XP Expert

A política na semana – 5 de julho

Com a prorrogação do auxílio emergencial, governo tenta ganhar tempo para estruturar novo programa social em busca de afastar riscos fiscais

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O destaque da semana no mundo político foi a prorrogação do auxílio emergencial anunciada pelo governo de Jair Bolsonaro. Serão mais dois aportes de R$ 600 divididos em três parcelas. A ideia do governo é esticar o período de cobertura, com duas parcelas escalonadas que cubram três meses com valores decrescentes, de modo a viabilizar a transição para o Renda Brasil, novo programa de transferência de renda que o governo pretende implementar ao final do coronavoucher.

Pedro Guimarães, o presidente da Caixa, disse que ainda está em estudo a possibilidade de fazer mais de um pagamento do coronavoucher por mês, de modo a viabilizar a “escadinha” sugerida por Guedes. Segundo dados do Ministério da Cidadania, mais de 46 milhões de pessoas já receberam o auxílio emergencial. Apesar de essa hipótese não ter sido comprovada pelas pesquisas de popularidade, o sentimento em Brasília é de que o pagamento do auxílio, em meio a pandemia, tem efeito positivo sobre a avaliação da administração Bolsonaro, mesmo diante das crises recentes na composição do governo e com o Poder Judiciário.

Maia, Alcolumbre e Bolsonaro assinam decreto que prorroga o pagamento do auxílio emergencial.
(Foto: Isac Nóbrega/PR)

Renda Brasil

O objetivo do Renda Brasil seria perpetuar uma ajuda mensal de R$ 300, pagamento que já vai ser “ensaiado” pelo cofre da União no escalonamento do coronavoucher e que é mais alto que o atual Bolsa Família. O novo formato de assistência social reuniria de forma reciclada outros programas sociais: seguro defeso, abono salarial, entre outros. 

Uma porta de saída também é prevista no novo desenho para estimular a reentrada dos beneficiários no mercado de trabalho, por meio do programa Carteira Verde Amarela com a possibilidade de contratação por hora de trabalho, desoneração de encargos e imposto de renda negativo para quem não atingir um salário mínimo.

Reação no Congresso

É necessário, no entanto, atentar para o fato de que a mudança na política de transferência de renda depende de aprovação do Congresso. Há dois riscos principais nesse processo político: o primeiro é que não se chegue a uma formulação e aprovação do novo programa a tempo de substituir o que está sendo pago, o que elevaria a pressão pela manutenção do auxílio atual com grave repercussão nas contas públicas. 

O segundo, que o Congresso impeça a extinção de parte dos benefícios que o governo pretende encerrar na tentativa de encontrar receita para o Renda Brasil. A manutenção do novomecanismo de transferência de renda junto com outro benefícios seria mais um caminho de aumento da pressão por gastos.

O escalonamento do pagamento do auxílio emergencial não agradou muito o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Ele lembra que a lei sobre o tema só autorizou pagamentos no valor de R$ 600 e não fala de parcelamento. Maia tem chamado atenção também para a complexidade do debate sobre extinguir programas sociais e tornar eficiente um modelo que os reúna, considerando estarão em ano eleitoral e no meio das dificuldades econômicas geradas pela pandemia.

Em estudo

Com efeito, incluindo a proposta de reforma tributária, tudo o que este texto cita até aqui está em estudo, excetuando a prorrogação do auxílio emergencial. No Congresso, lideranças dos partidos de centro mostram discurso ensaiado em defesa da saúde fiscal do país, mas as pressões em ano eleitoral e em meio à pandemia não podem ser desprezadas.

Outro lema que está na ponta da língua dos líderes partidários é a necessidade de avançar ao máximo com a reforma tributária ainda este ano, com a criação do IVA federal (Imposto sobre Valor Agregado). Mesmo com parcela expressiva do Congresso rejeitando, pelo menos por enquanto, falar em tributação de lucros e dividendos, no final da semana, Guedes disse que tema será sim incluído na proposta do governo, ainda em estudo, para a reforma tributária. 

“Não quero tributar empresa, mas se o dinheiro sair para o acionista, aí você tributa o dividendo. Não é possível que alguém pague zero sobre dividendo enquanto o trabalhador paga 27,5%”, afirmou Paulo Guedes. Tramitam duas propostas diferentes de reforma tributária, uma na Câmara e outra no Senado.

Paulo Guedes fala sobre novo formato do coronavoucher em cerimônia no Planalto. (Foto: Isac Nóbrega/PR)

Eleições em novembro

No tema eleitoral, Câmara e Senado aprovaram a PEC que adia as eleições municipais de 2020 de outubro para novembro com a intenção de reduzir os riscos de contágio por coronavírus para o eleitorado. O efeito da mudança no calendário (1º turno em 15 de novembro e 2º turno em 29 de novembro) é empurrar para frente todo o calendário eleitoral, incluindo o início efetivo da campanha para 26 de setembro.

Na prática, o adiamento também abre uma janela maior no início do segundo semestre para discussões de outras pautas – período em que Rodrigo Maia tem sinalizado disposição de avançar com a reforma tributária na Câmara, apesar da falta de coordenação no tema com o Senado.

Atalho nas privatizações

No início do segundo semestre, além da pandemia e seus efeitos econômicos começam a surgir outros temas com potencial para voltar a criar ruído político. Um deles foi a comunicação das mesas do Congresso, Senado e Câmara ao Supremo informando que o governo estaria burlando a regra e desmembrando empresas matrizes em subsidiárias menores para facilitar o processo de privatização. 

A regra estabelecida pelo STF determinou que a venda da empresa estatal mãe (matriz) só pode ser feita mediante lei aprovada pelo Congresso. O parlamento quer deixar claro que as chamadas “privatizações brancas” são uma forma de burlar a autorização do Congresso para venda desses ativos públicos. Foram citadas como exemplos as vendas das refinarias Landulpho Alves (Rlam) e Paraná (Repar).

Nos bastidores, o relator do tema no STF, ministro Ricardo Lewandowski, não gostou de a manifestação do Congresso ter chegado no último dia antes do recesso, que o impediu de decidir, pelo menos até agosto, para coibir o suposto atalho adotado pelo governo. A decisão sobre o tema fica a critério do presidente do Supremo, Dias Toffoli, no plantão durante o recesso de julho. Toffoli pode ser considerado um defensor da simplificação dos meios de desestatização, enquanto Lewandowski já chegou a suspender todas as privatizações do país. De qualquer forma, o tema terá que ser analisado pelo plenário que assentou a regra em vigor.

Crises agendadas

O Supremo encerrou nesta semana um dos semestres mais intensos da história do tribunal, alimentado pela pandemia do coronavírus e pela crise com o Poder Executivo. Ao final do da primeira etapa de 2020, está mais claro que a composição atual do STF tende a discordar mais do governo na chamada pauta ideológica do que nos temas econômicos. Linha que deve ter continuidade, principalmente após a troca de comando do tribunal, com a posse de Luiz Fux como presidente, em setembro.

Ao longo da pandemia, a postura dos ministros de decidir sobre coronavírus com base em preceitos científicos e as acusações feitas por Sergio Moro na saída do Ministério da Justiça levaram a crise a momentos de quase ruptura. Enfrentando uma espécie de “cancelamento” virtual, ameaças e ofensivas em diversas intensidades, inclusive partindo do governo, vimos o Supremo cada vez mais unido em torno da autoproteção e usando como escudo o controverso inquérito das fake news, que apura ataques contra os ministros da Corte. 

A conclusão dentro do STF, externada pelo presidente, Dias Toffoli é de que depois de tanta turbulência a instituição e a democracia saíram mais fortes. A partir de amanhã, Toffoli ficará no plantão para decidir temas urgentes até o final do recesso em agosto. 

Executivo e Judiciário têm novas crises previstas para o segundo semestre (Foto: Jonas Pereira/Agência Senado)

Segundo semestre

Para o próximo semestre, a tendência é que permaneça o clima de atrito entre o presidente Jair Bolsonaro e o Supremo, mesmo diante da trégua e do distensionamento vistos nas últimas semanas. O presidente eleito, Luiz Fux, no entanto, vai buscar uma gestão atenta aos temas econômicos, com ênfase na proteção das contas públicas, e baseada na busca de consensos, tarefa árdua considerando os temas que o STF tem pela frente. 

Os que mais preocupam o Palácio do Planalto são as ações de cassação no Tribunal Superior Eleitoral, mas há outras fontes de ruído já contratadas e que merecem atenção. A decisão sobre o foro no qual deve ser investigado o senador Flávio Bolsonaro no caso da rachadinha ficou para o segundo semestre e deve ter lugar no plenário do STF. 

Os inquéritos sobre fakenews (prorrogado por mais 6 meses) e organização/financiamento dos atos antidemocráticos avançam com apuração que alcançam cada vez mais aliados próximos do presidente. Não menos turbulenta será a indicação do sucessor do ministro Celso de Mello, que vai se aposentar em novembro. O PGR, Augusto Aras, desponta como candidato mais aguerrido. Quanto mais perto a troca, mais nomes vão surgir.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.