XP Expert

Zeina Latif: O caminho do alívio

O governo faz esforços para corrigir políticas econômicas equivocadas e avançar com reformas, visando a estabilizar o ambiente macroeconômico. Para alguns, a estratégia é equivocada. Para outros, é insuficiente, já que um ambiente macroeconômico saudável não garante o crescimento sustentado. Mas é o alicerce. Poderemos nos surpreender com os frutos da estabilização da economia. Um […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O governo faz esforços para corrigir políticas econômicas equivocadas e avançar com reformas, visando a estabilizar o ambiente macroeconômico. Para alguns, a estratégia é equivocada. Para outros, é insuficiente, já que um ambiente macroeconômico saudável não garante o crescimento sustentado. Mas é o alicerce. Poderemos nos surpreender com os frutos da estabilização da economia.

Um quadro instável, com inflação e juros elevados, desestimula o investimento e a geração de empregos. Além disso, reduz a eficácia das políticas públicas e desvia a agenda econômica do objetivo de promover um ambiente pró-crescimento e equidade.

Na origem de desequilíbrios macroeconômicos há, com frequência, um regime fiscal desestabilizador, que é quando o aumento da dívida pública é de tal ordem que desperta desconfiança quanto à capacidade do governo de honrá-la. Esse é o fantasma do Brasil do passado ressuscitado na gestão Dilma. Abusamos de estímulos fiscais e mergulhamos na armadilha de inflação elevada e recessão.

Arrumar a macroeconomia vale a pena. O governo Temer já colhe resultados dos esforços, alguns iniciados na gestão Dilma ainda que claramente insuficientes. Apesar da fragilidade da economia, a inflação cede, bem como as expectativas inflacionárias, e, consequentemente, a taxa de juros do Banco Central. Quadro bem diferente daquele do início de 2016, quando se discutia a necessidade de elevar ainda mais a taxa de juros para conter a inflação, que ameaçava subir em espiral.

A queda da inflação é o primeiro sinal de acerto da estratégia do time econômico, apesar de equívocos como os ajustes de salários de servidores públicos e os reveses na renegociação da dívida dos Estados. A febre cede e reforça o diagnóstico de ajuste fiscal como instrumento para sair da crise.

Quanto os juros poderão cair? Pelos parâmetros do passado recente, a política monetária no “ponto morto”, sem estimular nem contrair a demanda, implicaria taxa Selic pouco acima de 9,5%.

Mas podemos ir além, sem que isso produza pressão inflacionária. A razão é que a taxa de juros de equilíbrio (aquela necessária para manter a inflação estável) está provavelmente em queda em função da nova agenda econômica.

Do lado macroeconômico, há reformas estruturais (regra do teto de gastos e reforma da Previdência) para estabilizar o regime fiscal e, no futuro, elevar a poupança na economia e uma gestão responsável e transparente da política fiscal, sem pedaladas e com redução de restos a pagar após anos de aceleração. Do lado microeconômico, maior racionalidade e autonomia de estatais e bancos públicos, além de mudança de regras do pré-sal e retomada de leilões de infraestrutura.

É possível que o espaço para relaxamento monetário seja quase proporcional ao de 2005-07, quando o BC cortou a taxa Selic em 8,5 pontos porcentuais em dois anos, partindo de 19,75%.

São momentos diferentes. Lá atrás, o quadro fiscal era mais favorável com dívida pública em queda. Por outro lado, a economia estava aquecida, com baixa ociosidade e desemprego em queda. O oposto de agora.

Em comum, ambos os períodos são de fortalecimento de fundamentos. No Lula 1, agenda microeconômica e melhora dos fundamentos externos. Agora, ajuste fiscal. Além disso, um BC com credibilidade e expectativas inflacionárias em queda.

O cenário não deixa de ser desafiador. A política monetária é melindrosa. A janela para afrouxamento se fecha diante de turbulências políticas, erros de política econômica e perda de confiança no governo. O corte de juros não pode ser fruto de voluntarismo, mas sim de oportunidade construída.

O espaço para redução da Selic pode surpreender – quem sabe uma taxa em torno de 7,5% – com importante impacto na economia. Contribuindo ainda para avançar na agenda microeconômica pró-crescimento. Primeiro, o alívio depois de sufocantes equívocos. Depois, a chance de um ciclo virtuoso.

26 de Janeiro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.