XP Expert

Resumo Diário de Política 10/11/2021: Pontos de atenção da PEC dos Precatórios no Senado

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A Câmara dos Deputados concluiu ontem a aprovação da PEC dos Precatórios, proposta que abre espaço de cerca de R$ 90 bilhões no teto de gastos de 2022 (https://glo.bo/3qmsFDl) e permite ao governo fazer o pagamento de parcela extra ao Auxílio Brasil, elevando o benefício mínimo do programa a R$ 400 (https://bit.ly/3H9hXpt). Uma única alteração em relação ao texto-base foi a exclusão da possibilidade de que o governo pudesse pedir permissão para o descumprimento da regra de ouro de maneira genérica na Lei Orçamentária, o que era um ponto secundário do relatório.

A medida é uma das principais apostas do governo Jair Bolsonaro para retomar a popularidade no ano eleitoral.

A proposta segue agora ao Senado, onde Rodrigo Pacheco tem falado em dar celeridade, mas ainda não deixa claro se submeterá ou não o texto ao rito mais extenso, que envolveria o envio da matéria à Comissão de Constituição e Justiça – ontem ele disse que esse seria o caminho “natural”, mas que poderia tratar da PEC diretamente em plenário se houver acordo entre os líderes.

Um dos principais problemas de a matéria ir à CCJ é a indisposição consolidada entre o presidente do colegiado, senador Davi Alcolumbre, e o Palácio do Planalto. Ele segura há meses a indicação de André Mendonça ao Supremo e ontem reiterou que está “tudo parado” (https://glo.bo/3mX8DNv), o que levou à pressão de colegas que querem tirar o assunto da frente (https://bit.ly/3BTWddy).

No Senado, o governo espera que a relatoria da matéria fique com Fernando Bezerra Coelho, líder de Bolsonaro. Sua escolha seria sinalização positiva, no sentido de que a proposta não ficaria travada nas mãos do relator. As dúvidas se concentram também no nível de alteração demandada pelos senadores (https://bit.ly/3H6hBA1) – como o texto ainda não estava em discussão, as sugestões são variadas e passam desde uma flexibilização maior para o pagamento de precatórios fora do teto até a reversão na alteração da correção do teto de gastos. Eventual impasse deve ampliar as pressões por um plano B do governo.

Na nossa visão, o calendário é apertado, mas há espaço para aprovação da matéria a tempo de implementação da parcela extra do Auxílio Brasil, mesmo que isso envolva nova votação pela Câmara.

De volta à Câmara, passada a PEC, a atenção se concentra na agenda a ser promovida por Lira: ontem ele sinalizou com a possibilidade de votar o projeto que estende a desoneração da folha de pagamentos (https://bit.ly/3oilQQq)

E, nesse meio tempo, o Congresso terá de decidir o caminho a trilhar para reverter decisão liminar do Supremo de suspender as emendas de relator – ontem a maioria se formou com placar de 6 x 1 (https://bit.ly/3qx0ame). O Legislativo avalia possíveis retaliações ao tribunal (https://glo.bo/3oibJLl) em meio à ampliação da tensão entre os poderes (https://bit.ly/3ko4JLZ).

Ainda ontem o Senado aprovou outra proposta de emenda à Constituição que inclui a renda básica a pessoas de baixa renda como direito social. Como o relatório descartou a exigência de que o pagamento fosse feito fora do teto de gastos e não há critérios descritos na PEC, a aprovação não tem efeitos concretos imediatos (https://bit.ly/3n0rbwg). O texto agora segue à Câmara.

E, na seara eleitoral, os atritos dentro do PL por conta da filiação de Jair Bolsonaro começam a aparecer (https://bit.ly/3D6swY0) – alguns diretórios querem autonomia para apoiar PT e MDB em disputas regionais. Há também resistências em aliados do presidente para ingressar na sigla por desentendimentos regionais (https://glo.bo/306mnMX).

Por fim, o Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou ontem que o governo estuda a criação de um fundo de estabilização do preço de combustíveis, mas não deu prazo nem detalhes (https://bit.ly/3F1AVga).

Nas redes

O monitor de redes da XP-Conatus registra destaque para a votação em 2º turno da PEC dos Precatórios. O bolsonarismo busca atrelar as discussões sobre a PEC ao Auxílio Brasil. Esse movimento encontra respaldo em outro cluster analisado, formado por atores no Congresso que exploram a pauta dos auxílios, como é o caso de André Janones.

Por sua vez, o campo antibolsonarista dá ênfase ao “orçamento secreto” e aponta manobras do governo federal e de Arthur Lira na votação da PEC, criando a narrativa de compra de votos.

Internacional

Em semana de recesso parlamentar nos EUA, as negociações pelo Build Back Better Act não registram grandes avanços. No entanto, a presidente da Câmara reiterou que o projeto será votado na semana que vem (https://reut.rs/3bVXbvh).

O calendário será apertado para um acordo, principalmente porque técnicos do Congresso disseram que não há data para a conclusão da análise do custo final do projeto. Um grupo de democratas centristas afirma que não votará a iniciativa até ter os cálculos em mãos (https://cnn.it/3F0e8Bh).

Na seara diplomática, Joe Biden e Xi Jingping estariam planejando encontro virtual para semana que vem. Apesar da reaproximação gradual entre os países nos últimos meses, Taiwan deve ser ponto de embate entre eles. Nesta terça-feira (9), a chegada de 6 parlamentares americanos em Taipei em avião militar foi considerada “ato de provação” por Beijing (https://bloom.bg/3F5MVgK e https://cnn.it/3HjEgJx).

Hoje é o 1045° dia do governo Jair Bolsonaro.

Faltam 326 dias para as eleições presidenciais.

Hoje é o 609° dia da pandemia de Covid-19.

XP Política

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.