a curva de juros futuros e o risco país também tendem a sofrer quando o prêmio de risco do Brasil aumenta. Dessa forma, o Brasil corre o risco de ficar de fora do grande rali atual nos Mercados Emergentes e das commodities, caso o fluxo de investidores globais passe a sair do país.

E qual o impacto no Ibovespa?

A Petrobras sozinha tem uma participação no Ibovespa de 9,8% do índice, ficando atrás apenas da Vale, com 12,7%. A queda nas ações da Petrobras, por consequência, terá um impacto direto no índice. Porém, acreditamos que o impacto possa ir muito além do que apenas as ações da Petrobras.

A última vez que o Brasil “descolou” dos mercados externos e passou a precificar um maior risco de interferência política foi durante o governo da Presidente Dilma Rousseff (2011-2016). Naquele período:

  • O Ibovespa negociava a um múltiplo de Preço/Lucro (P/L) projetado para os próximos 12 meses de 10,7x, com um intervalo de 8-14x. Atualmente, o índice negocia a 12x P/L, 12% acima da média de 10,7x.
  • O múltiplo de Valor da Empresa/Lucro Operacional (EV/EBITDA) médio era de ~10x, 20% abaixo do nível atual de 12x.
  • O risco país médio era de 200bps (ou 2% acima das taxas dos juros de longo prazo americanos), enquanto hoje esse indicador está em 162bps (ou 1,62%). Se aumentássemos as taxas de desconto das empresas em +0,4% (aumento do 1,62% para os 2%) nos nossos modelos, isso teria um impacto negativo no valor justo das empresas em 6%.
  • Por último, o Ibovespa negociava a uma média de desconto em relação ao índice americano S&P500 de 25%, com um mínimo de 42%. Atualmente, o Brasil já se encontra em um nível de desconto maior, de 46%, muito por conta da grande alta dos setores relacionados à tecnologia, que representam ~33% do índice S&P500.
  • Em relação aos Mercados Emergentes, o Brasil negociava em um múltiplo similar de 10,7x Preço/Lucro. Hoje, os Emergentes negociam em 16x e o Brasil em 12x, um desconto de 25%. Em nossa visão, esse desconto também se dá pela mudança no índice dos Emergentes, que hoje é principalmente composto por Ásia e ações do setor de Tecnologia.

Conclusão: risco de correção à frente, mas oportunidades de compra podem aparecer

A conclusão dessa comparação com o período de 2011-2016 é que, caso o mercado brasileiro precifique um aumento do prêmio de risco, há espaço para quedas de preço e compressão dos múltiplos da Bolsa brasileira, entre 6 a 20% de ajuste. Porém, a bolsa brasileira já está barata tanto em relação aos mercados desenvolvidos quanto aos Emergentes, o que pode ajudar a segurar essa correção.

Além disso, as estatais representam apenas 14,6% do índice Ibovespa, e caso as empresas privadas também sofram com esse movimento, isso pode abrir oportunidades de investimento à preços mais atrativos.

Por enquanto, mantemos o nosso target para o Ibovespa em 135.000 pontos para o final do ano, mas seguiremos monitorando atentamente os próximos acontecimentos.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Veja outras publicações da coluna "Sunday XPresso"
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.