Lições dos mercados globais sobre a pandemia do Coronavírus

Recuperação em U, volatilidade e o cenário de crédito privado


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Ao lidar com crises, experiência conta e muito. Para debater sobre a pandemia do Coronavírus, convidamos duas casas com décadas de atuação, JP Morgan Asset Management e Pimco, que já passaram por muitos acontecimentos e crises ao redor do mundo para entender o que pensam sobre a pandemia do Coronavírus.

Em live exibida no dia 30 de Março, nosso especialista de fundos, Fabiano Cintra, debateu com Gabriela Santos, Estrategista de Mercados Globais do JP Morgan Asset Management e Luis Oliveira, Vice-Presidente Executivo da Pimco, as perspectivas da crise causada pela pandemia do Covid-19, qual a eficácia das medidas tomadas pelos Bancos Centrais mundo afora e o cenário do crédito global.

Crise mundial sem precedentes, medidas sem precedentes

Segundo Gabriela Santos, os mercados demoraram a entender que o Coronavírus não era um fenômeno restrito somente à China ou a alguns territórios asiáticos. Entretanto, a propagação global do vírus, o ritmo de contágio nos EUA, Europa e agora América Latina aumentou de forma extremamente rápida, fazendo com que estes países também tivessem de tomar medidas de isolamento social como forma de evitar o colapso dos sistemas de saúde. Com a adoção destas medidas restritivas, porém necessárias, ocorreu um choque que já está causando uma recessão global.  

Uma vez que esta é uma crise diferente das anteriores, os Bancos Centrais de todo o mundo, cada um em sua proporção, lançaram o maior pacote de medidas econômicas da história como forma de tapar o “rombo” que o Covid-19 vem apresentando para a economia global. Gabriela argumenta, entretanto, que as medidas dos Bancos Centrais e as medidas fiscais que estão sendo tomadas pelos Governos não possuem como efeito principal estimular a economia imediatamente, mas sim ajudar os países a superarem os efeitos da crise após passado o período de lockdown.

Mesmo assim, a estrategista-chefe explica que as medidas foram muito importantes para corrigir alguns problemas imediatos na Renda Fixa, pois este mercado passou a apresentar alta volatilidade e preços com pouca referência devido à falta de liquidez. Com isso, muitos Bancos Centrais ao redor do mundo passaram a prover a necessária liquidez à Renda Fixa e já foi possível observar na última semana uma volta à normalidade dos preços destes ativos.

Gabriela ressaltou também que, devido ao tamanho das medidas que estão sendo implementadas pelos diferentes países, será necessário aumentar o endividamento público como forma de financiar esses programas. Com isso, a equipe do JP Morgan analisa que as economias emergentes podem ter um rebaixamento de seu risco-país, uma vez que a demanda por seus títulos de crédito não é tão alta e recorrente quanto a de economias desenvolvidas. Pelo mesmo motivo, as economias desenvolvidas não devem ser tão impactadas em seu risco-país e provavelmente não terão seu rating rebaixado.

Outro ponto importante destacado pela estrategista é que, com cenários em que muitas economias desenvolvidas possuem taxas de juros próximas ou iguais a zero e com economias em lockdown, o efeito dos juros não é muito significativo em um primeiro momento como uma medida de estímulo à economia. Com isso, tanto o Federal Reserve quanto o Banco Central Europeu tiveram de ser criativos e iniciaram diversos programas de compra de ativos de Renda Fixa, além de empréstimos diretos para pequenas e médias empresas, como forma de corrigir anomalias no mercado de crédito.

Gabriela reiterou também que o principal desafio é saber a duração do lockdown nas economias globais. As estimativas da equipe do JP Morgan são que a economia terá uma recuperação em forma de U, na qual o primeiro semestre de 2020 será de queda forte na economia, seguido por um segundo semestre estagnado e recuperação intensa no ano de 2021.

Por fim, a equipe do JP Morgan ressalta que a forte alta do dólar ocorrida recentemente se deve principalmente a dois fatores: uma procura por ativos mais fortes e tidos como porto-seguro pelos investidores (fenômeno chamado de flight to quality) e falta de liquidez da moeda no mercado. Devido à volatilidade do mercado, a estrategista acredita que este movimento de alta da moeda deve se manter por um tempo, mas com menos intensidade devido aos esforços do Federal Reserve de prover liquidez de dólar nos mercados.

Já existe alguma crise de crédito globalmente?

Para Luis Oliveira, as medidas financeiras anunciadas pelos Bancos Centrais e Governos de todo o mundo, chamadas popularmente de bazucas financeiras, tiveram como objetivo prover liquidez para o mercado e, principalmente, restaurar a confiança dos investidores. A Pimco também acredita que a recessão terá recuperação em formato de U, mas com visão levemente mais otimista que o JP Morgan, uma vez que, segundo a gestora, a recuperação da economia se iniciaria no último trimestre de 2020.

Com relação ao crédito, a Pimco não acredita que há uma crise , mas ressalta que já vem tomando posição mais defensiva no crédito privado desde Dezembro de 2019 devido principalmente a alguns fatores:

  • Empresas estavam com valuation muito caro e investidores não estavam sendo remunerados de forma adequada ao risco.
  • Volume muito alto de emissões de crédito privado principalmente em economias desenvolvidas, nas quais após a crise de 2008 ficou muito barato emitir dívida.
  • Piora do grau de investimentos das empresas no geral.
  • Diminuição da liquidez do mercado devido a regulações impostas no mercado financeiro após a crise de 2008.

Mesmo com a posição mais defensiva, Luis ressalta que, devido à pandemia do Covid-19, já é possível observar algumas ótimas oportunidades no mercado de crédito. O mercado já tem projetado taxas de default (chance de não pagamento dos títulos) muito mais altas do que de fato foram vistas em crises anteriores, criando oportunidade de compra em alguns títulos devido à queda que tiveram em seus preços.

De acordo com o executivo, a distorção dos preços que tem sido vista no mercado de crédito no momento é reflexo principalmente de falta de liquidez (muitos investidores precisando se desfazer de posições vendendo seus ativos e pouca demanda para absorver estes títulos), principalmente para os títulos de crédito de alta qualidade. Mesmo assim, segundo perspectivas da gestora, algumas empresas tidas como high grade, terão um rebaixamento de rating para high yield e algumas empresas high yield apresentarão default (vão deixar de honrar com suas obrigações).

Em cenários de incerteza, a gestora tende a priorizar títulos de países desenvolvidos, setores não cíclicos e papéis investment grade. Em termos de setores, tem visto com bons olhos os setores de tecnologia, energia elétrica, torres de transmissão, farmacêuticos e supermercados. Ao mesmo tempo, com os efeitos da crise sendo muito fortes nestes setores, a gestora vê com pontos de atenção alguns setores tais como aéreas, turismo, petróleo, setor automotivo, varejo e setores químicos.

Neste cenário, a Pimco ressalta a necessidade de se ter uma gestão ativa em crédito, fazendo um contato próximo às empresas emissoras de dívida e contando com a expertise nas teses de investimentos.

Lições de crises passadas

Diferentemente de 2008, os Bancos Centrais aprenderam a agir de forma muito rápida na reação às crises globais. A ação coordenada global destas instituições como forma de atenuar os impactos na economia não mediu esforços econômicos e, segundo Luis, desta vez é muito capaz que o sistema financeiro atue como uma das soluções da crise.

A figura de um gestor que faça uma gestão ativa é ainda mais importante em um cenário de crises, pois este se posiciona e enxerga oportunidades no longo prazo que requerem recursos e experiência para atravessar por momentos turbulentos.

E, principalmente, é importante manter a calma neste momento e, ao mesmo tempo, ficar atento a oportunidades raras de compra nos diferentes ativos. Gabriela e Luis ressaltaram a importância de se ter uma diversificação global e prestar atenção nos diferentes movimentos das economias mundiais.

Confira os produtos das duas gestoras disponíveis na nossa plataforma:

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.