DEB Raizen – JUN/2030

DEB Raizen – JUN/2030

  • Vencimento 17/06/2030
  • Rentab. -
  • Liquidez -
  • Juros -
  • Rating AAA(bra)
  • Risco (0 - 100) 24 Risco Médio

    A nova pontuação de risco leva em consideração critérios de risco, mercado e liquidez. Para saber mais, clique aqui.

  • Preço Unitário R$ 1.000,00

Análise do Emissor

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O Grupo Raízen é o maior grupo de combustível integrado do mundo, atuante desde a produção de cana-de-açúcar até a distribuição de combustíveis. Além disso, é o principal fabricante de etanol de cana-de-açúcar do país e o maior exportador individual de açúcar de cana no mercado internacional. No início da safra 2020/21, a empresa foi negativamente afetada pelo avanço da pandemia da covid-19 e das medidas de distanciamento social, que foram responsáveis pela redução do consumo de etanol e contração das suas cotações. Porém, a recuperação da atividade econômica a partir de meados de maio foi responsável pelo aumento da demanda por combustíveis no país, ajudando na retomada dos resultados da empresa. No exercício, a Raízen apresentou contração de 3,6% em seu EBITDA ante o acumulado na temporada anterior, para R$ 6,8 bilhões. A dívida líquida totalizou R$ 12,9 bilhões e a relação Dívida Líquida / EBITDA atingiu 2,1x ao fim de março, ante 1,9x em março de 2020. A empresa possui covenant de alavancagem de 3,5x.

Destaques positivos

  • Maior produtor de cana de açúcar global em volume de moagem.
  • Segunda maior distribuidora de combustíveis no Brasil.
  • Verticalização dos negócios de etanol e diversificação das operações.

Pontos de atenção

  • Suscetível a quebras de safra.
  • Dependência de fornecedores.
  • Exposta à volatilidade de preços e de mercado de açúcar e combustíveis
  • Eletrificação da rede de carros.

Quem é a Raízen?

História

A Raízen Energia foi fundada em 2011, por meio da integração de parte dos negócios da Cosan, até então maior produtora mundial de açúcar e álcool, e da operação brasileira da Shell. A nova empresa assumiu as unidades da Cosan responsáveis pelas atividades de produção de açúcar e etanol e cogeração de energia e as operações de distribuição e comercialização de combustíveis de ambas as companhias.

Em 2012, a Raízen consolidou parceria com a rede de postos Mime, original de Santa Catarina, reforçando sua presença no sul do Brasil.

O primeiro duto para transporte exclusivo de etanol do mundo foi inaugurado em 2013 pela empresa Logum, a qual a Raízen possui participação. O empreendimento transporta o álcool da cana entre os centros produtores e consumidores de Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

A primeira emissão de debêntures da companhia ocorreu em 2013, com captação de R$ 750 milhões.

A empresa adquiriu os ativos de refino e distribuição de combustíveis da Shell na Argentina em 2018, primeiro passo para a internacionalização das suas operações.

Em fevereiro de 2021, a Raízen anunciou acordo para aquisição da Biosev, uma das líderes mundiais no setor sucroalcooleiro, com 13 unidades produtoras no país. A transação envolve a emissão de novas ações e o desembolso de R$ 3,6 bilhões, para refinanciamento da dívida da controladora, e foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no último mês de março.

Atuação

O Grupo Raízen é o maior grupo de combustível integrado do mundo, atuante desde a produção de cana-de-açúcar até a distribuição de combustíveis. Além disso, é o principal fabricante de etanol de cana-de-açúcar do país e o maior exportador individual de açúcar de cana no mercado internacional.

A empresa possui capacidade instalada para moagem de 73 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, que produzem cerca de 2,5 bilhões de litros de etanol por ano e 4,2 milhões de toneladas de açúcar.

Com a concretização da aquisição da Biosev, a Raízen aumentará seu número de usinas produtivas no Brasil de 26 para 35. À nível de grandeza, essas 35 usinas juntas foram responsáveis pela moagem de 105 milhões de toneladas de cana na safra 2019/20, o que correspondeu a 17,8% da produção da região Centro-Sul do Brasil.

As atividades voltadas à produção e comercialização de açúcar, etanol e cogeração de energia a partir do bagaço de cana-de-açúcar estão ligadas à Raízen Energia (42,7% do EBITDA da Safra 2019/20), enquanto as atividades de distribuição de combustíveis sob a marca Shell, suprindo rede de postos de serviços, bases em aeroportos e clientes B2B no Brasil e na Argentina, estão ligadas à Raízen Combustíveis (57,3% do EBITDA da Safra 2019/20).

Presença

A Raízen conta com 26 unidades produtivas na região Centro-Sul do Brasil, localizadas nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Goiás. A empresa também opera duas unidades na cidade de Buenos Aires (Argentina).

Entre as unidades produtivas e os postos de combustíveis, a companhia conta com 62 terminais de distribuição espalhados ao redor do país para dar vazão à sua produção. Na Argentina, a Raízen possui três depósitos e dois terminais em aeroportos.

Na frente de distribuição de combustíveis, a companhia atua no Brasil por mais de 5.000 postos e na Argentina por mais de 1.000, ambos sob a bandeira Shell.

Composição acionária

Shell (50,0%): multinacional anglo-holandesa. Atua nos segmentos de energia (petróleo, gás natural e bioenergia) em mais de 130 países. É uma das maiores empresas do mundo em receita bruta.

Cosan (50,0%): é uma das maiores empresas do país, com investimentos nos setores de agronegócio, distribuição de combustíveis e gás natural e lubrificantes. Seus principais negócios são: Raízen, Comgás e Moove. A Cosan S.A. é listada na B3 no mais alto nível de governança corporativa (“Novo Mercado”).

Principais fatores do crédito

Para melhor entendimento, esclarecemos que a safra 2020/2021 na região Centro-Sul do Brasil abrange o período de colheita, entre abril e dezembro de 2020, e a entressafra, entre janeiro e março de 2021. Suas variações também se aplicam (ex: 2019/2020 seria o intervalo de abril de 2019 a março de 2020).

Fonte: Raízen. Elaboração: XP.

Cenário atual

Safra 2020/21

A Safra 2020/2021 do setor sucroalcooleiro foi marcada por choques de oferta e de demanda, inicialmente ocasionados pela guerra de preços de petróleo entre Rússia e Arábia Saudita, mas depois, ditados pela pandemia da covid-19 e seus desdobramentos.

Em um primeiro momento da pandemia, as cotações do açúcar e etanol foram impactadas. Contudo, houve também desvalorização do real frente ao dólar, e, como consequência, a remuneração do açúcar exportado foi maior.

A partir do relaxamento das medidas de distanciamento social, observado com maior intensidade em junho de 2020, os preços dos produtos começaram a se recuperar, beneficiando o açúcar e o etanol no mercado local. Ao fim da safra, em março de 2021, ambos eram negociados a preços favoráveis, fato raramente observado nos últimos anos.

Do lado operacional, as usinas do Centro-Sul apresentaram ganho médio de produtividade da cana de 3,1% no exercício, em virtude das chuvas acima da média no período de entressafra, e crescimento de 8,0% na quantidade de Açúcar Total Recuperável (ATR) produzido por hectare na mesma temporada, dada a estiagem no momento da colheita, já que a cana retém mais açúcar nessas condições. Em razão do avanço dos preços do açúcar, que cresceram mais do que os de etanol, as usinas adotaram um mix mais voltado para a produção do adoçante.

ATR é a sigla para Açúcar Total Recuperável, ou seja, a quantidade de açúcar (em quilogramas) que de fato sai da cana colhida (em toneladas). Nessa conta, por exemplo, é excluído o bagaço da cana, que pode ser reutilizado de outras formas.

Safra 2021/22

Na Safra 2021/2022, a manutenção do clima seco foi responsável pelo atraso no início da moagem. Além disso, a redução da área plantada em função da migração de fornecedores para outras commodities de rentabilidade maior no momento, como milho e soja, o envelhecimento do canavial em razão da diminuição do plantio na safra passada, e a manutenção das condições meteorológicas desfavoráveis, também deverão contribuir para a redução da oferta de cana nesta temporada.

A rentabilidade do açúcar deverá permanecer mais atraente do que a do etanol na safra atual. Contudo, sua produção deverá ser menor do que no último exercício, em função do menor ATR da safra e maior demanda de combustível, com o relaxamento das medidas de distanciamento social.

Destaques operacionais

O processamento de cana pela Raízen na safra 2020/2021 atingiu 61,5 milhões, valor 3% superior ao acumulado na safra anterior. Nesse intervalo, a produção da Raízen seguiu voltada para o açúcar, com 52% da cana processada sendo voltada ao processamento do adoçante, em função da melhor dinâmica de preços. Na temporada anterior, o mix de produção foi de 49% para o açúcar vs. 51% para o etanol.

A companhia registrou produção recorde de 8,3 milhões de toneladas de açúcar total recuperável (ATR), medida de capacidade da cana a ser convertida em açúcar ou álcool, valor 6,5% superior ao apurado no último ciclo. A maior produção é consequência do aumento da produtividade agrícola, que passou de 9,6 ATR/ha para 10,2 ATR/ha, decorrente de maiores investimentos em manejo, plantio e trato.

Na operação de distribuição de combustíveis no Brasil, o volume de ciclo Otto vendido na safra 2020/2021 sofreu queda de 12% ante a última temporada, sendo afetado pelas restrições de mobilidade. Enquanto isso, o volume de diesel apresentou avanço de 4%, beneficiado pelo forte desempenho do agronegócio.

A matriz de combustíveis do Ciclo Otto (etanol hidratado e gasolina) é utilizada na frota de veículos de passeio e carga leve.

Destaques financeiros

A métrica de Earning Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization (EBITDA) é um indicativo da geração de caixa operacional da empresa, sem levar em consideração os efeitos de receitas e despesas financeiras, impostos, depreciação e amortização. Apesar de não ser uma métrica auditada ou enquadrada nos padrões contábeis, é amplamente utilizada para análise de empresas. O EBITDA em relação ao endividamento líquido é uma das principais métricas utilizadas na análise de crédito.

Receita líquida e EBITDA

A Raízen apresentou receita líquida de R$ 120,6 bilhões na safra 2020/21, retração de 5,0% frente à receita da última temporada, explicado em sua maior parte pela menor rentabilidade e volume da distribuição de combustíveis, principalmente na primeira metade da safra.

Enquanto isso, o EBITDA totalizou R$ 6,6 bilhões, queda de 3,6% na mesma janela, com margem de 5,75% (ante 5,67% na última temporada). A melhor margem é reflexo de ganhos de eficiência em custos.

Aponta-se que a margem de distribuição de combustíveis é significativamente inferior à margem da produção de açúcar e etanol.

Endividamento e alavancagem

A dívida líquida ao fim de março totalizou R$ 12,9 bilhões, expansão de 32,2% frente ao apurado no mesmo período do ano anterior, decorrente de novas dívidas contraídas no intervalo, mais notavelmente a emissão de debêntures e Cédulas do Produto Rural Financeiras (CPR-Fs), além do recebimento antecipado referente a exportações em moeda estrangeira.

Enquanto isso, a relação Dívida Líquida / EBITDA atingiu 2,1x ao fim de março, ante 1,9x no mesmo período do ano anterior. O grupo não está sujeito ao cumprimento de índices financeiros.

A Raízen encerrou o exercício com saldo em caixa de R$ 6,5 bilhões, valor suficiente para o cumprimento das obrigações financeiras até meados de 2023. Ao considerarmos nas disponibilidades a linha de crédito rotativa com acionistas e sindicato de bancos de US$ 1 bilhão, o saldo seria suficiente para cumprimento até meados de 2024.

Pontos de atenção

Suscetível a condições climáticas e quebras de safra

A região Centro-Sul do Brasil atravessa períodos de estiagem com uma certa recorrência, o que prejudica a agropecuária na região como um todo. Já que a cana demanda alta disponibilidade de água para seu desenvolvimento, tais períodos de seca podem ocasionar a morte de lavouras, culminando na quebra de safra.

Durante a safra 2018/19, por exemplo, a região de Ribeirão Preto sofreu quebra de safra de cerca de 20% da produção decorrente de estiagem.

Para a Safra 2021/22, a estiagem deverá ser constante, ao contrário da anterior, que apresentou bons índices de precipitação no período de entressafra. Como a estiagem está atingindo várias fases de crescimento da cana, a produtividade das lavouras deverá ser reduzida. Ainda no âmbito de condições meteorológicas, as atuais geadas tendem a reduzir a qualidade da cana, agregar dificuldades no manejo da colheita, e criar desafios ainda maiores para 2022.

Ainda não é possível medir o tamanho do real impacto das condições meteorológicas adversas sobre as lavouras, contexto que deverá ser monitorado ao longo dos meses.

Dependência de fornecedores de carna

No processo produtivo da cana-de-açúcar, a cana a ser processada pode ser de cultivo próprio da usina ou comprada de fornecedores terceiros. Das 26 usinas da Raízen, 24 utilizam metade de cana própria e metade de fornecedores. As duas usinas restantes possuem participação inferior de terceiros.

Portanto, afirma-se que as operações da Raízen são altamente dependentes de terceiros. Sendo assim, a empresa fica exposta aos riscos da rescisão de contratos com fornecedores e da negociação de novos contratos, que, devido à concorrência, pode não conseguir atingir taxas comparáveis.

Além disso, os contratos possuem prazos longos de vigência e preços fixos, o que, por um lado, protege a empresa de possíveis altas de custos, mas, por outro, pode diminuir os ganhos financeiros em períodos de desvalorização da cana.

Exposta à volatilidade de preços e de mercado de açúcar e combustíveis

Os produtos comercializados pela Raízen (açúcar e combustível) estão sujeitos a variação de preços que pode afetar o desempenho financeiro da empresa. Ambos estão expostos às oscilações naturais de preço por dinâmica de oferta e demanda.

No caso do açúcar, os valores de referência no mercado local também são afetados pelos preços em dólar praticados no exterior. Quanto ao mercado de etanol, sua cotação é influenciada pela dinâmica de preços da gasolina.

Visando reduzir a volatilidade, são executadas estratégias de hedge cambial, de açúcar e etanol, que podem ter efeitos adversos nos resultados.

Eletrificação da rede de carros

A produção de carros movidos a energia elétrica se acelera pelo mundo, provocando mudanças na indústria automobilística, mobilidade urbana e dinâmica de combustíveis. Na Europa, continente onde os carros elétricos são bem presentes, países como Noruega, Irlanda, Holanda, França e Reino Unido anunciaram a proibição da venda de carros movidos por motor a combustão em prazos que variam de 2025 a 2040.

No Brasil, a adoção em massa de veículos elétricos ainda é uma realidade distante. Em 2020, segundo dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), o mix é de apenas 1% do setor automotivo.

Contudo, mesmo que em um horizonte maior, a eletrificação da rede de carros no Brasil reduziria a demanda por combustíveis de maneira significativa, o que afetaria negativamente as vendas da Raízen, seu resultado operacional e desempenho financeiro.

Fonte

ANP

Pecege

Raízen

Veja mais

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.