Resumo Diário de Política 15/05/2019

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A paralização de 75 instituições federais de ensino, escolas particulares e os protestos marcados para essa quarta-feira preocupam o governo. A crise instalada no Ministério da Educação depois do anúncio de contingenciamento de recursos culminou ontem na aprovação, por 307 a 82 votos, da convocação do ministro Abraham Weintraub para dar explicações na Câmara (http://bit.ly/2EbH9gx). Líderes no Congresso chegaram a confirmar recuo nos cortes, mas governo negou (bit.ly/2vYRtDR).

Esse placar dá sinais de como o clima não está bom nos corredores da Câmara quando se fala de medidas provisórias e a briga pelo COAF. Partidos de centro mostram pouca vontade de se mexer agora para evitar que as normas caduquem. A cereja do bolo foi a fala do líder do governo, Major Vítor Hugo, sobre a possibilidade de a MP da organização do governo perder os efeitos (https://glo.bo/2EcVWHD). A recriação e ministérios é uma possibilidade em estudo (http://bit.ly/2JGVcxY).

No caso responsável pela fama do COAF, os investigadores miram os negócios imobiliários do senador Flávio Bolsonaro que fez 19 transações de imóveis nos últimos 15 anos (https://glo.bo/2WIsQqZ). O ministro Onyx Lorenzoni disse que a quebra de sigilo bancário do filho do presidente por um período de mais de 10 anos não afeta o governo (http://bit.ly/2Wc92iN).

Na Comissão Especial da reforma da Previdência, o presidente Marcelo Ramos (PR-AM) defende a tese de dar prazo para as assembleias locais validarem nos estados as regras da reforma, sob pena não receberem verbas federais (http://bit.ly/2Q1F5fJ). Em Nova Iorque, Maia aproveitou anúncio de resultados ruins na economia para puxar a orelha do governo (http://bit.ly/2Vmx0mV).

Curtas:

O ex-presidente Michel Temer e seu amigo Coronel Lima foram soltos pelo STJ, num julgamento marcado por críticas contra o “abuso nas prisões preventivas” (http://bit.ly/2VBrba6).

Termina hoje o prazo para inscrições de candidatos à listra tríplice para procurador-geral da República. Oito integrantes da carreira se inscreveram até agora. Raquel Dodge ainda não está entre eles (http://bit.ly/2vXT64N).

Bastidores de Brasília

Parlamentares tentaram demover o deputado Filipe Barros, do PSL, de pedir que a votação da convocação do ministro Abraham Weintraub (MEC) fosse feita nominalmente. Um líder se dirigiu a ele e disse que essa atitude somente faria os jornais estamparem: “Governo só tem 80 votos”. Não adiantou. Até integrantes do próprio PSL consideraram um tiro no pé. O pedido se manteve e o governo foi derrotado.

Um parlamentar da ala mais moderada do PSL diz que o Planalto e seus articuladores deveriam olhar com carinho à votação de ontem. Segundo ele, mesmo sem nenhuma articulação por parte dos líderes do governo, deputados de centro se dispuseram a tentar barrar a convocação do ministro da Educação. 29 deputados de PSDB, DEM, PR, PP, entre outros partidos, votaram junto com o Planalto.

Enquanto a ala mais radical do PSL está se vangloriando da ida do ministro da Educação à Câmara, a ala mais política está preocupada. A previsão deles é que Weintraub sofra um linchamento público verbal. Eles se recordam que o último ministro a passar por uma situação como essa foi Cid Gomes, também do MEC, em 2015. O hoje senador foi demitido em sequência (algo que a ala moderada do PSL não descarta que possa acontecer com Weintraub).

A agenda deste 15 de maio

A Câmara recebe o ministro da Educação, Abraham Weintraub, às 15h. Ao contrário de outras convocações de ministros em comissões, desta vez a participação será no plenário da Câmara. O cenário é mais pessimista para o governo.

Estão previstas manifestações em todo país contra o contingenciamento de recursos anunciados pelo MEC na semana passada. O ato envolve professores e alunos de escolas públicas de ensino básico e de universidades. Movimentos de direita contra-atacam dizendo que nenhum aluno poderá ser impedido de ter uma aula. A paralisação serve de “aquecimento” para uma greve geral convocada para o dia 14 de junho.

O presidente Jair Bolsonaro viaja a Dallas hoje, onde deve desembarcar por volta das 11h (horário de Brasília). Às 17h, ele deve se encontrar com o ex-presidente republicano George W. Bush.

Enquanto isso, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, ocupa a Presidência da República. Será por pouco tempo, já que amanhã o general viaja à China e deixará a Presidência com Rodrigo Maia.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, participa de evento do LIDE, em Nova York, às 9h (horário de Brasília). Ele embarca de volta ao Brasil às 18h.

  • Hoje é o 135º dia do governo de Jair Bolsonaro.
  • Faz 84 dias que Jair Bolsonaro entregou projeto da previdência à Câmara.
  • A Câmara teve cinco sessões que contam como prazo para comissão especial da Reforma da Previdência.
  • Placar Valor/Atlas – Favor (100); Apoio parcial (112); Indefinidos (157); Contra (144).
  • Placar Estadão – Favor (72); Apoio parcial (123); Indefinidos (201); Contra (117).

XP Política

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.