XP Expert

Mercados de olho em possíveis estímulos adicionais nos EUA

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,8% | 119.646 Pontos

CÂMBIO -0,81% | 5,31/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa registrou queda de 0,8% no pregão de ontem, fechando em 119.646 pontos, na contramão do exterior. Se, por um lado, as bolsas americanas atingiram máximas históricas com a posse de Joe Biden, a bolsa brasileira foi marcada pelo aumento de riscos domésticos associados à piora da pandemia e a consequente dificuldade do governo em aplicar seu programa de imunização. Os principais destaques positivos do índice foram as ações de BTOW (+8,5%), MGLU3 (+5,5%) e LAME3 (+4,0%). Segundo a tendência, o dólar comercial caiu 0,81% a R$5,31.

As taxas futuras de juros fecharam o dia de ontem em leve queda a partir dos vértices intermediários, reduzindo a inclinação da curva. O dia foi de expectativa pelo comunicado do Copom, após o fechamento do mercado, e de contínua incerteza econômica e política, reduzindo o volume de negociações. A percepção de risco fiscal continua presente, em meio à indefinição do calendário de vacinação contra a covid-19, o que pode pressionar o governo a estender o auxílio emergencial. DI jan/22 fechou em 3,22%; DI jan/24 encerrou em 5,9%; DI jan/26 foi para 6,8%; e DI jan/28 fechou em 7,39%.

Nessa quinta-feira, os mercados globais operam em alta com futuros do S&P subindo 1,44% e Dow Jones estável, com base no otimismo de que os gastos fiscais dos Estados Unidos irão reviver o crescimento econômico e impulsionar os lucros das empresas. Já no resto do mundo, as bolsas europeias e chinesas sobem 0,4% e 1,3%, respectivamente.

No cenário internacional, destaques para a posse de Joe Biden à presidência dos Estados Unidos. Em discurso, o democrata reforçou mensagem de união e comemorou a “vitória da democracia”. Ao longo do dia, o novo presidente assinou uma série de decretos, entre eles a volta do país ao acordo de Paris e OMS, além do fim da autorização para o oleoduto Keystone XL.

No Congresso americano, os holofotes estão sobre o projeto de estímulo de 1,9 trilhão de dólares apresentado pelo novo governo, que divide os partidos. Republicanos moderados, como Lisa Murkowski e Mitt Romney, já indicaram que não devem apoiar a proposta no atual formato.

Já em economia internacional, o Banco do Japão manteve as taxas de juros inalteradas, em linha com as estimativas. A autoridade monetária afirmou que as expectativas de crescimento para o ano fiscal de 2021 melhoraram devido aos impactos das políticas econômicas implementadas, mas as incertezas permanecem grandes e dependentes da trajetória da pandemia nos próximos dois meses.

No Brasil, destaque para a decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), que manteve os juros em 2,00% ao ano. No comunicado, o Comitê retirou o “forward guidance”, e manteve o balanço de riscos para inflação. O Copom avaliou que o estímulo monetário “extraordinariamente elevado” segue adequado, mas sinalizando que pode iniciar um ajuste adiante, ao mesmo tempo em que a elevada incerteza sugere cautela ao reduzir o grau de estímulo. Os dados recentes – atividade melhor no final do ano passado, choque inflacionário se prolongando – e a sinalização do comunicado nos fazem acreditar que o Copom optará por antecipar o ciclo de alta de juros para maio (antes, agosto). Projetamos agora a taxa Selic em 3,50% no final de 2021 (antes 3,00%) e 4,50 em 2022 (antes 4,00%).

Já na seara política, destacamos a entrada de Bolsonaro em uma nova corrida política para conseguir a liberação dos insumos para a produção de vacinas no Brasil. João Doria e Rodrigo Maia também buscam solução para o impasse. O time do governador de São Paulo ganhou o reforço do ex-presidente Michel Temer, representando mais uma derrota no segundo round da disputa pela vacina por ter impacto negativo na popularidade do presidente.

Quanto à campanha pela presidência da Câmara, ainda em placar bastante apertado, Baleia Rossi busca ajuda de lideranças do PSDB e no DEM para tentar reduzir dissidências. Por outro lado, Arthur Lira se reúne com Bruno Covas e conta com apoio das bancadas ruralista, da bala e evangélica.

Ademais, destacamos também o impedimento de Paulo Guedes à blindagem contra contingenciamento do fundo para desenvolvimento científico, aprovado no final de 2020.

Finalmente, na agenda de indicadores do dia, o Banco Central Europeu divulga decisão de juros, onde há a expectativa de manutenção dos juros no patamar atual e mais detalhes sobre o pacote de compra de ativos em andamento. Nos Estados Unidos, destaque para a divulgação de pedidos de seguro desemprego (estimativa de 935k) e pedidos continuados (estimativa de 5300k).

Tópicos do dia

Internacional

  1. Política internacional: Joe Biden toma posse como 46o presidente dos EUA
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Vale (VALE3): Anúncio de acordo com a Mitsui para permitir o desinvestimento futuro da mina de carvão de Moatize
  2. Copel (CPLE6): Proposta de reforma do Estatuto Social e nova política de dividendos


Veja todos os detalhes

Internacional

Política internacional: Joe Biden toma posse como 46o prresidente dos EUA

  • Joe Biden assumiu nesta quarta-feira (20) a presidência dos Estados Unidos em posse inédita devido a pandemia provocada pelo Covid-19. Em discurso, o democrata reforçou mensagem de união e e comemorou a “vitória da democracia”. Ao longo do dia, o novo presidente dos EUA assinou uma série de decretos, entre eles a volta dos EUA ao acordo de Paris e OMS e o fim da autorização para o oleoduto Keystone XL;
  • No Congresso americano, os holofotes estão sobre o projeto de estímulo de USD 1,9 trilhões apresentado pelo novo governo, que divide os partidos. Republicanos moderados como Lisa Murkowski e Mitt Romney já indicaram que não devem apoiar a proposta no atual formato.

Empresas

Vale (VALE3): Anúncio de acordo com a Mitsui para permitir o desinvestimento futuro da mina de carvão de Moatize

  • A Vale anunciou um acordo com a Mitsui para permitir a saída da Mitsui da mina de carvão de Moatize e do Corredor Logístico de Nacala (NLC). A Vale irá adquirir a participação da Mitsui em Moatize e NLC por US$1,0 cada. Além disso, a Vale consolidará todos os ativos e passivos relacionados às entidades NLC, incluindo o saldo em aberto de US$2,5 bilhões (Project Finance) de Nacala. Esta consolidação deve gerar um impacto de US$300 milhões por ano nas despesas operacionais relativas à tarifa NLC, que atualmente impactam o EBITDA do segmento de carvão. No futuro, a nova estrutura do Project Finance levará a uma economia potencial de aproximadamente US$25 milhões por ano;
  • Essa aquisição está prevista para ser concluída em 2021, dependendo das condições usuais precedentes neste tipo de transação;
  • Vemos esse movimento como positivo para a empresa, pois ela se concentra um pouco mais no negócio principal (minério de ferro) e melhora a geração de caixa no longo prazo. Mantemos nossa recomendação de Compra para as ações da Vale.

Copel (CPLE6): Proposta de reforma do Estatuto Social e nova política de dividendos

  • A Copel informou ontem, via fato relevante, que seu conselho de administração aprovou o encaminhamento da proposta de reforma do Estatuto Social da companhia para deliberação da Assembleia Geral de Acionistas. A reforma do estatuto contempla significativos avanços em governança corporativa, dentre eles destacamos: (i) a adesão ao Nível 2 de Governança Corporativa da B3; (ii) o desdobramento de ações e o programa de UNITs; (iii) a garantia de que o dispositivo estatutário que obriga a aplicação de reajustes tarifários autorizados pela ANEEL não possa ser alterado sem que haja a aprovação da maioria dos acionistas detentores de ações preferenciais, e (iv) mudanças na composição de membros do conselho de administração da companhia. Adicionalmente, a conselho da companhia aprovou uma nova Política de Dividendos;
  • O programa de UNITs:  O programa contempla um desdobramento de ações na proporção de 1 para 10 com a possibilidade de conversão de ações na razão de 1 ON para 1 PNB (e vice-versa). A formação de uma UNIT será composta por 5 ações de emissão da Companhia, sendo 1 ON (CPLE3) e 4 PNB (CPLE6);
  • Adesão ao Nível 2 de Governança Corporativa da B3. O nível 2 de governança da B3 estabelece, entre outros: (i) o Tag along de 100% para as ações Ordinárias e Preferenciais, conferindo tratamento equitativo aos acionistas da Companhia e (ii) o direito de voto para os acionistas preferencialistas em assuntos que tratem de transformação, incorporação, cisão ou fusão da Companhia. Segundo a Copel, a migração ao nível 2 de Governança Corporativa da B3 está condicionada à realização e liquidação de oferta pública de distribuição secundária de ações ou de UNITS de titularidade do Estado do Paraná́;
  • Nova Política de Dividendos. De acordo com a nova política as propostas de dividendos regulares serão calculados conforme os critérios: (i) Alavancagem abaixo de 1,5x = 65% do Lucro Líquido Ajustado, (ii) Alavancagem entre 1,5x e 2,7x = 50% do Lucro Líquido Ajustado e (iii) Alavancagem acima de 2,7x = 25% do Lucro Líquido Ajustado. Segundo a companhia, os valores calculados estarão sempre limitados pelo Fluxo de Caixa Disponível (“FCD”), exceto o dividendo obrigatório. Adicionalmente, a Companhia buscará não ultrapassar a alavancagem de 2,7x. Finalmente, a companhia afirmou que a proposta de distribuição de dividendos mencionada na carta do acionista controlador (veja mais no link) ocorrerá segundo os parâmetros da nova política de dividendos;
  • Nossa visão. Temos uma visão positiva dos anúncios da Copel, pois sinalizam avanços bem-vindos em governança corporativa que ganham ainda mais importância após elevação da percepção de risco após a divulgação recente de carta do acionista controlador da companhia, o Governo do Estado do Paraná. Também vemos como positiva a nova política de dividendos. Nas nossas estimativas, as distribuições segundo a nova política implicam um dividend yield médio de 13,3% em 2020-2021. Também vemos como positiva a mensagem da companhia de que a distribuição de dividendos extraordinários em relação às reservas de lucros mencionada na carta do acionista controlador obedcerá os parâmetros da nova política de dividendos;
  • Temos recomendação de Compra nas ações da Copel com preço-alvo de R$75/ação.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.