Conheça as 10 ações que pagam mais dividendos que a Selic

Entenda o que na atratividade das empresas que pagam dividendos com o corte da taxa básica de juros.

access_time 05/11/2019 - 07:24
format_align_left 10 minutos de leitura

Após a queda das taxas de juros, que tal começar a investir em pagadoras de dividendos?

Na última quarta-feira (30), o Banco Central cortou a taxa SELIC em 0,50 pontos percentuais.

A decisão manteve aquecida a discussão de juros mais baixos por mais tempo e forneceu suporte ao Ibovespa.

Nossos economistas esperam mais um corte de 0,50% na próxima reunião do Copom em dezembro. Além disso, é esperado um corte adicional de 0,25% na reunião de fevereiro.

Para 2020, estimamos que a taxa SELIC permaneça no menor patamar de sua história, de 4,25%.

Com as taxas de juros rumando para as mínimas históricas, o maneira que o brasileiro investe também terá que mudar. Portanto, cada vez mais investidores terão que incorporar um componente de renda variável nas carteiras, sempre alinhado com seu perfil.

Contudo, sabemos que tal mudança não será fácil ou rápida para todos, uma vez que o ambiente de juros baixos é um fenômeno recente. Na nossa visão, um possível caminho são as ações que pagam elevados dividendos a acionistas.

Dessa forma, listamos dez ações na nossa cobertura para as quais estimamos um dividend yield* acima da SELIC nos próximos anos. Além disso, apresentamos o racional por trás das nossas estimativas.

ações que pagam mais dividendos

Entenda mais sobre o tema:

O que são dividendos?

Dividendos são uma parte do lucro de uma determinada empresa que é distribuído aos seus acionistas.

De acordo com a Lei das S.A., as empresas de capital aberto têm que distribuir no mínimo 25% dos seus lucros a acionistas.

Tal lucro também pode ser distribuído na forma de Juros Sobre Capital Próprio (JCP). Esta é uma forma diferente de distribuir os lucros de uma empresa entre os seus acionistas.

Qual é a diferença entre dividendos e Juros sobre Capital Próprio?

O JCP é tributado em 15% pela Receita Federal na data do depósito, enquanto dividendos são isentos de tributação.

Como funciona a distribuição de dividendos?

Primeiro, o Conselho de Administração da companhia verifica se a empresa obteve lucro ao longo do exercício para distribuir uma parte aos acionistas.

Em afirmativo, a empresa deve deliberar sobre os dividendos a distribuir, e informar publicamente os valores e datas de pagamento.

A periodicidade de pagamento de dividendos varia de empresa para empresa, podendo ser mensal, trimestral ou anual.

O que é dividend yield?

O cálculo do dividend yield é feito com base na divisão do valor esperado em dividendos pelo preço das ações.

Entenda porque essas 10 empresas pagam elevados dividendos:

AES Tietê (TIET11) – Compra

Setor de atuação: geração de energia elétrica
O segmento de geração de energia possui margens elevadas e um certo grau de previsibilidade, dado que parte da receita já é contratada.

Assim sendo, a AES Tietê apresenta lucros consistentes, embora possa haver um certo grau de volatilidade dependendo da incidência de chuvas. A companhia tem a prática de distribuir 100% do lucro líquido a acionistas com periodicidade trimestral. Estimamos um dividend yield de 9,8% em 2020-21.

Taesa (TAEE11) – Neutro

Setor de atuação: transmissão de energia elétrica
O segmento de transmissão de energia é baseado em receitas fixas corrigidas pela inflação e margens elevadas, proporcionando um estável fluxo de dividendos.

Além disso, a TAESA consegue aliar dividendos à busca continua por crescimento, seja pela participação em leilões de novas linhas, seja pela aquisição de projetos de outras empresas. Estimamos um dividend yield de 8,3% em 2020-21.

ISA CTEEP (TRPL4) – Neutro

Setor de atuação: transmissão de energia elétrica
O segmento de transmissão de energia é baseado em receitas fixas corrigidas pela inflação e margens elevadas, proporcionando um estável fluxo de dividendos. Além disso, a CTEEP recebe elevados fluxos de caixa como indenizações relacionadas a ativos não amortizados existentes até maio de 2000 (denominados RBSE).

Também notamos que a CTEEP tem, desde 2018, uma política de dividendos que prevê a distribuição de, no mínimo, 75% do lucro a acionistas, desde que o endividamento se mantenha sob controle. Dado que a CTEEP é uma companhia com poucas dívidas, não descartamos o pagamento de dividendos extraordinários no futuro. Estimamos um dividend yield de 8,3% em 2020-21.

CEMIG (CMIG4) – Neutro

Setor de atuação: geração de energia elétrica
A política de dividendos da Cemig prevê a distribuição de 50% do lucro líquido aos acionistas da companhia.

Além disso, os acionistas das ações preferências (CMIG4) tem prioridade no recebimento de proventos, com dividendo mínimo igual ao maior dos seguintes valores (i) 10% de seu valor nominal de R$5,00/ação (valor do balanço patrimonial) ou (ii) 3% do valor do patrimônio líquido das ações. Estimamos um dividend yield de 5,5% em 2020.

Engie (EGIE3) – Neutro

Setor de atuação: geração de energia elétrica
O segmento de geração de energia possuí margens elevadas e um certo grau de previsibilidade, dado que parte da receita já é contratada. Por este motivo, a Engie apresenta lucros consistentes, embora possa haver um certo grau de volatilidade dependendo da incidência de chuvas.

A Engie ainda se destaca pela capacidade diferenciada de se proteger dos efeitos de baixa incidência de chuvas, além de ter expandido sua atuação para os setores de transmissão de energia e transporte de gás. Estimamos um dividend yield de 8,3% em 2020-21.

Sanepar (SAPR11) – Compra

Setor de atuação: saneamento básico
A elevada distribuição de dividendos da Sanepar se deve à política de dividendos da companhia.

A política prevê a distribuição do dividendo mínimo de 25% do lucro, além de 25% adicionais caso a situação financeira da empresa o permita (o que acontece desde 2012). Estimamos um dividend yield de 6,8% entre 2020 e 2022.

Copasa (CSMG3) – Neutro

Setor de atuação: saneamento básico
A Copasa possui uma política de dividendos que prevê uma distribuição de no mínimo 25% e no máximo 50% do lucro como proventos. Além disso, há a possibilidade de distribuições extraordinárias caso certas condições de endividamento sejam cumpridas.

Com base em nossas estimativas, acreditamos que a Copasa deveria cumprir tais condições sem dificuldades, o que nos leva a estimar um potencial dividend yield extraordinário de até 10,6% para os próximos anos (não incorporado em nossas estimativas).

BR Distribuidora (BRDT4) – Neutro

Setor de atuação: distribuição de combustíveis
A BR Distribuidora é uma empresa com baixo endividamento.

Além disso, a companhia relevantes recursos de um acordo com a Eletrobras anunciado em 2018, e também destacamos a e antecipação dos recebíveis da Amazonas Energia R$1,4 bi em setembro de 2019. Tais fatores nos levam a estimar um dividend yield de 7,6% para a BR em 2020-21.

Gerdau (GGBR4) – Compra

Setor de atuação: siderurgia

A Gerdau, dentre as empresas siderúrgicas de nossa cobertura, tem como um de seus diferencias sua exposição geográfica diversificada, dado que a empresa possui operações relevantes fora do Brasil, com destaque para os Estados Unidos. Tal diversificação é positiva e permite à Gerdau um certo grau de consistência nos lucros e, consequentemente, na distribuição de dividendos aos acionistas.

A política de dividendos da empresa define o pagamento de proventos de, no mínimo, 30% do lucro líquido, com distribuições trimestrais. Estimamos um dividend yield de 6-7% em 2020.

Klabin (KLBN11) – Neutro

Setor de atuação: papel e celulose

Atuando tanto nos segmentos de papel e embalagens, quanto de celulose, a Klabin possui como um de seus diferencias sua flexibilidade. O negócio de papéis e embalagens dá resiliência para a empresa e, portanto, permite um certo grau de consistência nos lucros, embora a exposição à celulose adicione algum grau de volatilidade dependendo dos preços da commodity e câmbio.

A política de dividendos da empresa prevê a distribuição de, no mínimo, 25% sobre o lucro líquido ajustado. Vale notar que é prática comum da Klabin pagar um valor superior, na forma de 20% do EBITDA Ajustado, em periodicidade trimestral. Estimamos um dividend yield de 5% para a Klabin em 2020-21.

OUTROS NOMES PARA MONITORAR DIVIDENDOS NO FUTURO

Petrobras (PETR4) – Compra

Segundo a nova política de remuneração dos acionistas da Petrobras, caso a empresa atinja um patamar de endividamento bruto inferior a US$ 60 bilhões, a Companhia poderá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos.

Esperamos que esse cenário passe a acontecer a partir de 2022, a salvo que a empresa avance na agenda de venda de ativos, que pode gerar fluxos entre US$ 20 bilhões e US$ 24 bilhões para a empresa. Isso aumenta a atratividade da Petrobras como pagadora de dividendos, com um potencial dividend yield de 8,4%.

Vale (VALE3) – Compra

Implementada no início de 2018, a política de dividendos da Vale foi definida em 30% da diferença entre o EBITDA e o investimento corrente, apurados no resultado do primeiro semestre, para a parcela de setembro, e no resultado do segundo semestre, para a parcela de março.


No entanto, em função da tragédia de Brumadinho, o Conselho de Administração da Vale anunciou no dia 27 de janeiro de 2019 a suspensão da Política de Remuneração aos Acionistas e, consequentemente, o não pagamento de proventos ou recompra de ações.


Ainda que os desembolsos referentes à tragédia estejam sendo feitos, a Vale vem apresentando forte geração de caixa, levando a um baixíssimo nível de alavancagem de 0,5x dívida líquida/EBITDA, o nível mais baixo desde 2008.

Com a normalização das operações adiante, e a ausência de proventos em 2019, todos os olhos estão voltados para o pagamento dos dividendos em 2020. Contudo, estimamos, conservadoramente, um dividend yield entre 7-8% para 2020, aquém da capacidade máxima de pagamento da empresa, mas em consonância com o legado de Brumadinho.

Disclaimer:

Em atendimento à Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, informamos que a XP Investimentos CCTVM S.A. e/ou suas afiliadas (“XP Investimentos” ou “XP”) mantém relacionamento comercial com a sociedade Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. - TAESA; KLABIN, inclusive prestando serviços de assessoria com interesses financeiros e comerciais relevantes. Assim, o leitor deve ter ciência de tal informação e fazer sua própria análise e julgamento sobre eventual existência de conflito de interesses ou sobre a imparcialidade deste relatório. Cabe ressaltar que, opiniões emitidas anteriormente sobre a sociedade não estão abarcadas pelo posicionamento vigente, a cobertura da companhia emissora está suspensa por ora, mas o que foi publicado até então não perde sua validade ou eficácia. A XP Investimentos, expressamente, se limita e reserva o direito de recusar-se a atender qualquer solicitação baseada no conteúdo de informações especulativas sobre o relacionamento comercial com a referida sociedade.

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.