Fundos internacionais: tudo que você precisa saber

Tire suas principais dúvidas sobre a classe que mudou a maneira do brasileiro investir


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Os fundos internacionais vêm se consolidando como investimentos comuns nas carteiras dos investidores brasileiros. Como se diz no mercado financeiro, a diversificação é o único almoço grátis em investimentos, e nada mais justo para o investidor do que ter as alternativas dos investimentos internacionais para aumentar a eficiência de sua carteira.

Por outro lado, sendo uma classe relativamente nova para a maioria dos investidores, é natural que surjam questionamentos variados sobre esse tipo de investimento. Nesta publicação, buscamos sanar as principais dúvidas a respeito das estratégias dos fundos e suas características operacionais.

Confira!

#1 Afinal, o que é considerado um fundo internacional?

Pode parecer um tanto óbvia, mas a classificação como fundo internacional acaba sendo subjetiva. Na XP, nós classificamos como fundo internacional todo produto que tem exposição majoritária em ativos internacionais. Ou seja, o que importa é a carteira do fundo e não quem gere a estratégia.

Dito isso, existem fundos internacionais geridos por empresas globais, diretamente dos escritórios de Londres ou Nova York, assim como produtos internacionais geridos por gestoras brasileiras, em suas sedes na Faria Lima ou no Leblon.

#2 Como os fundos internacionais disponibilizados na XP compram seus ativos?

Apesar de ser um conceito mais técnico, entender como os fundos compram seus ativos vai facilitar a compreensão do próximo item, que trata dos custos totais que esses fundos apresentam.

Basicamente, os fundos internacionais implementam suas estratégias segundo duas maneiras mais comuns:

  1. Cliente aplica no fundo, e o fundo compra diretamente os ativos negociados no exterior. Geralmente acontece quando a gestora do fundo está sediada no Brasil.
  2. Cliente aplica no fundo, e o fundo compra cotas de um outro fundo domiciliado no exterior, que, por sua vez, compra os ativos negociados no exterior. Geralmente se dá quando a gestora do fundo está sediada fora do Brasil.

#3 Quais são os principais custos para os fundos internacionais?

Primeiramente, vale lembrar que as taxas cobradas pelos fundos de investimento – tanto no Brasil quanto no exterior – são destinadas a remunerar os diferentes prestadores de serviço envolvidos na atividade do fundo: Gestor, Administrador, Custodiante, Controlador, Auditor, entre outros.

Enquanto, no Brasil, as taxas relevantes para um fundo são a (i) taxa de administração e a (ii) taxa de performance, no exterior as taxas relevantes são (i) ongoing charges (na tradução livre, “custos recorrentes”) e (ii) performance fee (taxa de performance).

Assim, para determinar os custos totais de um produto internacional, é preciso identificar se o fundo compra cotas de um veículo no exterior. Em caso positivo, basta somar as taxas do produto domiciliado no Brasil com as taxas do produto domiciliado no exterior.

Caso contrário, os custos totais são determinados pelas taxas da estrutura local. A informação sobre a estrutura do produto pode ser encontrada diretamente na página do fundo no site da Expert.

Vale ressaltar que, no caso de o fundo internacional comprar um outro fundo domiciliado no exterior, na maioria das vezes a soma das taxas de administração não passa de 2,00% e não há taxa de performance, logo os produtos são mais baratos do que a maioria dos fundos locais, que cobram usualmente taxa de administração de 2,00% e 20% de taxa de performance.

 #4 Como funciona a proteção cambial nos fundos internacionais?

Na maioria dos casos, os fundos internacionais compram ativos cotados em dólar. Assim, para compor a carteira, o gestor precisa, primeiramente, comprar o dólar, para então comprar os ativos.

Com isso, antes mesmo de montar sua carteira, o fundo ganha a exposição comprada na moeda estrangeira, comumente o dólar.

E é por conta dessa característica operacional que surgem os conceitos que chamamos de fundos hedgeados (do inglês “hedge”, que significa proteção) e não hedgeados:

  • Se o gestor do fundo, ao comprar dólar para compor sua carteira no exterior, também realiza uma operação de venda do dólar (via contratos futuros/derivativos) na mesma proporção, dizemos que o fundo é hedgeado.
  • Se o gestor não realiza a operação casada da venda do dólar via derivativos ao compor sua carteira, dizemos que o fundo é não hedgeado.

Note que o conceito de proteção cambial é válido ao analisarmos unicamente a operação de compra de ativos para o fundo e não quais são esses ativos. Digo isso, pois não necessariamente um fundo hedgeado vai estar 100% protegido da variação do dólar, assim como um fundo não hedgeado não necessariamente vai seguir 100% da variação do dólar.

Tudo depende da maneira como o gestor queira montar sua carteira – por exemplo, se o gestor de um fundo hedgeado estiver otimista com a valorização do dólar, é possível que ele monte posições compradas no dólar contra o real. Novamente, o conceito de hedgeado x não hedgeado se refere à maneira como os ativos são comprados e não quais serão esses ativos (processo independente).

#5 Como descobrir informações do histórico de performance desses fundos?

Para fundos domiciliados no Brasil, é comum utilizarmos sites públicos de comparação de fundos, como Mais Retorno ou Vérios, assim como plataformas de dados pagas, como Quantum Axis ou Economatica. Basta ter em mãos o CNPJ do fundo e inserir nos buscadores.

Quando se trata de fundos internacionais, muitas vezes a estratégia tem um histórico longo, mas que é atrelado a um produto domiciliado no exterior, o que não é exibido nos comparadores tradicionais. Por outro lado, é possível acessar sites estrangeiros para conferir o histórico – basta ter em mãos o identificador análogo ao CNPJ para os fundos internacionais, que é o “ISIN” (do inglês “International Securities Identification Number”, o qual pode ser verificado nas respectivas páginas dos produtos internacionais no site da Expert).

Um site de fácil acesso é a plataforma de dados de mercado do Financial Times. Como exemplo, vale conferir o histórico de performance do fundo Wellington Ventura no exterior – clique aqui!

#6 Por que a maioria dos fundos internacionais é destinada a investidores qualificados?

Por exigência da CVM – autarquia que regula a indústria de fundos – os fundos que compram mais de 67% do patrimônio líquido em ativos no exterior devem ser destinados a investidores qualificados.

Isso abrange a maioria das alternativas de fundos internacionais, sobretudo os fundos de gestão ativa. Isso ocorre, pois, para que seja um fundo internacional destinado a investidores em geral, o fundo precisa implementar sua estratégia por meio dos ativos negociados na B3 (a bolsa brasileira), que oferece um leque muito restrito de ativos internacionais.

Como exemplo positivo, os produtos da família Trend (saiba mais aqui) são fundos passivos que conferem acesso a mercados internacionais e são destinados a investidores em geral – pois a estratégia é implementada por meio de derivativos na B3.

#7 Por que investir em fundos internacionais?

Existem vários motivos para adicionar um fundo internacional em sua carteira, e seguem os três principais a meu ver:

  • Diversificação geográfica: a diversificação da carteira é fundamental para garantir seu equilíbrio e “saúde” no longo prazo, e com isso, os fundos internacionais são uma ótima ferramenta de diversificação, englobando uma variedade de geografias ao redor do mundo: Estados Unidos, América Latina, Europa, Ásia, China, Mercados Emergentes, Mercados Globais, etc.
  • Diversificação de estratégias: as economias centrais possuem mercados financeiros mais desenvolvidos do que o da economia brasileira, e com isso surgem uma variedade de ativos e estratégias de fundos de investimento no exterior. Existem estratégias que só são encontradas em mercados internacionais, ou ainda que são muito pouco representativas no Brasil, como as estratégias de eventos corporativos no mercado de ações. Com isso, investir em fundos internacionais é uma oportunidade de acessar estratégias que só são encontradas no exterior.
  • Exposição às maiores gestoras do mundo: no exterior, temos exemplos de gestoras cujo total de ativos sob gestão é maior do que toda a indústria brasileira de fundos de investimento, como a gigante BlackRock. São empresas com estruturas extremamente robustas, o que reflete em equipes de investimento muito desenvolvidas e consolidadas, com uma grande quantidade de profissionais seniores, além de processos de investimento bem estabelecidos e formalizados. Investir em fundos internacionais é ter a oportunidade de estar com as maiores e mais consolidadas empresas de gestão de recursos do mundo.

Confira a lista dos principais fundos internacionais da plataforma XP, no Top 20 – Internacional:

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.