XP Expert

Zeina Latif: O otimismo cauteloso

A expressão “otimismo cauteloso” tem sido utilizada com frequência por lideranças do setor privado para descrever o atual sentimento em relação ao Brasil. Por ora, o quadro de incertezas sobre o cenário econômico faz a balança pender mais para o “cauteloso” do que para o “otimismo”. Os empresários estão mais confiantes, mas não a ponto […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A expressão “otimismo cauteloso” tem sido utilizada com frequência por lideranças do setor privado para descrever o atual sentimento em relação ao Brasil. Por ora, o quadro de incertezas sobre o cenário econômico faz a balança pender mais para o “cauteloso” do que para o “otimismo”.

Os empresários estão mais confiantes, mas não a ponto de aumentar contratações e investimentos. Aguardam os sinais da política. Ajuda, e muito, a alta qualidade da proposta de reforma da Previdência, buscando uma importante economia de recursos, incluindo os Estados e contemplando um sistema mais justo socialmente. Sua aprovação será fator central para redução das incertezas. O primeiro semestre será de compasso de espera.

Em que pese o emblemático fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, ao menos o pessimismo tem tido peso bem menor no sentimento dos empresários. Afinal, não estamos em 2015, apesar de a situação fiscal ser mais grave. É um outro perfil de presidente, mais pragmático e humilde quanto ao seu desconhecimento de Economia; outro debate econômico, menos influenciado pelo equivocado nacional-desenvolvimentismo, que produziu uma crise sem precedentes; e outro contexto político, mais benigno, já que Bolsonaro ganhou a eleição com margem confortável e não carrega o peso de um primeiro mandato conturbado.

Por outro lado, há razões para cautela. O quadro econômico é frágil, com a economia quase estagnada. As reformas necessárias para resolver a crise fiscal são politicamente desafiadoras e envolvem contrariar muitos interesses. Os grupos afetados, principalmente do funcionalismo, estão se organizando e poderão frustrar bastante as pretensões do time econômico em relação ao escopo da reforma. O governo inexperiente e pouco coeso tropeça na política.

O Brasil é um país difícil, e isso não será mudado rapidamente. Os tristes acontecimentos neste início de ano que ceifaram vidas servem de alerta da falência do Estado. O poder público não cumpre bem o papel de regulação e fiscalização da atividade privada e os governos gastam boa parte do dinheiro público com a folha do funcionalismo e sua Previdência, deixando de cuidar das pessoas e da infraestrutura.

Isso não quer dizer que a sociedade não tenha sua parcela de responsabilidade. Não o mais humilde, que não tem acesso à educação de qualidade e sofre com a desigualdade de oportunidades, mas a elite, que deveria dar o exemplo.

Um exemplo singelo: na terça-feira, a capa do Estadão trouxe a triste foto do lixo carregado pelo Rio Tietê por conta das fortes chuvas. Não é só culpa do mau funcionamento do Estado, que não cuida devidamente da limpeza das ruas, da coleta e tratamento do lixo. É também da sociedade. Quando se percorre os bairros ricos em São Paulo, o lixo espalhado pela rua, algo pouco visto nos vizinhos da América Latina, indica que necessitamos de um choque civilizatório. Somos uma sociedade em que o sentimento de responsabilidade social é fraco.

Em um contexto mais amplo, as reações dos diferentes grupos à reforma da Previdência são mostra de nossas dificuldades para olhar o outro. A bancada da agropecuária ameaça não apoiar a reforma se o ministro Guedes insistir em políticas de cunho liberal para o setor. Justamente o setor que menos paga impostos. Alguns governadores pressionam o Congresso e o governo por uma nova renegociação da dívida e outras benesses como contrapartida por apoiar a reforma da Previdência, apesar de os governos estaduais serem beneficiados pelas mudanças no regime previdenciário. Corporações do funcionalismo exercem forte pressão para não perderem seus privilégios. E assim vai.

Economia e política não andam separadas por muito tempo. A fraqueza da economia impacta a política, cedo ou tarde, e a aprovação de reformas econômicas depende da política. Caberá ao presidente exercer liderança para não cair nesse círculo vicioso.

21 de Fevereiro de 2019

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.