XP Expert

Resumo Diário de Política 15/01/2020: Paulo Guedes discute agenda do governo

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Jair Bolsonaro anunciou ontem a recomposição do salário mínimo para acompanhar a inflação, a um custo de R$ 2,13 bilhões. Para além da contenção de danos políticos, a medida deixa com o Planalto a iniciativa – e, se bem condizida, por reduzir pressões no Congresso por mudanças ainda maiores. O novo reajuste será enviado por medida provisória (http://bit.ly/2TrkAg0).  


O impacto pode chegar a R$ 3,3 bilhões, segundo cálculo da IF (http://bit.ly/2tjMHDk) Com os gastos no limite do teto, o governo terá de encontrar espaço em outras despesas para custear o reajuste -mesmo com os R$ 8 bilhões extras de arrecadação anunciados por Guedes.
Os jornais chamam a atenção para o Bolsonaro “mão aberta” da volta do recesso (Estadão), um risco para o qual alertamos no nosso relatório anual. Cedo ou tarde, a pressão do presidente por gastos chegaria — tão melhor que tenha acontecido enquanto Paulo Guedes tem argumentos para sustentar que a orientação de sua política econômica deu resultados positivos.

Nesse sentido, uma pausa para reflexão: o comportamento de Bolsonaro em dois episódios recentes (energia solar e subsídio às igrejas) e a determinação explicitada ontem pela Fazenda, de que a diretriz da reforma tributária será a de redução de benefícios tributários (Valor Ecônomico), mais do que uma contradição, deixam um ponto de atenção para a discussão. As propostas que devem sair da equipe econômica vão no sentido de reduzir incentivos. É natural que os grupos que perderão esses benefícios assediem a equipe política com conversas tão sedutoras quanto a taxação do sol. A equipe econômica pretende fazer uma rodada de conversas nos gabinetes do Congresso para convencer parlamentares das suas ideias. Talvez seja prudente incluir o Planalto nesse roteiro.

E, na discussão da reforma tributária, estudo do Ipea aponta perdas e ganhos em simulação, caso o IVA fosse implementado de uma vez, que tiraria R$ 21,2 bilhões de São Paulo. Sem analisar os números do estudo em si (faremos isso em breve), a conta é ilustrativa do tamanho do desafio que há nessa discussão (Estadão).

A Secretaria de Desestatização, Desinvestimento e Mercados apresentou meta de obter R$ 150 bilhões com privatizações em 2020 – Banco do Brasil, Caixa e Petrobras estão fora, e os Correios ficam para 2021. O governo conta com um “fast track” para as vendas, que será encaminhado em fevereiro ao Congresso – que já discute um marco regulatório (Valor Ecônomico).

Curtas: EUA passam a endossar a candidatura do Brasil à OCDE (Folha); PSL quer eleger 500 prefeitos em 2020 (Folha) e governo chamará até 7 mil militares da reserva para tentar reduzir fila do INSS (Folhal).

InternacionalEUA deve manter tarifas sobre produtos chineses até depois da eleição, apesar do acordo comercial entre os países.  Segundo a Bloomberg, as tarifas devem permanecer até que a China cumpra com as demandas estipuladas na primeira fase do acordo, que será assinado hoje mais tarde em Washington. As potências concordaram que o processo de avaliação levará no mínimo dez meses, ou seja, não será concluído até a eleição, que acontece no dia 3 de novembro (https://glo.bo/35Rh01j). 

Por outro lado, ontem aconteceu o sexto debate democrata. A noite não trouxe grandes surpresas, uma vez que os candidatos procuraram cristalizar suas posições e evitaram ataques farpados entre si. Como era de se esperar após o confronto com o Irã, uma das principais discussões da noite foram as relações internacionais. Outros assuntos discutidos foram as diferentes visões para a reforma do sistema de seguro de saúde público, planos para proteger o meio ambiente, programas sociais e propostas fiscais. Para saber mais, veja nosso relatório aqui: http://bit.ly/2QVpDUo .

No Iraque, houve mais um ataque a base que abriga tropas americanas. Esse tipo de ataque se tronou mais frequente desde que o General Suleimani foi morto no dia 3 de janeiro.  Apesar de não houverem fatalidades, em resposta, a Europa abraçou uma nova estratégia contra o país do Meio Oriente e ameaçou a impor novas sanções contra o Irã, algo que a França, Alemanha e Reino Unido procuraram evitar desde o acordo nuclear de 2015. Teerã ainda não se manifestou acerca do desenvolvimento (http://bit.ly/2FPdgmj).

Hoje é o 379º dia do governo Jair Bolsonaro.

Faltam 264 dias para as eleições municipais.

Faltam 294 dias para as eleições nos EUA.

XP Política

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.