XP Expert

Resumo Diário de Política 17/09/2019: O melhor das entrevistas de Michel Temer, Nicolás Maduro, Ciro Gomes e Major Olímpio

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Pedimos desculpas antecipadas, pois hoje o tempo dedicado ao Newsfeed por vocês, nossos leitores, precisará ser um pouco maior do que normal. Pouco mais de 2h deve ser o suficiente. Recomendamos 1h32 minutos para assistir a entrevista completa de Michel Temer, 35 minutos para ouvir Nicolás Maduro e, depois, os tradicionais 5 minutos para ler nossos dois centavos sobre as notícias do dia.

Michel Temer foi ao Roda Viva e defendeu que o impeachment seguiu a constituição. Porém, em ato falho, se referiu ao impeachment como golpe. Em outra passagem, disse não ter dúvida de que se Lula tivesse sido efetivado como ministro, Dilma teria completado o mandato. Quando perguntado sobre o governo Bolsonaro, afirmou:  “O governo Bolsonaro tem um ponto positivo. Esse ponto positivo, modéstia de lado, é porque ele está dando sequência a tudo aquilo que eu fiz” (Assista à íntegra aqui: http://bit.ly/30533Pm). Como não sentir saudades?

Outra entrevista marcante do dia foi a de Nicolás Maduro à Mônica Bergamo, da Folha. Como esperado, é um amontoado de críticas aos opositores, Trump e Bolsonaro. Também sem qualquer surpresa, o ditador negou a existência de uma ditadura. A única mudança no tom foi o ataque também a figuras de esquerda que recentemente criticaram seu governo: José Mujica (Uruguai) chamou o país de ditadura; Bachelet (Chile) fez relatório duro em relação à Venezuela para ONU e Fernández, o candidato de Cristina na Argentina, disse que era difícil defender o governo de Maduro (Assista à íntegra aqui: http://bit.ly/3023gml)

Ciro Gomes deu uma entrevista incendiária. “Rejeitou veementemente” foi o eufemismo que encontramos para substituir o palavrão proferido em relação à possibilidade de unidade com o PT. Adiante, disse ter um palpite de que Bolsonaro não termina o governo. No estilo Ciro de ser, completou “espero que não seja pelo suicídio. Meu palpite, é um mero palpite, é que vai ser por renúncia” (http://bit.ly/303FnuQ)

E para completar, uma entrevista de ontem, mas que vale ser reproduzida mesmo com atraso, foi a de Major Olímpio ao Estadão. O senador pelo PSL-SP não usou meias-palavras para avançar sobre Flávio Bolsonaro: “Gostaria que ele (Flávio) saísse hoje mesmo (do PSL)” (http://bit.ly/2O14N50).

Na política, os governistas equilibram os pratos em relação às CPIs no Congresso. Buscam barrar a Lava Toga no Senado e a da Vaza Jato na Câmara. Uma terceira, a de Fake News, já foi instalada e agora requer controle de danos (http://bit.ly/301BvdI). Essa atuação é vista pelos partidos de centro como uma fissura no Bolsonarismo passível de rachar o apoio mais duro ao presidente (http://bit.ly/2O6lJao). A temática certamente é relevante para o núcleo de apoio ao presidente. Entretanto, ao menos por enquanto, ainda não capturamos sinais de que tais eventos tenham minado o apoio a Bolsonaro.

Mudando de assunto para falar de fiscal: Bernard Appy prepara uma proposta para desonerar a folha, como queria propor o governo, mas sem a volta da CPMF. A ideia é que haja desoneração da contribuição ao INSS nos dois extremos, para 1 salário mínimo e para quem ganha acima do teto. Sairia da folha de pagamentos também a contribuição para o Sistema S e o salário-educação. O impacto estimado seria de R$ 160 bilhões (R$ 80 bilhões na baixa renda, R$ 40 bilhões na alta renda e R$ 38 bilhões com a exclusão dos penduricalhos). A compensação pode vir de mudanças no Imposto de Renda (http://bit.ly/2O7pJHq).

Para cumprir o teto e melhorar a posição fiscal do governo estão em estudo alterações em isenção fiscal a entidades filantrópicas, algo que pode render R$14,2 bi em 2020 (https://glo.bo/2O5bJxW) e até o fim da obrigatoriedade constitucional para o reajuste do salário mínimo pela inflação, que poderia entrar na PEC da regra de ouro. Autor da PEC, o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), não ficou nada feliz com isso, pois pode inviabilizar seu projeto (http://bit.ly/2O1908O e https://glo.bo/307HnC8).

Curta: Ontem foi o último dia para senadores apresentarem emendas à PEC da previdência (https://glo.bo/2Og1dnR). O relator, Tasso Jereissati, deve rejeita-las e reapresentar seu texto. A dúvida é quanto aos artigos que sofreram questionamento sobre a possibilidade de retorno à Câmara.

Bastidores de Brasília

Líderes de bancada devem formalizar até hoje indicações para as 16 relatorias setoriais do Orçamento do ano que vem. Por mais que o Congresso não tenha aprovado ainda a Lei de Diretrizes Orçamentárias, a Comissão Mista de Orçamento já está trabalhando na LOA de 2020. Os subrelatores trabalharão junto com o relator do projeto, Domingos Neto (PSD-CE).

Líder do PL na Câmara, o deputado Wellington Roberto esteve na semana passada com o ministro da Secretaria de Governo, general Ramos, e pediu que o governo cumprisse com os acordos feitos para a aprovação da reforma da Previdência. Os parlamentares do PL, assim como os de outras siglas, têm diversas pendências com o governo. Na quinta passada (12), houve uma onda de reclamações no grupo de deputados do partido no WhatsApp, com sugestões, inclusive, de não deliberar mais nada até que os recursos fossem repassados.

A estratégia de senadores contrários ao projeto de lei que muda regras do funcionamento de partidos políticos será, mais uma vez, obstruir a sessão de hoje. Já se iniciou uma onda de cobrança de posicionamento dos parlamentares pelas redes sociais, como foi no caso da eleição de Davi Alcolumbre ao Senado.

A agenda de 17 de setembro

O presidente Jair Bolsonaro reassume a Presidência da República após oito dias afastado por cirurgia em São Paulo.

O Senado deve analisar o projeto de lei que altera uma série de pontos na lei eleitoral e que vem sendo alvo de críticas de entidades voltadas à transparência partidária. O prazo para votação da proposta é curto: deve ser sancionado até um ano antes da eleição, marcada para 2 de outubro de 2020.

A Câmara deve finalizar a votação de destaques do projeto de lei que muda a lei de licitações.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, recebe, na residência oficial da Câmara, o embaixador do Qatar no Brasil, Ahmed Ibrahim Al Abdulla, às 10h. Em seguida, reúne-se com o diretor-geral da OMC, Roberto Azevedo. Depois, é a vez do vice-presidente da Assembleia Nacional Popular da China.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, recebe o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, na residência oficial do Senado, às 8h. Em seguida, às 11h, recebe no mesmo local o secretário da Fazenda, Waldery Rodrigues Junior, e sua equipe. Às 13h, vai ao gabinete do relator da reforma tributária, Roberto Rocha (PSDB).

  • Hoje é o 260° dia do governo Jair Bolsonaro.
  • A reforma da Previdência está há 40 dias no Senado.
  • Faltam 384 dias para as eleições municipais.
  • Faltam 414 dias para as eleições nos EUA.

XP Política

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.