Debênture SuperVia – NOV/2026

Debênture SuperVia – NOV/2026

  • Vencimento 15/11/2026
  • Rentab. -
  • Liquidez -
  • Juros -
  • Rating D(bra)
  • Risco (0 - 100) 53 Risco Alto

    A nova pontuação de risco leva em consideração critérios de risco, mercado e liquidez. Para saber mais, clique aqui.

  • Preço Unitário R$ 10.000,00

Análise do Emissor

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

SPVI12 | Material elaborado com o intuito de informar os credores sobre a atual situação econômico-financeira da companhia.

A Supervia, controlada por um consórcio formado pela japonesa Mitsui e West Japan Railway Company, além de um fundo japonês, encontra-se em uma posição delicada. Após o pedido de Recuperação Judicial feito em Junho/2021, as próximas decisões tomadas pelos credores terão grande importância no resultado final das negociações.

A companhia tem a concessão da malha de transporte ferroviário urbano metropolitano no Rio de Janeiro desde 1998, e atua com seis ramais, ligando as regiões periféricas ao centro do Rio de Janeiro. Cinco deles envolvem a estação Central do Brasil: Japeri / Paracambi, Santa Cruz, Deodoro, Saracuruna e Belford Roxo. O sexto é o ramal Vila Inhomirim, constituído pelo trajeto Saracuruna ↔ Vila Inhomirim. O término da concessão está previsto para 2048.

Nesta seção serão expostos os principais fatores que, somados, contribuíram para que as projeções finais fossem diferentes do projeto inicialmente estabelecido.

O setor de transporte público foi um dos mais atingidos pela pandemia da covid-19. A Supervia sentiu o impacto direto das medidas de isolamento social, que ocasionaram queda severa na demanda de mobilidade urbana. De acordo com a Companhia, houve uma queda de quase 70% do fluxo de passageiros, e este ainda permanece quase 50% abaixo dos patamares pré-pandemia. Tal evento extraordinário não era previsto em nenhum cenário de projeção.

Além disso, em função da competitividade com outros modais e da alta elasticidade de demanda, este cenário dificulta a recuperação e previsibilidade da companhia, principalmente durante a crise e com novas restrições.

A queda no fluxo de passageiros afetou a principal fonte de receita da concessionária, considerando que ela foi obrigada pelo governo do RJ a manter a frota operando quase em sua totalidade, o que restringe a flexibilidade da empresa em reduzir custos e preservar margens. Com isto, acumulou um prejuízo de mais de R$ 474 milhões desde março de 2020, levando a uma geração negativa de caixa operacional.

No mais, antes da pandemia o setor de transportes públicos no Rio de Janeiro já vinha sofrendo por outros fatores, o que é agravado pelo fato de as concessões de trens e metros não preverem compartilhamento de risco com o Estado, ou seja, o Estado não “supre” a falta de pagamento de tarifas, caso haja queda na demanda. Enquanto São Paulo e Bahia também sentiram um forte impacto no fluxo de passageiros e de receita, mas possuem contratos com mecanismos de mitigação aos efeitos da queda da demanda.

A empresa depende que o poder concedente (o governo do Estado do Rio de Janeiro) reconheça os potenciais reequilíbrios econômicos derivados da pandemia (o que já foi feito parcialmente) e ainda defina a forma da compensação, que não necessariamente será paga imediatamente.

Projeto de Concessão da Malha ferroviária do Rio de Janeiro

Em 1998, a companhia assinou o contrato de concessão para a prestação de serviços de transporte ferroviário de passageiros na região metropolitana do Rio de Janeiro. Em 2010, foi assinado o Oitavo Termo Aditivo, estendendo a concessão para 31 de outubro de 2048, condicionado a investimentos de R$ 1,24 bilhão por parte da companhia. A segunda emissão de debêntures faz parte dessa condição.

As garantias do projeto são:

  • Penhor de ações da Emissora.
  • Cessão Fiduciária dos Direitos Creditórios relacionadas à cobrança mensal de 60% (sessenta por cento) das tarifas pagas.
  • Composição de uma Conta Reserva referente a uma parcela devida de juros e amortização das debêntures.

Mapa da Concessão

O projeto possui uma malha ferroviária de 270km, distribuída em oito ramais e em 102 estações, 5 ramais e 3 extensões. A rede ferroviária abrange a capital e 11 municípios de sua região metropolitana, conforme imagem abaixo:

Histórico da Demanda

Perfil da Dívida

As dívidas da companhia somam aproximadamente R$ 1,2 bilhão, dividido entre as debêntures SPVI12, o BNDES, a distribuidora de energia Light, e pequenas dívidas bancárias. O BNDES é o maior credor da companhia, com mais de R$ 800 mi em financiamentos. Existem também alguns mútuos com os controladores feitos recentemente para manter a liquidez da companhia.

Cronologia dos principais eventos

  • Devido às dificuldades iniciais da pandemia, a companhia começou a buscar “fôlego” financeiro. Em abril de 2020, ajuizou Ação de Obrigação de Não Fazer em face do agente fiduciário das debêntures e obteve liminar para assinar stand still (suspensão temporário do pagamento de dívidas) com o BNDES sem provocar um evento de vencimento antecipado nas debêntures.
  • Os debenturistas tentaram negociar o pagamento da parcela de maio em aberto, junto com a Companhia, através de uma AGD, porém não obteve sucesso por conta da liminar aprovada que autorizava o pagamento de apenas 35% do valor devido.
  • Entre agosto e novembro, foi realizada uma nova AGD para formalizar a contratação do CSA Advogados como assessor legal representante dos debenturistas.
  • Em novembro, a Supervia novamente obteve liminar para pagar apenas uma parte dos valores devidos enquanto perdurassem as medidas restritivas da pandemia. Assim que forem revogadas por completo, o saldo remanescente dessas parcelas será remunerado pela taxa das debêntures e deverá ser pago em até 60 dias.
  • No mês seguinte, a Companhia obteve liminar autorizando a contrair mútuo junto ao seu acionista GUMI no valor de R$ 40 milhões com prazo de 1 ano e remuneração de CDI + 4,10%. O mútuo é subordinado ao cumprimento dos valores devidos junto aos debenturistas.
  • No início de 2021, houve uma petição, por parte dos debenturistas, questionando os parâmetros do mútuo. Debenturistas contrataram o escritório Porto & Reis como assistente técnico para apresentar os quesitos ao perito do processo.
  • Em junho de 2021, a Companhia entrou com pedido de Recuperação Judicial (RJ), o qual foi aprovado. Foi feita a 1ª convocação da AGD, que irá ocorrer no dia 23/07/21. A AGD irá tratar do possível vencimento antecipado devido ao pedido de RJ, além da contratação do assessor legal para representar os debenturistas no âmbito da RJ, defendendo o interesse dos mesmos.

Entenda a Recuperação Judicial

O intuito da RJ é evitar que uma companhia quebre,. Através deste pedido, a empresa tem a possibilidade de retomar seu folego e se organizar para apresentar um Plano de Recuperação.

Caso seja aprovado, a Companhia recebe um prazo para a apresentação do Plano e é realizada a suspensão temporária de cobrança dos credores. Além disso, ocorre um acordo entre a empresa e os seus credores, sob a supervisão da Justiça.

No caso da Supervia, havia a expectativa de recuperação do volume de passageiros em 2021, mas a chegada da segunda onda da covid-19 frustrou as expectativas e estima-se que apenas em 2023 deverá retomar o fluxo semelhante ao ano de 2019, de 600 mil usuários por dia.

No decorrer do processo de RJ, a Supervia possui 60 dias, contando a partir do dia 11/06/2021, data em que foi aprovado o pedido, para apresentar um Plano para Recuperação das suas dívidas. Além disso, há um período de 180 dias de proteção contra os investidores.

A empresa afirma que tem a receber do governo do Rio de Janeiro aproximadamente R$ 200 milhões referentes a dívidas de processos sucessórios trabalhistas e cíveis de responsabilidade da Flumitrens e/ou Central Logística já pagos pela Supervia, mas que deveriam, de acordo com a empresa, ser reembolsados pelo governo estadual.

Em seu pedido, a Supervia também afirma que o aumento do preço da energia elétrica, que representa um quarto (1/4) de seus custos, afetou a sua operação.

Próxima Assembleia Geral dos Debenturistas

No dia 26/11/2021, será realizada a 1ª AGD após o Vencimento Antecipado da Supervia.

Nessa assembleia serão discutidos os seguintes temas abaixo:

  • Aprovar as estratégias para resguardo dos interesses dos Debenturistas no âmbito (i) do processo de Obrigação de Não Fazer de nº 0082778-24.2020.8.19.0001-05, que tramita perante a 2ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Rio de Janeiro – RJ (“Processo da Supervia”)

Nesse primeiro ponto, trata dos processos judiciários que ocorreram antes do pedido efetivo de Recuperação Judicial da Companhia e que não possuem mais validade. A companhia possuía uma liminar, aprovada em Abril/2020, que limitava seu pagamento em apenas 35% das parcelas devidas aos credores, até o fim das medidas restritivas da pandemia – não possuindo mais validade

  • do processo de Recuperação Judicial da Emissora que tramita com nº 0125467-49.2021.8.19.0001, perante a 6ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Rio de Janeiro – RJ (“RJ”), assim como nos demais processos conexos e/ou incidentais decorrentes dos Processo da Supervia e da RJ a serem adotadas pelo Agente Fiduciário, em representação dos Debenturistas

Estratégias de resguardo dos Interesses dos Debenturistas com relação à classificação dos seus créditos;

  • Aprovar, que o Agente Fiduciário vote pela não aceitação do Plano de Recuperação Judicial apresentado pela Emissora nos autos da RJ, em assembleia de credores da RJ (“AGC”), caso a mesma venha a ocorrer, sem que o Plano de Recuperação Judicial da Emissora a ser votado na AGC, tenha sido deliberado expressamente em sede de assembleia geral de Debenturistas da Emissão

Não aceitação do primeiro plano pró-forma apresentado pela Companhia a fim de cumprir prazo da RJ. O Plano alterado deverá ser apresentado em fevereiro/2022.

Importante destacar que, o processo de Recuperação Judicial protege a Companhia de suas dívidas e obrigações até a apresentação de um Plano de Recuperação aprovado pelos credores. Dessa forma, no momento não há nenhum pagamento aos debenturistas previsto até segunda ordem

Veja também

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.