XP Expert

Resumo Diário de Política 04/10/2021: Inflação no centro das preocupações

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A semana que vem pela frente – Os primeiros dias de outubro continuam tendo a alta de preços, principalmente do gás de cozinha e de combustíveis, como principal preocupação na política. Arthur Lira deve dedicar a segunda-feira a manter o assunto em evidência, depois de reunião com Paulo Guedes e Jair Bolsonaro na sexta passada.

As alternativas continuam sendo a ideia de um PLP para tornar fixo o preço do ICMS sobre combustíveis – projeto enfrenta resistência de governadores e nunca conseguiu acordo para ir em frente – e a criação de um fundo de estabilização de preços. Há expectativa de uma reunião de Lira com líderes para tratar do tema. Joaquim Silva e Luna deu entrevista defendendo a política de preço da Petrobras e alertando para risco de desabastecimento em caso de represamento de preços (https://glo.bo/3DelbWf).

O tema tem ocupado também o primeiro lugar na lista de prioridades do Planalto (https://bit.ly/3a4jkH2). Não à toa, já que a inflação foi o principal mote das manifestações – esvaziadas – contra o governo Bolsonaro no fim de semana (https://glo.bo/3l8M2N4).

A semana deve ver também ser vencido o prazo de dez sessões para a comissão especial da PEC dos Precatórios, na quinta-feira, a partir de quando Hugo Motta fica livre para apresentar seu relatório – a tendência é que isso aconteça na semana seguinte. Os grandes focos de atenção serão (1) os mecanismos previstos para permitir o pagamento dos precatórios que excederem o subteto de R$ 39 bilhões e (2) a possibilidade de que o texto passe a prever a extensão do auxílio emergencial em 2022.

Essa batalha deve continuar a ser travada nos próximos dias. O Ministério da Economia segue travando a batalha contra a ala política do governo para evitar a concessão. Um dos argumentos é de que o programa possa ampliar a escalada inflacionária (https://glo.bo/3uFw7Ju) – alerta de que tratamos no podcast de sábado (https://spoti.fi/2Y8CHfk).

Na reforma do Imposto de Renda, o relator Ângelo Coronel tende a seguir com as reuniões que tem feito com setores da economia, além das audiências públicas que pretende promover na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. O noticiário registra alguma melhora no humor do Senado (https://bit.ly/3iy4hK7), mas ainda com ressalvas de Coronel e do presidente da CAE, Otto Alencar, a respeito da pressa do governo.

Outro assunto com espaço na semana é a extensão da desoneração da folha de pagamentos. Há previsão de votação da matéria na Comissão de Constituição de Justiça da Câmara – o relator promete apresentar o parecer no início da semana, mesmo sem apoio do governo (https://bit.ly/3D8cz37). O projeto é terminativo – ou seja, tem sua tramitação concluída já nas comissões, mas pode ser objeto de recurso que exija sua votação também no plenário.

Na CPI da Pandemia, as últimas semanas de oitiva devem se concentrar no caso Prevent Senior, ouvindo o presidente da ANS, e em contratos com suspeita de irregularidade no Ministério da Saúde (https://bit.ly/3a3ZZ8L). Queiroga testou negativo para covid e retorna ao Brasil (https://bit.ly/3B87eZ6).

Faltando menos de dois meses para as prévias do PSDB, o assunto conquista mais espaço no noticiário. Destaque do fim de semana foi a ida de João Doria a Minas Gerais, rompendo bloqueio de Aécio Neves ao paulista no estado (https://bit.ly/3iuyoST). A baixa adesão de mandatários, que têm mais peso na disputa, foi ironizada pelo grupo de Eduardo Leite (https://bit.ly/3mmqN9X).

Por fim, ganha espaço no noticiário, mas deve se restringir a isso e a ataques da oposição, a informação de que Paulo Guedes e Roberto Campos Neto possuem contas declaradas no exterior (https://glo.bo/2ZJNgGf).

Nas redes

Segundo o monitor XP-Conatus, o período é marcado pelo rescaldo dos atos de sábad. As manifestações são criticadas por bolsonaristas pela “violência” (ex: boneco de Bolsonaro sendo incendiado). A abordagem se soma aos ataques que tentam imputar a noção de “fracasso” aos atos organizados pela oposição.

Notamos ainda que a menção sobre contas no exterior de Paulo Guedes geram um pico de menções para o ministro, mas ainda sem engajamento relevante — chama atenção também a falta de defesa coordenada do bolsonarismo.

Internacional

Após a aprovação da medida que evitou o shutdown do governo americano na semana passada, democratas retomam as negociações internas pela agenda econômica de Biden. Os dois projetos — pacote de infraestrutura de USD 1,2 trilhão e Plano das Famílias Americanas — continuam gerando tensões (https://on.wsj.com/3uAgTFu).

Em tentativa de incentivar diálogo, Joe Biden tenta chegar a um valor de consenso de USD 1,9 – 2,3 trilhões — meio termo entre os USD 3,5 trilhões que quer a ala mais à esquerda e o USD 1,5 trilhão defendido pelos moderados (https://politi.co/3BaLGuT).

O líder do partido no Senado, Chuck Schumer, avalia que os dois projetos devem ser aprovados no mês de outubro (https://bit.ly/3oBb0qJ).

Em paralelo, ainda não há uma estratégia para a aprovação da suspensão ou elevação do teto da dívida, que segundo Janet Yellen poderia ser ultrapassado em 18 de outubro (https://bit.ly/3A86bam).

Hoje é o 1008° dia do governo Jair Bolsonaro.

Faltam 363 dias para as eleições presidenciais.

Hoje é o 161° dia da CPI da Pandemia.

Hoje é o 572° dia da pandemia de Covid-19.

XP Política

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.