Zeina Latif: Não ignore os sinais

No início de junho discuti que o mercado financeiro, principalmente o local, sofria de miopia. Celebrava o corte da taxa de juros no curto prazo pelo Fed, o banco central americano, e minimizava os riscos de médio/longo prazos advindos da desaceleração da economia mundial.


Compartilhar:


No início de junho discuti que o mercado financeiro, principalmente o local, sofria de miopia. Celebrava o corte da taxa de juros no curto prazo pelo Fed, o banco central americano, e minimizava os riscos de médio/longo prazos advindos da desaceleração da economia mundial.

Já os investidores globais foram mais cautelosos, mostrando-se seletivos na alocação de seus recursos. Ao longo do primeiro semestre, houve aumento da demanda por títulos da dívida de governos de países desenvolvidos e por ouro, e menor fluxo para países emergentes.

O humor dos mercados pode mudar rapidamente, e isso aconteceu no mês passado. Existindo ou não a “maldição de agosto”, não convém ignorar os sinais emitidos. O investidor global está ainda mais preocupado e quer proteger seu patrimônio.

Crescentemente, os investidores globais têm preferido colocar seus recursos em “portos seguros”, pois a expectativa de ganho com investimentos mais arriscados não compensaria o risco corrido. O resultado é a queda da taxa de juros dos títulos públicos de economias avançadas e a alta expressiva da cotação do ouro.

A elevada liquidez mundial, fruto da injeção de recursos feita pelos bancos centrais como resposta à crise global de 2008-09, empurra ainda mais para baixo os juros desses papéis por conta da elevada demanda por proteção. Na Europa, as taxas de juros estão negativas. Os investidores pagam para ter seus recursos protegidos.

A ideia que os juros baixos/negativos no mundo desenvolvido estimulariam os fluxos de capitais para países emergentes, como o Brasil, é equivocada. É justamente o contrário. Os juros baixos refletem a falta de apetite por investimento nesses países. O ambiente global precisa melhorar para o investidor ficar menos conservador.

Nos EUA há uma outra patologia: os juros da dívida pública com vencimento mais longo, como as Treasuries de 10 anos, estão no campo positivo, mas são inferiores à taxa básica ou às de curto prazo. Na linguagem técnica diz-se que a curva de juros está invertida. O normal seria os juros mais longos serem mais elevados do que os de curto prazo, afinal o risco é maior conforme se estende o vencimento da dívida.

O problema é que esse fenômeno tem sido associado a recessões adiante. O canal seria pelo mercado de crédito. As instituições de crédito tomam recursos no curto prazo e emprestam no longo prazo. Com juros longos mais baixos, a oferta de crédito tende a se retrair, machucando a atividade econômica.

Com a fraqueza da economia mundial, muitos analistas defendem políticas de estímulo, como cortes de juros pelos bancos centrais e aumento dos gastos do governo. As chamadas políticas anticíclicas são bem-vindas, mas nem sempre estão disponíveis (não convém países com problemas fiscais gastarem mais) ou são efetivas (estímulos ao crédito podem ter efeito limitado quando é o endividamento na economia é alto).

O que realmente poderia mudar a dinâmica da economia mundial seria algo difícil de acontecer tão cedo: a volta de políticas de abertura comercial. Os ataques à globalização, ainda que injustos, dominam a cena global.

O crescimento do comércio mundial gerou aumento da produtividade, maior crescimento e bem-estar social no mundo. Houve também melhora da distribuição de renda no mundo em favor de economias emergentes e redução da pobreza. Claro que há perdedores: há evidências de que o avanço do setor produtivo nas economias asiáticas gerou perda de empregos da classe média nas economias desenvolvidas.

Porém, não parece correto responsabilizar a globalização por toda bronca dessa classe média. A fatura precisa ser dividida com a crise global da década passada.

Com poucas exceções, como o acordo Mercosul-União Europeia, a agenda de abertura comercial está congestionada, em meio ao enfraquecimento dos organismos multilaterais. Justo aquilo que seria o verdadeiro remédio para a retomada do crescimento mundial está em baixa.

Tempos desafiadores que exigem perseverança na agenda doméstica.

05 de Setembro de 2019

Fonte: Artigo replicado do Estadão

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM