Resumo Diário de Política 28/07/2020: DEM e MDB deixam o chamado ‘Blocão’

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.


Compartilhar:


A saída de DEM e MDB do bloco de partidos de centro liderado pelo PP na Câmara, sobre a qual escrevemos ontem no início da manhã, é destaque do noticiário nesta terça (https://glo.bo/3g7Qrei, https://bit.ly/2D8Yg4O e https://bit.ly/3hVamhd). As duas siglas têm juntas 63 das 221 cadeiras do grupo – o movimento visa enfraquecer Arthur Lira, líder do PP que se aproximou do governo e é candidato à sucessão de Rodrigo Maia, além demarcar maior distanciamento dos dois partidos em relação ao Palácio do Planalto — e tem potencial de influenciar o comportamento das bancadas em votações de interesse do governo.

A equipe econômica corre para enviar ao Congresso a próxima fase de sua proposta de reforma tributária — no entendimento do governo, o conjunto ajudará a vencer resistências à primeira fatia, como é o caso do setor de serviços que cobra o envio da desoneração da folha de pagamentos (https://glo.bo/2EjdFQu e https://glo.bo/3hDGoOg). Segundo apuração da nossa equipe, o relator da proposta, deputado Aguinaldo Ribeiro, pretende apresentar seu relatório no final de setembro.

Há pressa também para formalizar a proposta para o Renda Brasil. Uma das ideias é limitar a acumulação de benefícios sociais para encontrar recursos que possam financiar o novo programa (https://bit.ly/3f8o3aH).

Na área fiscal, o Estadão recapitula dois episódios recentes em que ações de integrantes do governo colocaram em xeque a rigidez do teto de gastos: a tentativa de direcionamento de parte do Fundeb para o Renda Brasil e a ideia de consulta ao TCU sobre gastos em investimentos (https://bit.ly/30XQjaM) — a ideia agora é usar sobras de créditos extraordinários para esses investimentos em infraestrutura. Ministros têm pressionado internamente pela ampliação dos gastos (https://glo.bo/3g8nPBs).

E a extensa pauta desta quarta-feira não deve ser inteira vencida na própria quarta. De acordo com líderes de bancadas na Câmara que escutamos ontem, devem ter prioridade medidas provisórias como a 944, em que resta apenas confirmar ou rejeitar as alterações feitas pelo Senado, e a 950, do setor elétrico. O relator da MP 945, do setor portuário, Felipe Francischini (PSL), também trabalha para viabilizar o projeto. Outra votação que pode entrar na lista é o pedido de urgência da lei do gás, mas não seu mérito.

De volta à rotina pré-coronavírus, Jair Bolsonaro planeja viagens no decorrer da semana (https://glo.bo/3hHYGxX e https://bit.ly/3jN2OPi) — deve ir a Piauí, Bahia e Rio Grande do Sul.

Internacional

Covid-19: Segundo a OMS, são 16.114.449 casos confirmados e 646.641 óbitos (https://bit.ly/3029HnU).

Nos EUA, os republicanos apresentaram pacote de estímulo de USD 1 trilhão ao Congresso (https://reut.rs/3ghVHMg). Vale lembrar que os democratas já aprovaram um pacote de USD 3 trilhões. Com a proposta republicana agora também finalizada, os partidos devem iniciar discussões para chegar a uma proposta intermediária. O último pacote aprovado pelo Congresso, por exemplo, que teve impacto de USD 2 trilhões, foi compromisso entre a proposta de USD 2.5 trilhões dos democratas e USD 1.8 trilhões dos republicanos.

Em meio às tensões entre as maiores economias do mundo, a Bloomberg informa que a China está atrasada nas compras de produtos americanos pactuados no acordo comercial com os EUA: na primeira metade do ano, apenas 23% dos USD 170 bilhões acordados foram comprados, mas o volume estaria aumentando no segundo semestre (https://bloom.bg/2X2l0KM).

Hoje é o 575° dia do governo Jair Bolsonaro.

Hoje é o 128° dia da pandemia de Covid-19.

Faltam 110 dias para as eleições municipais.

Faltam 101 dias para as eleições nos EUA.

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins da Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM