Bate-papo com Arturo Profili da Capitânia

Oportunidades em várias classes de ativos


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

No dia 19 de março conversamos com Arturo Profili, sócio e gestor das estratégias de crédito privado da Capitânia.

O problema é o mercado secundário

Segundo Arturo, ainda não há qualquer problema de crédito nos fundos de crédito privado. Os setores mais impactados pela atual crise não acessam tanto o mercado de capitais. O problema que estamos enfrentando é uma questão puramente técnica. O preço de compra e o preço de venda estão muito distantes, dificultando que hajam negociações no mercado secundário. Como precaução, gestores da classe estão construindo um colchão de liquidez, trocando LFs por LFTs, o que aumenta a pressão vendedora nos papéis.

Para Arturo, algumas classes de títulos já possuem alguma liquidez. Papéis de infraestrutura, que são vendidos hoje a uma taxa de inflação mais 6 a 7% ao ano, possuem compradores naturais, como os fundos de pensão por exemplo. Mas até chegarem nesse nível, os preços dos papéis sofreram bastante, principalmente por terem prazos de vencimento longos.

Fundos da gestora caindo

Arturo explicou que os fundos Capitânia Top e Capitânia Premium estão apresentando retorno negativo no mês por possuírem posições em Fundos Imobiliários de CRIs, que estão tendo fortes perdas, mas segundo ele são perdas temporárias. Por isso acredita que o momento é impecável para recomendar FIIs, além de debêntures de Infraestrutura pelas altas taxas citadas anteriormente.

Oportunidades em diversas classes

Para Arturo, existem boas oportunidades em todos os tipos de debêntures. No caso das high grade e debêntures de infraestrutura existem taxas atrativas mas acredita que antes de 90 dias o mercado secundário não melhora. Fundos de CRIs são uma ótima oportunidade pois sofreram demais nas últimas semanas. No caso dos FIIs existem algumas opções com desconto. Na classe de FIDCs é melhor dar preferência para a classe dos fundos de infraestrutura e no caso de CRIs e CRAs o foco deve ser em papéis com bom risco corporativo (Suzano é um bom exemplo).

Arturo também comentou que os papéis de instituições financeiras estão com baixa liquidez e taxas maiores. Porém, não vê problema pois bancos estão muito robustos. A seleção natural que existiu foi forte nos últimos 10 anos. Por isso, não vê risco sistêmico no setor bancário.

Como está vendo as carteiras dos fundos da casa

Arturo acha que com o atual cenário poderemos ter problemas em setores específicos. Por isso, é necessário focar nos setores mais competitivos e nas empresas dominantes.

Os fundos da Capitânia possuem 200 casos de crédito diferentes. É possível que algumas empresas tenham que alongar suas dívidas mas devemos ter algo bem organizado. Arturo já tem isso na cabeça e sua equipe está analisando todos os casos para ver quem vai aguentar e quem não vai. Por isso, quer se antecipar a qualquer problema que possa surgir.

Especificamente para os fundos de crédito high yield, acredita que as empresas da classe não vão conseguir vir a mercado para alongar suas dívidas agora. A dinâmica normal para esse mercado deve voltar daqui cerca de 6 meses. Mas ele também não está preocupado pois o Brasil viveu um bom período nos últimos 18 meses, com as empresas conseguindo se financiar e levantar capital, por isso elas têm folego para passar pela crise.

Os fundos de previdência da Capitânia estão rodando na média com 40% de caixa. O fundo Capitânia Prev Advisory XP Seg FI RF CP tem 3% da carteira alocados em FIIs, já o fundo Capitânia Previdence Advisory Icatu FIRF CP não tem nada nessa classe de ativo. Não está adicionando risco nos fundos por enquanto.

O fundo REIT 90 fica balanceado entre as cinco classes de fundos imobiliários. Arturo acredita que o momento de risco/retorno do fundo é bom para entrar. Preços dos FIIs estão muito atrativos. Desde o fim do ano está com uma carteira mais conservadora do que a composição do IFIX (índice de FIIs da Bovespa). Por isso, está conseguindo se defender bem nesse momento de queda.

No geral, Arturo não está enxergando tanto risco quanto o que está vendo de oportunidades em todas as classes de ativos.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.