Família Selection: confira o resumo de junho de 2021

Confira um resumo do que aconteceu com os fundos da família Selection ao longo do mês de junho


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

1. Fundos de Renda Fixa

Os fundos de crédito tiveram mais um bom mês, encerrando junho com retornos bastante acima do CDI. Um “mais do mesmo” positivo: observamos a continuidade da diminuição das taxas de negociação dos ativos de crédito no mercado secundário de debêntures e letras financeiras, principalmente (o famoso “fechamento do spread de crédito”), que acaba impactando positivamente a rentabilidade de tais ativos e dos fundos dessa categoria.

Por fim, ajudou também a alta da taxa Selic, que torna os fundos pós-fixados nominalmente mais rentáveis. Como referência para as debêntures mais líquidas do mercado, o índice Idex-CDI encerrou o mês com taxa média em torno de CDI+1,8% a.a.

Em termos de retorno agregado, o índice IDA-CDI (índice de debêntures da Anbima) teve alta de 0,55% no período. Gestores, mais uma vez, relatam uma ampla oferta de novos ativos disponíveis no mercado, o que tem ajudado a conseguirem taxas ainda atrativas para alocar os recursos que têm sido captados.

Selection Renda Fixa

  1. Retornos: O Selection Renda Fixa teve alta de 0,54% no mês, contra 0,31% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 5,15%, contra 2,28% CDI no mesmo período.
  2. Destaques: no mês, destaque para a performance dos fundos Capitania TOP (+0,81%), Arx Everest (+0,70%) e Icatu Vanguarda Credit Plus (+0,70%).
  3. Carteira: as alocações seguem pulverizadas em fundos de estratégias de crédito “High Grade”, com as maiores alocações concentradas em: SPX Seahawk, JGP Corporate, Augme 45, XP Corporate Light (antigo XP Investor), ARX (ARX Vinson e ARX Everest), Polo Crédito Corporativo e Icatu Credit Plus.

Selection RF Plus

  1. Retornos: O Selection RF Plus teve alta de 0,63% no mês, contra 0,31% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 5,72%, contra 2,28% do CDI no mesmo período..
  2. Destaques: no mês, destaque para a performance dos fundos Empirica Lotus (+0,75%), Augme 90 (+0,68%) e Iridium Titan (0,58%).
  3. Carteira: as alocações seguem pulverizadas em fundos de crédito mais arrojados (estratégia “high yield”), com as maiores alocações concentradas em: Augme 90, XP Crédito Estruturado 360, Empírica Lótus, Solis Capital Antares e Canvas High Yield.

Selection Debêntures Incentivadas

  1. Retornos: O Selection Debêntures Incentivadas teve alta de 0,62% no mês, contra 0,31% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 6,20%, contra 2,28% do CDI no mesmo período.
  2. Destaques: no mês, destaque para a performance dos fundos JGP Deb. Incentivadas (+1,15%) e Capitania Infra (+1,01%).
  3. Carteira: as alocações seguem distribuídas em fundos de debêntures incentivadas, com principais exposições aos fundos das gestoras ARX (Hedge e Elbrus), XP (Deb. Incentivadas e Hedge) e JGP. Seguimos com a estratégia de migração da carteira para termos cerca de 50% de alocação em fundos com hedge (para o CDI) e 50% de fundos sem hedge (com exposição aos juros reais).

2. Fundos Multimercados

No âmbito local, os gestores se beneficiaram, na média, tanto da alta do Ibovespa quanto da forte desvalorização do dólar (ganhos para aqueles com posições mais construtivas com Brasil). Já pelo lado dos títulos prefixados/mercado de juros, houve ganhos para posições “tomadas” (apostando na alta dos juros futuros).

No cenário internacional, destaque de ganho para gestores com posições compradas em bolsa americana, principalmente em ações do setor de tecnologia, que teve fortes ganhos no mês.

No geral, as principais apostas continuam em um cenário mais otimista para Brasil, recuperação das bolsas globais e desvalorização do dólar americano contra outras moedas.

Selection Multimercado

  1. Retornos: o Selection Multimercado teve alta de 0,57% no mês, contra 0,31% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 7,15%, contra 2,28% do CDI no mesmo período.
  2. Destaques: os destaques positivos do mês foram os fundos Truxt Long Short (+2,00%), RPS Total Return D60 (+1,71%) e JGP Strategy (+1,00%).
  3. Carteira: as principais alocações estão em fundos de estratégia Macro (~ 53% PL), Quantitativos (~ 15% PL), Long Short/Long Biased (~ 10% PL), Internacionais (~ 10%) e Multiestratégia (~ 7% PL). As principais posições individuais da carteira são os fundos JGP Strategy, Occam Retorno Absoluto, Absolute Alpha Global, Kapitalo Kappa, Kadima FIC FIM. Neste mês adicionamos o fundo AZ Quest Multi à carteira.

Selection Multimercado Plus

  1. Retornos: o Selection Multimercado Plus teve alta de 0,47% no mês, contra 0,31% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 9,92%, contra 2,28% do CDI no mesmo período.
  2. Destaques: os destaques positivos do mês foram os fundos RPS Total Return D60 (+1,71%), Giant Zarathustra (1,55%) e Absolute Vertex (0,88%).
  3. Carteira: as principais alocações estão em fundos de estratégia Macro (~ 42% PL), Quantitativos (~ 13% PL), Long Short/Long Biased (~ 20% PL), Internacionais (~ 13%) e Multiestratégia (~ 7% PL). As principais posições individuais da carteira são os fundos Kapitalo Zeta, Verde AM X60, Kinea Atlas, Absolute Vertex Advisory FIC FIM, RPS Total Return Advisory D60 FIC FIM e Absolute Alpha Marb..

Selection Multimercado Prev XP Seguros

  1. Retornos: o Selection Multimercado XPS (Prev) teve alta de 0,70% no mês, contra 0,31% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 6,90%, contra 2,28% do CDI no mesmo período.
  2. Destaques: os destaques no mês foram os fundos Navi Long Short Prev (+2,02%), Pacifico LB Prev (+1,11%) e JGP Multimercado Prev (+1,10%).
  3. Carteira: as principais alocações individuais da carteira são os fundos Ibiuna Previdência Master FIM, Kinea Prev II, Legacy Prev, Verde Scena Prev, JGP Multimercado Prev, Kadima Prev e SPX Lancer XP Seg Prev FIC FIM.

Selection Multimercado Novos Gestores

  1. Retornos: o Multimercado Novos Gestores completou 6 meses ao final de junho e, no período, teve alta de 2,62%, contra 1,28% do CDI. É focado em investir em fundos estratégias que estejem nos estágios iniciais de vida ou que tenham passado por uma forte reestruturação num período inferior a 2 anos. Muitas vezes os fundos alocados serão de gestoras que estão nascendo e, em algumas vezes, serão estratégias novas dentro de uma gestora que já está há mais tempo no mercado.
  2. Destaques: os destaques do mês foram os fundos Genoa Capital Radar (+2,74%), XP Investor Equity Hedge (+1,79%) e Ace Capital (+1,02%).
  3. Carteira: as principais alocações individuais da carteira são os fundos: Genoa Capital Radar Advisory FIC FIM, XP Investor Equity Hedge I FIC FIM, ACE Capital Advisory FIC FIM, Absolute Alpha MARB II FIC FIM e Grimper Blanc Advisory FIC FIM.

Selection Multimercado Internacional

  1. Retornos: o Selection Multimercado Internacional teve leve queda de 0,12% no mês, contra alta de 0,31% do CDI. Em 12 meses, o retorno acumulado é de 12,89%, contra 2,28% do CDI no mesmo período.
  2. Destaques: os destaques positivos do mês foram os fundos Morgan Stanley US Advantage (+9,39%), AXA WF Digital Economy (+5,94%) e Morgan Stanley Global Brands (+2,77%).
  3. Carteira: a carteira encerrou o mês com um balancemanto de ~ 55% em fundos Multimercados Internacionais, ~ 15% em fundos de Renda Fixa Internacional e cerca de 21% em fundos de Ações Internacionais. As principais posições individuais da carteira são os fundos Wellington Schroder Gaia (Pagosa), Blackrock Global Event Driven, Chilton LS Dolar Master FIA IE, Bridgewater CoreGlobal Macro Adv Master FIM IE e JP Morgan Global Macro. A exposição agregada a dólar fechou o mês com cerca de 11% do PL.

3. Fundos de Renda Variável

No cenário internacional, destaque para o desempenho misto das bolsas: queda nos países asiáticos e europeus, na média, altas nos EUA e América Latina. Nas bolsas americanas, observamos um forte desempenho de empresas ligadas ao setor de tecnologia, impactadas pelo cenário macroeconômico em que diminuíram um pouco as incertezas com relação aos juros futuros americanos (que impacta bastante empresas de alto crescimento).

Apesar dos ruídos políticos ao longo do mês, a bolsa local se beneficiou desse cenário, tanto pelo fato de nosso Banco Central ter adotado uma postura mais firme no combate à inflação quanto pelas boas perspectivas de um avanço mais rápido na campanha de vacinação contra o covid-19.

No geral, gestores foram beneficiados com posições no setor de varejo e com exposição ao setor de óleo e gás (Petrobras).

Selection Long Biased

  1. Retornos: o Selection Long Biased encerrou o mês com alta de 1,45%, contra 0,75% do índice IPCA+Yield IMA-B. Nos últimos 12 meses, o fundo acumula alta de 24,33%, contra alta de 11,00% do IPCA+Yield IMA-B e 2,28% do CDI.
  2. Destaques: os destaques positivos foram os fundos XP Long Biased (+5,93%), Safari 45 (+3,03%), Tavola Absoluto (+2,71%).
  3. Carteira: as principais alocações individuais da carteira são os fundos Oceana Long Biased, Dahlia Total Return, Kadima Long Bias, XP Long Biased, Pacífico LB,Tavola Absoluto e Sharp Long Biased Advisory FIC FIA.

Selecion Ações

  1. Retornos: O Selection Ações teve alta de 1,45% no mês, contra alta de 0,46% do Ibovespa. Nos últimos 12 meses, o fundo sobe 31,67%, contra uma alta de 33,40% do índice no mesmo período.
  2. Destaques: Brasil Capital Sustentabilidade (+2,25%), Dynamo (+1,77%), Constellation Institucional (+1,75%).
  3. Carteira: as principais alocações individuais da carteira são os fundos As principais alocações individuais da carteira são os fundos DCG Advisory (Dynamo Cougar), Brasil Capital Suntentabilidade, Squadra Long Only, Tork Long Only Institucional, XP Investor, Moat Capital, Constellation Institucional e AT Advisory (Atmos).

Selection Ações ESG

  1. Retornos: o Selection ESG Ações teve alta de 1,51% no mês, contra alta de 0,46% do Ibovespa e de 0,28% do índice S&P/B3 Brasil ESG. Desde seu início, o fundo rende 13,06%, contra 23,21% do Ibovespa e 11,32% do índice S&P/B3 Brasil ESG.
  2. Destaques: Constellation ESG (2,44%), JGP ESG (+2,40%) e Brasil Capital Sustentabilidade (+2,25%).
  3. Carteira: as principais alocações atualmente estão nos fundos Brasil Capital Sustentabilidade, Constellation Compounders ESG, Fama, JGP ESG Institucional e XP Investor ESG. Neste mês adicionamos à carteira o fundo Indie 2 FIC Ações.

Selecion Ações Novos Gestores

  1. Retornos: o Ações Novos Gestores completou 6 meses e, no período, teve alta de 6,60%, contra 6,54% do Ibovespa. É focado em investir em fundos ou estratégias nos estágios iniciais de vida ou que tenham passado por uma forte reestruturação num período inferior a 2 anos. Muitas vezes os fundos alocados serão de gestoras que estão nascendo e, em algumas vezes, serão estratégias novas dentro de uma gestora que já está há mais tempo no mercado.
  2. Destaques: Constellation Inovação (+12,63%), Alpha Key (+3,63%) e Encore Ações (+2,62%).
  3. Carteira: as principais alocações individuais da carteira são os fundos Constellation Inovação, XP Long Term Equity Institucional FIC FIA, Alpha Key Institucional FIC FIA, Encore Long Bias Advisory FIC FIM, Absoluto Partners Advisory FIC FIA.

Selecion Ações Globais

  1. Retornos: o Selection Ações Globais teve alta de 2,32% no mês, contra alta de 1,20% do índice de bolsas globais MSCI ACWI (sem exposição cambial). Desde o início, o fundo sobe 15,05%, contra uma alta de 18,12% do índice no mesmo período.
  2. Destaques: Morgan Stanley US Advantage (+9,39%), AXA WF Digital Economy (+5,94%) e Morgan Stanley Global Brands (+2,77%).
  3. Carteira: as principais alocações individuais da carteira são os fundos Wellington Ventura Advisory FIA IE, AXA WF Digital Economy FIA IE, M Global Opportunity Adv Master IE FIA, Ashmore EM Equity FIA IE e Wellington European Equity FIA IE.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.