Pesquisa XP Setembro 2019: Retomada da tendência de alta na reprovação de Jair Bolsonaro

Pesquisa elaborada pela XP em parceria com Ipespe em setembro de 2019 com a população.

access_time 02/09/2019 - 14:27
format_align_left 2 minutos de leitura

Pesquisa XP Investimentos – Ipespe conduzida de 27 a 29 de agosto e divulgada em setembro registra a retomada da tendência de alta na reprovação ao governo Jair Bolsonaro. O grupo que considera a administração ruim ou péssima passou de 38% para 41%, enquanto os que veem o governo como ótimo ou bom oscilaram de 33% para 30%. Os números confirmam o movimento observado no início de agosto, quando as respostas positivas tinham caído um ponto e as negativas, subido três.

A pesquisa, com 1.000 entrevistas de abrangência nacional e margem de erro de 3,2 p.p., foi conduzida na sequência do noticiário a respeito das queimadas na Amazônia e de suas consequências. Para 44% dos entrevistados, a ação do governo para combater os incêndios é ruim ou péssima. Outros 26% avaliam a resposta do governo como boa ou ótima.

A ação de fazendeiros ou posseiros é vista como a principal responsável pelas queimadas – resposta escolhida por 39% dos entrevistados –, enquanto 13% atribuem maior responsabilidade às ONGs, como sugerido por Bolsonaro. O próprio governo é apontado como principal responsável por 20%.

O grupo que considera a administração ruim ou péssima passou de 38% para 41%, enquanto os que veem o governo como ótimo ou bom oscilaram de 33% para 30%.

Em relação à ajuda financeira oferecida pelo G7, 70% acham que o Brasil deveria aceitá-la – ainda que, para 62%, a oferta seja motivada por interesses políticos e econômicos que podem afetar a soberania do país, e só 29% vejam a preocupação com a floresta e com a biodiversidade como principal motivação para a ajuda do G7.

Pela quarta vez no ano, os entrevistados foram instados a atribuir notas a personalidades políticas. Embora Sergio Moro ostente a maior nota entre os personagens testados (6,0), sua avaliação diminui desde janeiro, quando obteve nota 7,3. Jair Bolsonaro também perdeu pontos, saindo de 6,7 para 5,5. Nos dois casos, é crescente o percentual dos entrevistados que atribuem notas negativas aos dois (0 a 3). De janeiro para agora, essa fatia saltou de 17% para 31% no caso do ministro da Justiça e de 20% para 33% no do presidente da República.

A pesquisa também mediu a avaliação da relação entre Bolsonaro e os órgãos de fiscalização e controle do país. Para 55%, as decisões do presidente em relação à Polícia Federal e à Receita podem prejudicar investigações e o combate à corrupção – outros 35% acham que elas não afetam o combate ao crime. Quando questionados sobre quem, entre Bolsonaro e Moro, mais representa o combate à corrupção, 38% escolhem o ex-juiz, e 24% o presidente. Outros 18% apontam os dois ao mesmo tempo. Para 67% dos entrevistados há alguma sintonia ou muita sintonia na atuação de Moro e Bolsonaro.

Para acessar a pesquisa na íntegra clique aqui.

Para acessar o histórico completo das Pesquisas XP, clique aqui.

XP Política

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins da Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.